quinta-feira, julho 21

Da Ciência

As chamadas "Guerras da Ciência" são, na verdade, guerrilhas sócio-filosóficas contra a Ciência e foram quase ignoradas pelos cientistas durante largo tempo.
A SSK ( Sociologia do Conhecimento Científico) é uma actividade de grupos de sociólogos que têm procurado relativizar o conhecimento científico como se este fosse apenas um conjunto de regras convencionalmente aceites pelos cientistas numa dada época e cultura sócio-política. O conhecimento da Natureza e estou a restringir-me ao planeta em que vivemos, seria um conjunto de relações estabelecidas consensualmente sem mais pretensões a objectividade do que qualquer sistema de crenças de qualquer outro grupo. Estes sociólogos fazem parte de um grupo a que pertencem os chamados "pós-modernistas".

Julgo que foi em 2001 que o professor universitário de Coimbra, e influente sociólogo, Boaventura de Sousa Santos, publicou um livro intitulado "Um Discurso sobre as Ciências", que levou à publicação no ano seguinte do livro "O discurso pós-moderno contra a Ciência - obscurantismo e irresponsabilidade", pelo professor universitário António Manuel Baptista, no qual rebate as ideias expressas por BSS. Apreciando este último, do qual tenho lido algumas obras, nomeadamente: "Pela mão de Alice - o social e o político na pós-modernidade", não posso neste "conflito" (?) deixar de concordar com AMB, porque se identifica mais com as ideias dos cientistas, astro-físicos e cosmologistas, que desde há um ror de anos vêm preenchendo parte importante das minhas leituras.

"A ciência considera-se "objectiva" no sentido em que os seus "factos" não podem ser criados só pelo pensamento e podem ser percebidos, em princípio, por todos. Constam da realidade física, dita natural. Para as chamadas "ciências humanas ou culturais", os "factos" são sempre, sem excepções, algo que os homens poderiam ter decidido que fossem diferentes pelos poderes associados ao pensamento, à mente estimulada muitas vezes pelas emoções. Quaisquer conclusões ou construções do pensamento sem correspondência com estes factos, não pertencem à ciência ou não pertencem "ainda" à ciência." (António Manuel Baptista, op cit)

7 Comentários:

Às 21 julho, 2005 01:15 , Blogger Anjo Do Sol disse...

Peter, passei e vi que tinhas colocado algo novo. Para já não vou comentar, pois não seria justo fazê-lo sem ter lido antes ;) Mas acabei de chegar a casa e vim spreitar antes de desligar o pc. E, confesso que com estecalor não dá muita vontade de lertextos demasiado longos e maçudos. Por isso tenho andado mais fugida. Mas este faço questão de ler por se tratar de ciência, algo que considero interessante.
Bjito, Peter
ps: férias para quando?

 
Às 21 julho, 2005 01:17 , Blogger Anjo Do Sol disse...

Esqueci de dizer, a ver se começo a trazer umas coisitas mais leves e frescas para arejar o ambiente demasiado pesado do calor do verão. ;)
Até amanhã

 
Às 21 julho, 2005 01:25 , Blogger LibeLua disse...

Penso que as ciências exactas ao organizarem o real, ou seja, o mundo físico que nos rodeia, apenas se podem apoiar em postulados absolutamente comprovados e livres de qualquer empirismo. Todas as descobertas científicas são assim universais e incontestáveis até que novo avanço venha aperfeiçoá-las. Para mim não há ciências culturais ou aculturadas. Pode sim haver práticas alternativas para analisar a realidade, regidas por outras leis que não as do método experimental. Assim sendo, assumo-me radical, tudo que não puder ser objectivamente provado e comprovado, não deve ser aceite pela ciência. Excelente intervenção, esta tua. Gosto de mandar uns bitates epistemológicos, mesmo sem perceber muito dessa ciência, essa sim, mais sujeita à subjectividade e como as Ciências Humanas em geral também às emoções. Vim cá movida pela curiosidade. Levou-te lá ao meu blog uma intenção qualquer relacionada com o E=mc^2, a propóssito do artigo dos génios, mas acabaste por não a concretizar... Conta.

 
Às 21 julho, 2005 01:29 , Blogger Peter disse...

Concordo que sim, mas este texto é uma resposta a umas afirmações feitas pelo Zé num dos seus últimos artigos, que eu aliás comentei oportunamente.//Férias? Quando puder. Cai-me tudo em cima.//Podias fazer um sêlo para o blog, igual ao outro, apenas substituindo o 3 pelo 4. É uma sugestão.

 
Às 21 julho, 2005 02:12 , Blogger Peter disse...

Libelua, o texto do Zé: "Não é o jornalista um ser humano com emoções?" originou uma série de comentários meus, que agora completei com este texto.
Desculpa, mas em meu entender o termo "ciências exactas", devido ao desenvolvimento da teoria quântica, não se aplica aos conhecimentos actuais. Eu diria apenas "ciência", como algo que pode ser aceite, negado, melhorado, ou originar novos desenvolvimentos correlacionados, através de sucessivas e variadas experiências, coisa que não acontece com as "humanidades", "ciências socio-culturais" que são, pela sua própria natureza, não susceptíveis de serem provadas experimentalmente.

 
Às 21 julho, 2005 11:21 , Anonymous zezinho disse...

Um texto interessantissimo sem dúvida. Gostaria imesno de poder trocar pessoalmente - imagino que qd for a Lisboa possa ser uma oportunidade - impressões sobre o assunto.
Estou certo de que teremos matéria para umas horas. Bolas, mas eu gosto de uma boa conversa...
Quanto à Anjo, entendi a indirecta.
Se cultura é uma coisa que te ultrapassa e a achas "o ambiente demasiado pesado" será uma questão que terás de ultrapassar, sob pena de morreres ignorante.
Odeio indirectas. Apenas espero que se tiveres de ripostar o faças aqui, sem subterfúgios.

 
Às 21 julho, 2005 11:22 , Anonymous zezinho disse...

Imenso (errata)

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial