sexta-feira, setembro 28

Escolhas mal feitas…

Às vezes há uma dificuldade enorme em ter assunto.
Isso porque não se busca perto de nós, onde nos afecta.
Mas, de repente, começamos a lembrar-nos, não da notícia do jornal, não daquele indivíduo do Kazaquistão ou de Braga - que para o efeito dá no mesmo-, mas do nosso parceiro ou de nós mesmos.
E foi assim. Aparece-me bem delineado o gabinete onde passo a maior parte do tempo que estou acordado. Aqui passeio a neura.
Nunca gostei de estar fechado. Durante uns anos ainda andei na rua, a colher imagens. Durante uns anos tive uma actividade criativa. Não muito, é certo, mas um pouco.
Depois, sem saber como, fui remetido para este gabinete onde me desgasto em cada dia, onde não há espaço criativo.
Não foi para isto que estudei jornalismo. Foi para dar continuidade a um percurso profissional, lógico, pensava eu. Esqueci os amigos na fila, esperando ansiosos à porta.

Na minha ingenuidade, e já nem tinha idade para isso, ainda acreditei que esse era o desenlace natural, depois desses anos a ser uma espécie de jornalista, só que institucional.
A verdade é que, sem saber bem como nem porquê, me vejo na situação ingrata, que já conheço de tantos outros, e que sempre contestei – a unidade de queimados.
Ups!!
Afinal, talvez haja um motivo.

Pois é. Esta história de ser boca aberta e pagar por isso já vem de longe. O pior é que a tendência é para piorar.
Um colega meu dizia: “é pá, isto, cada vez mais, a gente tem que manter é a boca caladinha…”.

É que ainda por cima os únicos cartões que tenho são os de Multibanco. Dos outros, bem, dos outros nunca quis e dificilmente irei querer.

A música continua a estar bem...
Bluegift, às tantas isto é da música...

13 Comentários:

Às 28 setembro, 2007 14:51 , Anonymous lucia disse...

e assim, passam os dias


*

 
Às 28 setembro, 2007 15:20 , Blogger Ant disse...

bem, lucia, se os dias passassem só assim... mas não. sempre se faz mais qualquer coisa, após...

 
Às 28 setembro, 2007 16:18 , Anonymous lucia disse...

há quem já nem consiga fazer qualquer coisa, após..

 
Às 28 setembro, 2007 18:41 , Blogger Peter disse...

Meu caro António

Em determinada altura da minha vida, fui posto na "prateleira", que julgo corresponder à tua "unidade de queimados".
Os tempos eram outros, é certo, mas sacrificando fins de semana a estudar, frequentando aulas nocturnas (quantas e quantas vezes voltava da Fac e continuava a estudar pela noite fora) consegui pôr-me ao abrigo de qualquer eventualidade.
Mas continuei a lutar e acabaram por me fazer justiça.

 
Às 28 setembro, 2007 18:55 , Blogger Nilson Barcelli disse...

A situação que descreves é bem mais usual do que se pensa.
Espero que mude para ti.
Bfs, abraço.

 
Às 29 setembro, 2007 00:38 , Blogger Meg disse...

Ah... voltarei a este lado.
Quero ler mais para trás no tempo

Um abraço

 
Às 29 setembro, 2007 02:42 , Blogger Peter disse...

Meg

Estou com os copos e cheguei agora a casa.
Ainda é um bocado cedo, eu sei, mas. se quiseres, amanhã poderás ler para trás no tempo. Basta perguntares.
Vamos ver se encontro a cama ...

 
Às 29 setembro, 2007 04:05 , Blogger Belzebu disse...

eheh!! Estamos bem! Acabei de escarrapachar orgulhosamente o emplastro, que simpaticamente nos atribuíste!

Passei anos após anos, medindo as palavras, gerindo emoções e calando a indignação. A minha condição militar, durante duas décadas não o permitia! Hoje conquistei o direito a dizer não e essa conquista faz de mim, mais interventivo e sincero!

Um grande abraço infernal!

 
Às 29 setembro, 2007 08:52 , Blogger Ant disse...

Nilson, como dizes, estas situações são muito frequentes. Só na instituição onde trabalho (por asim dizer... e eu tento...) há das mais variadas, acredita.
Caro Belzebu, sou filho de um militar que de vez em quando lá tinha as suas chatices e não se arrependeu... Eu sou objector de consciência. Espero que isto responda...

Lucia, tem dias tem dias... pois... mas há sempre alguma coisa criativa que temos que fazer. O resto é a rotina...

Meg, volta então e diverte-te que isto é mesmo isso e também para pensar um bocadinho.

Peter, eu ainda não me rendi completamente. Pena que essas instituições que se chamam sindicatos quando têm de dar a cara MESMO, se encolham como ratos. Ah os tachos, os tachos...

 
Às 29 setembro, 2007 10:12 , Blogger Peter disse...

Meu Caro ANT

Só por esta "tirada", 100% verdadeira, merecias a "medalha de ouro":

"Pena que essas instituições que se chamam sindicatos quando têm de dar a cara MESMO, se encolham como ratos. Ah os tachos, os tachos..."

 
Às 29 setembro, 2007 13:05 , Blogger herético disse...

pois é. isto de "ter coluna vertebral" hoje em dia e um luxo.
sei do que falas.

não te ponhas a pau, não! ainda te fritam...

 
Às 03 outubro, 2007 10:52 , Blogger bluegift disse...

E teres um emprego já é muito bom! Daqui por uns aninhos ou viras empresário ou haverá que andar a tirar olhos para conseguir algum de jeito. Aproveita enquanto é tempo.

Abraço.

 
Às 04 outubro, 2007 14:16 , Blogger António disse...

Porque será que aos 50 e poucos anos um tipo é considerado velho?
Será que quem nos julga pensa que é mais novo do que nós, o pobre coitado?

Abraço

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial