domingo, setembro 30

O PORTO: O MORRO E O RIO - APENDICE Nº 2: TRES FILHAS EM CELANOVA

Filipa, preferida à meia-irmã Catarina, encontrava-se resguardada no Mosteiro de Celanova, ali pertinho, a meio caminho de Orense (Episódio nº 7)

Quem entrar na Galiza, pelo Gerez ou Lindoso, a caminho da velha cidade de Orense, vai encontrar, a 30 ou 40 km da fronteira, a povoação de Celanova, célebre pelo seu antigo Mosteiro de S. Salvador, fundado por S. Rosendo em 936. Festeja-se agora o Ano Jubilar (907 - 2007) em que se cumprem 1100 anos do nascimento do Santo, curiosamente com berço na zona de Santo Tirso, hoje terras de Portugal.
Igreja de grandes dimensões, planta em cruz latina de três naves, magnífico retábulo, dois coros e órgão, tudo se conjuga para celebrações religiosas e concertos, em que o público mistura devoção com o prazer pelo espectáculo. O mosteiro desenvolve-se na base de dois claustros: um grande, processional, barroco do Séc. XVI, contíguo à Igreja; outro, tipo balcão, terminado em 1722, neoclássico, que possibilita o acesso às celas situadas entre pisos, popularmente conhecido por “poleiro”.


Em fins de 1386, dia 1 de Novembro, o mosteiro de então acomodava quatro hóspedas distintas, vindas há pouco de Santiago. Apesar de ser dia de finados, olhos e ouvidos estavam dirigidos para Portugal, não para os lados da Serra de Xurés mas para uma pequena terra desconhecida, Rio de Mouro, junto ao Rio Minho, entre Monção e Melgaço.
Aí, o Rei de Portugal, D. João I, acordava com o Duque de Lencastre a forma de fazer guerra a Castela, inimiga comum, depauperada pelo desastre de Aljubarrota. Mas dizia-lhe também qual das suas filhas, alojadas em Celanova, tinha escolhido para sua Rainha.


João de Gand, quarto filho de Eduardo III de Inglaterra, contraíra o seu primeiro matrimónio em 1359, com Branca, falecida dez anos depois e de quem herdara o Ducado de Lencastre. Filipa e Isabel, 26 e 22 anos, frutos deste casamento, acompanhavam o pai, mas só a mais velha estava em Celanova; a outra, já com segundo marido e em adiantado estado de gravidez, achara mais prudente ficar em Santiago.
João, agora Duque, só fica viúvo durante dois anos: em 1371 casa com Constança, filha de Pedro I de Castela, sua herdeira na ausência de descendentes varões. E é nessa qualidade que procurava defender os seus direitos após a morte do pai, assassinado pelo seu meio-irmão Henrique de Trastâmara. Catarina, agora com 14 anos, filha do casal, aguarda também em Celanova notícias de Rio de Mouro.
A terceira filha alojada no mosteiro tem a idade de Filipa. Mais uma meia-irmã, esta fora do matrimónio, desporto muito em voga na época e que o Duque praticava com mestria. Chama-se Branca e já é casada...
Constança, madrasta e mãe, também estava atenta. Só duas podem ser escolhidas. Teria preferências?

As guerras com Castela, envolvendo D. Fernando, bem como o Tratado de Windsor desse mesmo ano de 86, constituíam uma boa base de cooperação que uma aliança de sangue devia garantir.
O Duque desembarca na Corunha em Julho, passeia até Santiago e Orense, combina as guerras e casamento de Filipa com D. João e, já no fim do ano, manda a filha para o Porto com comitiva real. Desagradado com os atrasos, ao que se julga, não assiste nem às bênçãos, a 2 de Fevereiro, nem às bodas, quinze dias depois. E já em Bragança passa um Inverno rigoroso que lhe reduz o efectivo a 1.200 ingleses, um terço dos que tinha trazido.
Em meados de Março agrupa-se o exército invasor, com a chegada de 9.000 homens de armas comandados por D. João, acompanhado de sua mulher, como que prolongando uma lua-de-mel que tinha sabido a pouco. Cumprimentos a pai e madrasta, adeus ao marido e lá vai Filipa agora para Coimbra, já grávida, esperar mais uma vez por D. João, enquanto este se dá ao luxo de invadir Castela, ainda não tinham passado dois anos de Aljubarrota. Bonito.

Mas D. João, o de Castela, lambia ainda as feridas enquanto continuava a dar tratos à imaginação para tentar perceber por que não era Rei de Portugal e dos Algarves. Fugindo sempre à batalha campal, forçando uma guerra de cercos e de pequenas escaramuças que a nada conduziam, perdeu uma soberana oportunidade de melhorar os seus níveis de auto estima, considerados já nitidamente alarmantes.
Ao fim de 10 semanas as tropas regressavam a Portugal por Almeida.

Numa guerra sem vencedor no terreno, quem ganhou e quem perdeu?

D. João de Castela, ao passar de invasor a invadido, não ficou com razões para sorrir. Três anos depois caiu do cavalo e morreu.

D. João de Portugal cumpriu o contrato com o sogro e levou a guerra a casa do inimigo. No regresso, já a caminho de Coimbra, em Paços de Curval, Terra de Santa Maria, ia morrendo de febres. Dª Filipa, com o susto, abortou.

O Duque estava a chegar a Trancoso e já recebia emissários a propor-lhe tréguas, firmadas com o casamento da filha Catarina (14 anos) com Henrique III (7 anos).
Mas a guerra ficou-lhe cara, a bolsa vazia e a mulher não gostou: não seria ela a sentar-se na cadeira do trono.

Filipa e Catarina sentaram-se, e bem, cada uma na sua. As duas venceram.
Filipa ganhou ao ser escolhida por um Rei. E continuou sempre a ganhar.
Catarina começou logo a perder para a irmã, serviu de moeda para secar as pretensões da mãe e deram-lhe para marido um miúdo de sete anos, que a história cognominou de El-Doliente. Sete anos depois começou a ganhar: casou, foi Rainha, enviuvou e morreu como regente em nome de seu filho D. João II.

Camões não se esqueceu das duas:

Dar os Reis inimigos por maridos
Às duas ilustríssimas Inglesas
Gentis, fermosas, ínclitas princesas (Lus. IV, 47)

E as duas filhas casadas?
Branca teve razões para chorar: o marido, Thomas de Morieux, um dos comandantes do exército do pai, morreu em Castela. Recebeu a notícia em Coimbra, onde aguardava o fim da guerra e fazia companhia a Filipa.
Isabel, que já ia no segundo casamento, efectuou ainda um terceiro. Por uma questão de coerência, o consorte chamou-se sempre João, como o pai e o cunhado. Não correu riscos de troca de nomes, principalmente em momentos de maior intimidade.

D. João, o nosso, soube escolher.
Filipa, mais que uma época, marcou a História.

(Fernando Novais Paiva)

Etiquetas:

20 Comentários:

Às 01 outubro, 2007 00:01 , Blogger elsa nyny disse...

Convido-te a escrever uma CARTA POR DARFUR!
http://eu-estou-aki.blogspot.com

bjts

 
Às 01 outubro, 2007 01:08 , Blogger Betty Branco Martins disse...

Peter

Já cá estou de volta:)))

Vim só dizer um OLA! e agradecer a visita na minha ausência

Voltarei mais tarde com tempo. Para ler e comentar

Beijos com muito carinho

 
Às 01 outubro, 2007 03:35 , Anonymous Olhos de Mel disse...

Adoro tudo que contas por aqui! Fico impressionada com a beleza dos lugares que retratas!
Que tua semana seja de realizações!
Beijos

 
Às 01 outubro, 2007 10:48 , Anonymous Anónimo disse...

É bom ver bocados da nossa História divulgados, com leitura fácil e atraente. Sou de Bragança e não sabia que a invasão de Castela tinha começado por aqui.
Obrigado e um abraço caloroso
Filomena

 
Às 01 outubro, 2007 17:51 , Anonymous Olhos de Mel disse...

Oie Peter! Bom saber que detém especialmente sobre a cidade do Porto. Adoro Portugal pelas belas paisagens que vejo em fotos, em revistas e me encanto com a preservação da cidade histórica; maravilhosamente bela!
Tenho um amigo aí de Porto e através dele aprendi a gostar ainda mais de tudo que se refere a essa cidade.
Obrigada pelo carinho deixado por lá.
Beijos

 
Às 01 outubro, 2007 18:41 , Blogger Papoila disse...

Peter:
De novo um relato da nossa hist�ria com a mestria da escrita de Fernando Paiva que nos prende.
D.Jo�o I escolheu bem sua rainha que temos raz�es para bem dizer os filhos que ambos geraram.
Gostei bastante desta visita hist�rica pelo norte de Portugal e Galiza.
Beijos

 
Às 01 outubro, 2007 21:45 , Blogger Trintapermanente disse...

Muito interessante!
gostei de aprender
Fascinante mesmo.
Vou voltar mais vezes para ler o seu blog.
Beijo

 
Às 02 outubro, 2007 10:37 , Anonymous lucia disse...

ora, aprender assim com uma leitura tão light ate dá gosto:)
obrigada Peter, sabes sempre como agradar os teus leitores:)

beijinhos, lucia

P.S. o que axas dos Planos que pux la no blog?;)

 
Às 02 outubro, 2007 18:27 , Blogger Betty Branco Martins disse...

Olá Peter

Adoro história. fiquei encantada com este texto

Beijinhos

 
Às 03 outubro, 2007 10:48 , Blogger bluegift disse...

Ora aí está uma excelente ideia a aproveitar: "só caso contigo se te chamares João"! A rapariga era esperta e sabia evitar conflitos.

Sempre a aprender. Abraço.

(as minhas desculpas pela ausência, mas tenho andado com uma vida muito atribulada)

 
Às 03 outubro, 2007 22:40 , Blogger Peter disse...

"elsa nyny"

Tenho muito pena dos infelizes do Darfur e visitei o teu blog, mas de que serve a minha assinatura, ou mihares de assinaturas?

Nada modificará a sorte desses desgraçados.

Como este artigo não é meu, mas de um meu amigo que se serve do meu blog para publicar trabalhos de investigação histórica que, por vezes, levam meses a fazer, ele certamente ficaria contente se te pronunciasses sobre o mesmo.

Volta sempre.

 
Às 03 outubro, 2007 22:44 , Blogger Peter disse...

Filomena

Escreves: "sou de Bragança e não sabia que a invasão de Castela tinha começado por aqui."

Nem eu ... mas tenho aprendido umas coisas com os artigos do FPaiva.

Volta sempre

 
Às 03 outubro, 2007 22:50 , Blogger Peter disse...

"olhos de mel"

Até são ...

O meu amigo FPaiva tem vindo a publicar de há uns meses para cá, uma série de artigos intitulada "O morro e o rio".
Já que te interessas tanto pelo n/País, poderás lê-los procurando no índice do blog.

Volta sempre

 
Às 03 outubro, 2007 23:01 , Blogger Peter disse...

"papoila"

Hoje almocei com o FPaiva. Para teres uma ideia do trabalho que deu a fazer este artigo, posso dizer-te que ele levou mais de um mês e que detectou erros de cronologia, de identificação de personagens e outros, que bradam aos céus.
Até o próprio Fernão Lopes não escapa ...

Volta sempre

 
Às 03 outubro, 2007 23:09 , Blogger Peter disse...

"Betty"

Ainda bem que gostas, fazes companhia à "papoila".
Não me admira que gostes, pois sempre te considerei uma pessoa com uma cultura diversificada e erudita.

 
Às 03 outubro, 2007 23:16 , Blogger Peter disse...

"trintapermanente"

Interessante, interessante, é o teu blog, que não conhecia e que irei colocar nos n/links, se não te importas.

No que respeita ao artigo, que pertence à série "O morro e o rio" que o meu amigo FPaiva tem vindo aqui a publicar, também tenho aprendido muito com eles.

Volta sempr

 
Às 03 outubro, 2007 23:20 , Blogger Peter disse...

Lúcia

Os artigos são escritos pelo meu amigo FPaiva, eu limito-me a publicá-los, o que faço com o maior prazer.

Ainda não foste convidada para o Governo? LOL

Votos de boa saúde e melhor disposição

Peter*

 
Às 03 outubro, 2007 23:25 , Blogger Peter disse...

Olá "blue"

A "malta" compreende. Aliás tens estado sempre presente através da música que escolhes e dos poemas do Pessoa.
Claro que, em primeiro lugar; estão os teus "hercúleos trabalhos" (como diria o outro ...).

Peter*

 
Às 03 outubro, 2007 23:34 , Blogger Peter disse...

Esclarecimento

O FPaiva não tem blog, portanto, para agradecer directamente nos v/blogs, corria o risco de não serem aceites, por ter de o fazer como anónimo. Assim pediu-me para eu o fazer, ao que anui com o maior prazer.

Já agora, no texto, por baixo da foto do mosteiro deve ler-se:

"Em fins de 1386, dia 1 de Novembro, o mosteiro de então acomodava quatro hóspedas distintas (...)"

Eu escrevi "hóspedes" As minhas desculpas ao autor do artigo.

Abraço,
Peter

 
Às 04 outubro, 2007 14:35 , Blogger António disse...

Uma aula de História.

Abraço

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial