quinta-feira, junho 18

Mudança de nome

O menino Epaminondas era um complexado. Mas que raio de nome lhe tinham posto! Os pais bem se esforçavam por o consolar:
- "Que já o seu avô se chamara assim e que o pai fizera questão".
Mas nada o convencia. Ele bem tentava que lhe chamassem "Epá". Mas não pegava e assim se foi arrastando com aquele "peso" até à Faculdade, sempre gozado pelos colegas. Lá tirou uma licenciaturazeca. Lá se filiou num desses partidos que trocam entre si o Poder e depois de uns milhares de cartazes colados, acabou por obter o seu "job": passou a ser Subsecretário do Secretário de Estado do Ministro das Feiras e Mercados.

Como éramos conterrâneos, uma vez fui lá chateá-lo por causa dum lugar de venda de alfaces para uma prima minha, que veio ter comigo a Lisboa a ver se eu, já que tinha andado na escola com Sua Excelência, conseguia uma “cunha” para que a Câmara lhe passasse a referida licença.
Pus uma gravata e fui ao Terreiro do Paço, convencido que aquilo era “canja” e que daí a nada estaria a beber um cafezinho com o Epaminondas.

Pura ilusão …
Sua Exª mandou dizer-me pela Secretária:
- "Que não se lembrava de mim, mas que, uma vez que eu dizia sermos conterrâneos, poder-me-ia receber daí a seis meses."
Lá falei com a minha prima e, passados seis meses, pus novamente a gravata e fui falar com a Excelência Excelentíssima.

Mandou-me entrar para o seu gabinete, que era maior que o meu T1, precisamente quando estava a "mandar vir" com a Secretária.
Que ela era uma incompetente, que dactilografara "estaremos", em vez de "estare-mos", etc e tal.
Ela bem se esforçava por se defender:
- "Sr Doutor para aqui, Sr Doutor para ali" ...
Mas em vão. O Sr Doutor permanecia irredutível. Era “estare-mos”, porque ele é que sabia e por isso é que tinha sido nomeado para aquele cargo de alta responsabilidade e confiança do Governo.

Quando o "temporal" amainou, lá me decidi timidamente a expor ao que vinha:
- "Vê lá tu, ó Epaminondas ..."

Fui de imediato interrompido:
- "Epaminondas? Onde diabo "foi" arranjar esse nome? Faz favor trate-me por Senhor Doutor, como toda a gente e acabou-se já a conversa!"

Claro que quem se lixou foi a minha prima, porque eu o mandei à m…

3 Comentários:

Às 18 junho, 2009 12:10 , Blogger antonio - o implume disse...

Espero que tenhas usasdo o Senhor Doutor antes, é que o respeitinho é muito bonito!

Mas esse é o drama deste país! Chega um doutor a um alto cargo, com mérito e muito sacrificio, muito cartaz colado, muitas botas lambidas e logo um patriciozito qualquer aparece a pedir uma bucha!
O homem está ao serviço do país! Não dos amigos penduras...

 
Às 18 junho, 2009 12:29 , Blogger Peter disse...

antonio - o implume

Não se trata dum caso pessoal, mas sim de pura ficção com carácter crítico.

 
Às 19 junho, 2009 01:27 , Blogger Carol disse...

Obrigada, Peter!
A recuperação será rápida certamente e com o vosso carinho ainda melhor!

Beijinhos.

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial