segunda-feira, março 30

Sinais dum estranho universo


Há onze anos foram pela primeira vez apresentadas provas de que a maior parte da energia do nosso universo não se encontra nas estrelas ou nas galáxias mas existe no próprio espaço. Na linguagem dos cosmólogos, uma grande constante cosmológica está directamente ligada às observações das distantes supernovas. As sugestões de uma constante cosmológica (lambda) não eram novas -- existiam desde o advento da moderna cosmologia relativista. Todavia, tais reivindicações não eram geralmente bem aceites entre os astrónomos, porque lambda é tão desigual dos componentes conhecidos do universo, o seu valor aparecia limitado por outras observações e ainda porque cosmologias menos estranhas sem lambda, tinham já fornecido previamente uma boa explicação dos dados obtidos. O que é notável aqui é o método directo e de confiança das observações e as boas reputações dos cientistas que conduziram as investigações. Ao longo destes onze anos passados, equipas independentes de astrónomos continuaram a acumular dados que parecem confirmar a existência da “energia escura” com o resultado inquietante de um universo presentemente em aceleração. A foto de uma supernova que apresentamos ocorreu em 1994 nas proximidades de uma galáxia espiral e foi obtida por uma destas colaborações.

7 Comentários:

Às 30 março, 2009 11:55 , Blogger vbm disse...

Será a «energia escura»
o novo 'éter' que antes
preenchia o vácuo?

 
Às 30 março, 2009 12:40 , Blogger Peter disse...

Penso que não existe vácuo. O espaço intergaláctico é preenchido por emissões e radiações. Será esse espaço o antigo "éter"? Talvez.
O "alf" nega a existência da "energia escura" e apresentou argumentos convincentes.
Ultimamente tem publicado artigos sobre "bolhas", que nada me dizem, devido à minha falta de conhecimentos, mais virada para os livros e sites de divulgação científica.

Uma boa semana para ti.

 
Às 30 março, 2009 13:31 , Blogger SILÊNCIO CULPADO disse...

Peter

Este é o grande mistério que me fascina. O depois do depois sem encontrar respostas.
Avançou-se tanto em novas tecnologias e no entanto tão pouco em relação ao universo cósmico.


Abraço

 
Às 30 março, 2009 14:46 , Blogger Peter disse...

Silêncio Culpado

E o antes? O antes do Big Bang? E se em vez da hipótese do BB seguirmos Fred Hoyle e a sua teoria do"estado estacionário", segundo a qual em vez do Universo inteiro ser criado num relâmpago, numa enorme explosão, os átomos são criados individualmente e de modo contínuo, sendo o processo de criaçao simultâneo com a expansão do Universo?

 
Às 30 março, 2009 15:17 , Blogger vbm disse...

Ironicamente, ele, Fred Hoyle, que defendeu um universo estacionário, foi quem cunhou a expressão Big-Bang, da hipótese que lhe foi contrária! :) Isto se não erro, mas fiquei com a ideia de ter sido ele.

Eu li há já muitos anos um apaixonante romance de ficção científica escrito pelo Fred Hoyle sobre uma revolta contra os robots, que, surpreendentemente, se constata, depois, estar a ser dirigida por robôts eles mesmos, para arregimentarem humanos contra humanos!

Li-a, na altura das lições de televisão do Cosmos de Carl Sagan, e fiquei muito impressionado com o cúmulo do maquiavelismo das futuras civilizações galácticas! :)

 
Às 30 março, 2009 18:00 , Blogger Peter disse...

vbm

Sim, foi de facto Fred Hoyle quem alcunhou a teoria hoje mais comummente aceite (embora com reservas) de Big Bang.
De início a teoria do BB, face ao prestígio de Fred Hoyle, não teve grande aceitação e piorou quando a Igreja Católica pretendeu ver nela a prova do "Fiat Lux".
Depois, o facto do BB fornecer a explicação para uma série de factos (embora não justificando outros) consolidou a sua aceitação.

 
Às 30 março, 2009 18:54 , Blogger Meg disse...

Peter,

Depois da leitura atenta, passo...
mas deixo um abraço

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial