sexta-feira, maio 2

Códigos… e mais códigos…

Na ordem do dia está o código de trabalho.
Matéria delicada para legislar, mais delicada ainda para quem vai ser afectado por ele.
Não vou defender qualquer posição.
Aliás que bem defendidas estão as várias posições sobre esta matéria.
Estive a ver o debate com o painel de políticos que se digladiavam com o Sr. Carvalho da Silva, no programa da RTP cujo nome não me recordo, e continuo a gostar muito de ver a Ana Drago. Ela é das deputadas mais interessantes da política portuguesa… bem… por acaso também simpatizo com algumas opiniões da rapariga e ontem até que esteve inspirada. Digo eu… claro…
A verdade é que nestas matérias laborais, tal como em muitas outras, as pessoas que mais directamente vão viver este ou outro código laboral (chamemos-lhe assim), são pouco ou nada ouvidas ou tidas em conta.
Podem dizer que existem os sindicatos. Contraponho dizendo que os sindicatos, salvo raras excepções, defendem posições não apenas políticas mas, e sobretudo partidárias. Não se
remetem para as ideologias, o que seria aceitável, mas para objectivos eleitorais dos partidos onde se inscrevem.
É por isso que nas organizações, públicas ou privadas, se tomam decisões à margem das necessidades dos seus trabalhadores.
Curiosamente, a organização onde trabalho – que até se inscreve numa ideologia aparentemente
defensora dos direitos e regalias dos trabalhadores –, é das primeiras a adoptar medidas que, para além de se incluírem filosoficamente na margem oposta aos seus princípios, até vai mais longe. Antecipa-se, promove a discórdia, o mal-estar.

Ou seja, as organizações acabem por tomar decisões que prejudicam os seus trabalhadores porque, pura e simplesmente, não os ouvem.
O resultado desta atitude é pessoas infelizes e de baixa produtividade.
Depois, para satisfazerem sobrinhos e afilhados, vão prejudicando indivíduos competentes, colocando-os em funções (ou disfunções), desadequadas às suas capacidades.
Depois inventam projectos megalómanos que acabam por pôr em causa as pessoas, sendo que as pessoas deveriam ser os verdadeiros destinatários das medidas que as organizações, grandes e pequenas, públicas e privadas.
Será difícil seguir o exemplo do Google, mesmo que à dimensão possível?
Eu acho que não.

6 Comentários:

Às 02 maio, 2008 21:23 , Blogger meg disse...

Peter, posso assinar por baixo?
Só com uma ressalva, Peter! Não é sr. Carvalho da Silva... sr dr.
Carvalho da Silva.
Já leste as minhas desculpas no post anterior? POIS! SOBREVIVI, ou antes ESTOU A SOBREVIVER devagar.
As tuas melhoras.
Um abraço e bom fim de semana

 
Às 02 maio, 2008 22:37 , Blogger Peter disse...

meg

Claro que podes e deves assinar por baixo.
Agora aqui no blog é assim:
- Cada colaborador tem uma semana inteira à sua disposição.
Esta é do ANT e a próxima do vbm.

Qt à minha saúde, há muita gente infelizmente bem pior.

Recomendo-te vivamente o livro:
"O último ano em Luanda", de Tiago Rebelo.

Um bom fds.

P.S. - A m/actividade reduzida leva-me a dosear as minhas visitas aos blogs amigos. As minhas desculpas.

 
Às 02 maio, 2008 22:40 , Blogger Peter disse...

ANT

Gosto muito da Ana Drago, por todas as razões e mais uma, gosto mais dela do que do "monocórdico" Francisco Louçã.

Partilho a tua opinião no que respeita aos Sindicatos.

Bom fds.

Abraços.

 
Às 03 maio, 2008 01:53 , Anonymous lucia disse...

km tirou as fotos?

 
Às 03 maio, 2008 16:19 , Blogger vbm disse...

O desenvolvimento mais deprimente e sempre recorrente de qualquer revolução é o alheamento pela sorte daqueles em nome dos quais a revolução singra e ganha adeptos. Porque será? Se é sempre assim, deve haver uma necessidade férrea de que assim seja...

Segundo a luta de classes, o estado nunca é neutro antes instrumento da classe dominante. Ora, no caso português, os que mandavam antes são os que mandam depois de... Logo, "tudo como antes, quartel-general em Abrantes".

E por falar em Abrantes, temos de celebrar o 24 de Agosto que, desde 1820, mantem um regime político ainda não destituído por nenhum golpe de estado: - o poder liberal de proprietários, empregadores e cobradores de impostos!

 
Às 07 maio, 2008 22:56 , Blogger Peter disse...

Nem mais:

"no caso português, os que mandavam antes são os que mandam depois de..."

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial