quarta-feira, janeiro 30

O Início...

"No início não havia nada. E esse nada não era nem vazio nem vago: não precisava de mais, bastava-se. E Deus viu que isso era bom. Por nada no mundo iria criar fosse o que fosse. O nada era mais que uma conveniência : o nada bastava-lhe.

Deus tinha os olhos perpetuamente abertos e fixos. Mas mesmo que eles estivessem fechados, nada iria mudar. Não tinha nada para vêr e Deus não olhava para nada. Era cheio e denso como um ovo duro, possuindo a sua curvatura e a sua immobilidade.

Deus era a satisfacção absoluta. Não queria nada, não ouvia nada, não se apercebia de nada, não recusava nada e não se interessava por nada. Vivia de tal forma em plenitude que acabava por não viver. Deus não vivia, ele existia.

A sua existência não tinha para ele um princípio perceptível. Como certos grandes livros que têm frases iniciais tão discretas, que as esquecemos rapidamente e ficamos com a impressão de estarmos instalados na sua leitura desde o princípio do tempo. Da mesma forma, era impossível perceber o momento em que Deus começou a existir. Era como se Ele tivesse sempre existido.

Deus não tinha linguagem e portanto não tinha pensamento. Ele era saciedade e eternidade. E tudo isto provava incontestavelmente que Deus era Deus. E esta evidência não tinha qualquer importância, porque Deus se estava completamente a lixar para o facto de ser Deus."


Amélie Nothomb
in "A Metafísica dos Tubos"
(adaptação)

nota: Esta passagem é a descrição literária mais extraordinária que conheço da Origem do Mundo e de Deus. Amélie Nothomb, Belga, é conhecida pelo romance "Stupeur et Tremblements" que mereceu um prémio da Academia Francesa, tendo igualmente sido adaptado ao cinema.

13 Comentários:

Às 31 janeiro, 2008 01:26 , Blogger Belzebu disse...

Apesar de ser uma perspectiva interessante da origem de Deus e do mundo, ainda não é para mim, suficientemente credível para merecer a minha atenção! Ele que dê a cara e que mostre onde aprendeu os truques!

eheh!! Aquele abraço infernal!

 
Às 31 janeiro, 2008 09:30 , Blogger Tiago R. Cardoso disse...

Interessante...

Uma perspectiva possível, embora a maioria da nosso mundo hoje só acredite em algo baseado em provas...

 
Às 31 janeiro, 2008 09:49 , Blogger quintarantino disse...

... não conhecia, mas é notável!

 
Às 31 janeiro, 2008 12:45 , Blogger Blondewithaphd disse...

Basta a fluidez do discurso para ser notável. Não conhecia, obrigada!

 
Às 31 janeiro, 2008 14:23 , Blogger Olhos de mel disse...

Belo texto, sem dúvidas! Mas acho que Deus estava arredio e triste, com a futura criação, porque havia previsto todo holocausto do mundo. Mas seria necessário que assim fosse. Infelizmente viu todos os horrores, que a humanidade seria capaz de cometer; pela ambição, inveja, desamor. Porém só assim, cumprimos os carmas e crescemos espiritualmente. Ele só não previu, que tudo chegasse a extremos. Acho que a postura, já era de um grande arrependimento pelo que seria chamado de humanidade...
Amei o post!
Bom fim de semana!
Beijos

 
Às 31 janeiro, 2008 14:40 , Blogger Peter disse...

"bluegift"

Em meu entender, no texto, o que é de salientar, não é a existência, ou não existência da Divindade, mas sim como dizes:
- Ser "a descrição mais extraordinária (que conheces) da Origem do Mundo e de Deus".

Reportando-me à Mitologia Grega:

A criação da Terra, segundo os Gregos

«Muito, muito antes de os deuses aparecerem, num passado obscuro, há eras incontáveis, existia apenas a disforme confusão do Caos, mergulhado na escuridão de breu. Por fim (o como ainda nunca ninguém conseguiu explicar verdadeiramente) nasceram duas crianças desse nada informe. A noite era filha do Caos, tal como Érebo, a profundidade impenetrável onde a morte habita. Em todo o Universo não existia mais nada, tudo era escuro, vazio, silencioso, infinito.»

 
Às 31 janeiro, 2008 18:13 , Blogger Meg disse...

Bluegift, depois de uns dias de ausência, ainda vou precisar de mais umas horas para me dedicar a
este texto. E analisar também o que o Peter pensa do assunto, embora à primeira esteja mais para o ponto de vista do Belzebu...
Eu volto

Um abraço

 
Às 31 janeiro, 2008 19:22 , Blogger bluegift disse...

Belzebu,
Tu sabes bem que sobretudo a ti ele NUNCA ensinaria os truques ;)

Tiago,
A autora faz uma síntese magistral de vários princípios filosóficos, da mitologia e da ciência sobre a origem da vida. O Big Bang não é observável, só pode ser inferido a partir das investigações científicas em curso, tal como uma catrefada de outros fenómenos científicos não observáveis.

Charles my boy,
Yes, she's a very good writer.

Blonde,
Tens de ler o "Stupeur et Tremblement". Vale a pena.

Olhos de Mel,
Pois, ele andava lá pelo Zen mas deve-se ter aborrecido. Pelo menos agora tem bastante mais com que se entreter.

Peter,
Eu sabia que irias pegar no assunto de outra forma, daí a escolha. Repara, segundo a quântica, o tão contestado e incerto BigBang surgiu de uma flutuação quântica do vazio, do nada. Ela pegou também nessa concepção e cozinhou esta passagem que eu acho simplesmente deliciosa.

meg,
Cá para nós, eu acho que foi o Belzebu quem estragou tudo! E o Deus, olha, lá tem que se aguentar com o lindo serviço que ele lhe arranjou :)

 
Às 31 janeiro, 2008 19:26 , Blogger bluegift disse...

Peter,
Lembras-te do "2001 Odisseia no Espaço"? Qual é a imagem do filme que é evocada neste pedaço de texto?

 
Às 01 fevereiro, 2008 00:46 , Blogger Peter disse...

"bluegift"

A parte final do texto:

"A sua existência não tinha para ele um princípio perceptível (…) Era como se Ele tivesse sempre existido. (…) Deus (…) era saciedade e eternidade. E tudo isto provava incontestavelmente que Deus era Deus. E esta evidência não tinha qualquer importância, porque Deus se estava completamente a lixar para o facto de ser Deus."

A parte final do filme e do livro:

«(…) ele (Bowman) deixara para trás as escalas temporais da sua origem humana; ao contemplar aquela faixa de noite sem estrelas, sentiu as primeiras intimações da Eternidade que se abria à sua frente. Mas lembrou-se então de que nunca estaria só (…) Quando, nos seus primeiros passos hesitantes, precisasse de ajuda, ela estaria lá. Novamente confiante, lançou-se através dos anos-luz (…) Voltara precisamente aonde queria, ao espaço a que os homens chamavam real.»

 
Às 01 fevereiro, 2008 16:13 , Blogger bluegift disse...

A verdadeira e inacessível Realidade que reside, afinal, no Nada, e os olhos abertos e fixos do embrião nihilista que a contempla, bastando-se. Imagens espectaculares que a autora não esqueceu.

 
Às 02 fevereiro, 2008 10:33 , Blogger Manuel Rocha disse...

"Fixe", este Deus !

Acho que a um tipo destes me catequizava. Há um je ne sais pas quoi de Alentejano neste Deus que me agrada...tens a certeza que a autora não se terá inspirado por estas latitudes ?

:))

 
Às 02 fevereiro, 2008 19:25 , Blogger bluegift disse...

É uma Belga, Manuel, da Valónia. Esta região, metade sul da Belgica, possui na realidade muitas parecenças com o espírito alentejano. São bonacheirões e gostam de viver em paz. Não estarás longe da verdade.

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial