sexta-feira, julho 10


(P. Charteres de Azevedo)


Aquela

Minha amada é de carne, de pele e pêlo.
Ora é negra, ora é loura, ora é vermelha.
Minha amada é três. É trinta e três.
Minha amada é lisa, é crespa, é salgada, é doce.

Ela é flor, é fruto, é folha, é tronco.
Também é pão, é sal e manga-rosa.
Minha amada é cidade de ruas e pontes.
É jardim de arrancar flores pelo talo.

Ela é boazuda e é bela como uma fera.
Minha amada é lúbrica, é casta, é catinguenta.
Minha amada tem bocas e bocas de sorver,
de sugar, de espremer, de comer.

Minha amada é funda, latifúndia.
Minha amada é ela, aquela que não vem.
Ainda não veio, nunca veio, ainda não.
Mas virá, ora se virá. A diaba me virá.

Darcy Ribeiro

Etiquetas: ,

3 Comentários:

Às 10 julho, 2009 10:36 , Blogger Peter disse...

A poesia brasileira é sensual e desinibida, não se perde em "rodriguinhos" choramingando amor.

P.S. - Não consigo postar.

 
Às 10 julho, 2009 11:57 , Blogger vbm disse...

Eu consegui aceder sem problemas; mas acedi através do "dashboard" do meu blog. Vou experimentar pelo "conversas"

 
Às 10 julho, 2009 12:11 , Blogger Peter disse...

Vou enviar-te um e-mail

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial