quarta-feira, setembro 2

Tarde e a más horas


A Ministra da Educação admitiu hoje que existiram problemas de comunicação entre o Governo e os professores, como ontem considerou José Sócrates, mas garantiu que não viu nessas declarações uma crítica ao seu trabalho.
Ai não? Então foi ao trabalho de quem?

O secretário-geral do PS e primeiro-ministro afirmou terça-feira à noite, em entrevista à RTP, que, se voltar a formar Governo, tudo fará para restaurar uma relação "delicada" e "atenta" com os professores, reconhecendo falhas na forma como lidou com este sector. Sobre as razões do mau relacionamento entre executivo e docentes, Sócrates admitiu que, da parte do Governo, "talvez não tivesse havido suficiente delicadeza no tratamento com os professores".

Claro que, quando fala em Governo, refere-se à Ministra da Educação, embora com a política de “pezinhos de lã”, que ultimamente tem vindo a adoptar, tenha admitido que a sua personalidade tenha contribuído igualmente, para o ambiente de crispação e que, se tal aconteceu, tudo fará para corrigir isso. “Estou muito disponível para restaurar uma relação delicada e atenta a todos os problemas dos professores", frisou.
Faz-me lembrar aquela anedota da alma que visitou o Inferno antes das eleições e opta por este, para logo se arrepender quando lá regressa, após as eleições.

5 Comentários:

Às 03 setembro, 2009 11:45 , Blogger Maria Almira Soares disse...

O argumento dos «problemas de comunicação» não colhe quando o interlocutor é um corpo especializado e assunto e contexto são os da sua especialidade. Neste caso o conteúdo sobrepõe-se ao meio. Mesmo que as decisões tivessem sido tomadas numa língua exótica ou os que as tomaram não tivessem dito uma palavra, os professores teriam percebido muito bem o seu alcance.

 
Às 03 setembro, 2009 15:52 , Blogger Peter disse...

PEÇO DESCULPA, MAS SOU OBRIGADO A VOLTAR A IMPEDIR O ACESSO AOS COMENTARISTAS ANÓNIMOS ANTES QUE O FILHO DA PUTA DE UM "CHINÊS" ME REBENTE COM O BLOG.

Peter

 
Às 03 setembro, 2009 16:01 , Blogger Peter disse...

Maria Almira Soares

Tens toda a razão. Ninguém esquece os 100.000 professores que sairam à rua em defesa da sua profissão e dignidade.
Certamente não o esquecerão, na altura de votar, tal como nós, os que assistimos.

Marido e pai de professoras.

 
Às 03 setembro, 2009 20:10 , Blogger vbm disse...

Por inepta que haja sido a acção do Ministério louvo-lhe, não obstante, uma intenção e um efeito: a de não aceitar a situação de ensino existente no País; a de ter expulso a Fenprof do Ministério. Concordo, porém, que a reforma desejável está ainda por fazer. O ideal seria que a parte do corpo docente deveras empenhada na reforma delimitasse as fronteiras que o devem dividir dos embusteiros ancorados na nobre profissão de ensinar e instruir os jovens da cada povo.

 
Às 04 setembro, 2009 00:30 , Blogger Peter disse...

vbm

É uma opinião... o que vale é que 100 mil não têm a tua. Mandei-te um pps: "Ser professor/a em Portugal". Se calhar não lhe ligas nenhuma...

O que não faltam neste país, que é o nosso, são "embusteiros" nas mais diversas profissões.

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial