terça-feira, dezembro 23

AS CRIANÇAS



De súbito,
parece que cresceram.
Descobrem o que é o amor
e transformam-se em adultos.
Mão na mão vagueiam,
Sem repararem nas multidões
à sua volta,
silhuetas desenhadas ao pôr-do-sol.

Seus corações são como
pássaros cativos dentro deles,
e no pulsar de cada batimento
está o pulsar de toda a humanidade.

Silenciosas, sentam-se juntas
na margem de um rio
junto de uma árvore solitária, ao luar.
A bruma não levantou,
a terra é um sussurro.

Como papagaios de papel, os seus corações
planam, acima das cabeças.
Apesar de ter sido sempre assim,
será que mudará quando por fim
seguirem o seu caminho?

Há outra forma de ver isto:
Um vaso cheio de luz é derramado
sobre uma flor,
revelando subitamente em cada um de nós
uma dimensão inesperada.

O que começou dentro de ti,
destruí-lo-ás um dia?
Ou vais guardá-lo ciosamente dentro de ti,
sabendo sempre distinguir o certo do errado?

(Tradução portuguesa do poema “As Crianças”, escrito pelo Papa João Paulo II)

7 Comentários:

Às 23 dezembro, 2008 14:49 , Blogger Peter disse...

O Natal é, ou era a “festa da família”. É como tudo, é para alguns, para os que têm família, não para aqueles que, por motivos diversos, não a podem ter junta como desejariam. A saudade dos que já morreram, dos que se afastaram, dos que não puderam juntar-se, está sempre latente.
Por mais que queiramos esquecer, eles estão sempre presentes no nosso espírito, no espírito dos mais velhos.

Será a festa das crianças, que começam a contar os dias e depois as horas que faltam para a meia-noite do dia 24.
- “Pai, já podemos abrir as prendas?”
- “Não, só à meia noite.”
- “Quanto tempo falta?”
- “Come. Ainda faltam 3horas.”
- “Nunca mais chega!”

Espero que os meus netos, aqueles que podem passar o Natal connosco, gostem do Presépio que descobri a pensar neles.

 
Às 23 dezembro, 2008 15:32 , Blogger Ant disse...

gostam de certeza. porque o afecto está lá todinho.

Abraço

 
Às 23 dezembro, 2008 18:20 , Blogger Blondewithaphd disse...

Gosto do cenário!

Muito Boas Festas. Abraço.

 
Às 23 dezembro, 2008 22:24 , Blogger Compadre Alentejano disse...

O Natal é algo sempre actual. Vai passando, naturalmente, de geração em geração. Ontem, atingiu-nos a nós, depois os nossos filhos e, agora são os nossos netos a herdarem o espírito de Natal.
É A VIDA, como o Guterres dizia...
Mas tenho uma grande saudade das festas de Natal, passadas em casa de minha avó, algures no Baixo Alentejo...
Um abraço de Boas Festas
Compadre Alentejano

 
Às 23 dezembro, 2008 23:04 , Blogger Papoila disse...

Querido Peter:
Vão gostar desta noite mágica passada com o avô para sempre recordada no que de mais terno e puro possuem por toda a vida.
Eu gostei da tardução e da imagem.
BOM NATAL!
Beijos

 
Às 23 dezembro, 2008 23:41 , Blogger Peter disse...

Papoila e Compadre Alentejano

A saudade dos que já morreram, dos que se afastaram, dos que não podem juntar-se, está sempre presente.

Por isso, para mim o Natal é tempo de recordar e não de festejar.

 
Às 23 dezembro, 2008 23:41 , Blogger Meg disse...

Peter,

Posso assinar por baixo este teu comentário sobre o Natal... só não tenho presépio. Espero que gostem da árvore de Natal.

Um BOM NATAL para ti e para os teus.

Um abraço

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial