quarta-feira, novembro 19

Recordações de infância

Na vila onde nasci frequentei a então chamada Escola Primária, cuja frequência era obrigatória até à 3ª classe. Ali andei com rapazes (porque as escolas não eram mistas) de todos os extractos sociais. Era um privilegiado, pois tinha botas, enquanto a maior parte dos meus colegas iam descalços.
Enquanto lá andava, saiu legislação que estendia a escolaridade obrigatória até à 4ª classe, o que originou fortes protestos dos latifundiários que, diziam, viam-se assim privados dos "ajudas" para os pastores.
Não havia nenhumas actividades extras, jogava-se futebol com bolas feitas de meias que as nossas mães coziam, depois de cheias com trapos. De vez em quando aparecia um "sortudo" com uma bola que nós chamávamos de “cautchu”, que eram as utilizadas pelas equipas de futebol da época. Eram de borracha resistente, envolvidas com um revestimento de couro, mas com atacadores também em couro. Tinham de ser cheias com uma bomba de bicicleta, que era coisa que ninguém tinha, e por isso tínhamos de pagar $50 na loja onde alugavam as bicicletas em que andávamos. Uma fortuna!


A cobiçada bola de “cautchu” saía com uns cromos de jogadores de futebol que envolviam uns rebuçados intragáveis e com os quais se ia enchendo a caderneta, à excepção do jogador premiado. Saía uma bola por caixa e o dono da mercearia, porque o comercio não estava diversificado como hoje, recebia do fornecedor a caixa de rebuçados e, num envelope à parte, o jogador premiado, que ele só metia lá dentro, quando os rebuçados estavam quase no fim. Então a malta fazia uma "vaquinha" e comprava os rebuçados todos que ainda havia na referida caixa.

Outra actividade extra-curricular era caçar pardais. Cada um de nós tinha uma fisga, que fazíamos a partir de um pequeno ramo de oliveira em forma de Y (hoje parece que se vendem feitas de plástico). Arranjávamos umas tiras de borracha das câmaras de ar dos pneus que já não servissem por terem demasiados remendos e um pedaço de cabedal que o sapateiro nos dava e estávamos armados para a caça.

Não havia "game-boys" e outras dessas porcarias, que custam um dinheirão. A nossa formação intelectual completava-se com "O Mosquito", um semanário de banda desenhada que circulava de mão em mão.

Pois é, hoje deu-me para isto ...

(Foto GOOGLE – texto a incluir no livro a publicar, agradeço sugestões para o título)

11 Comentários:

Às 19 novembro, 2008 08:07 , Blogger Maria disse...

...também eu e um grupo enorme de rapazes e raparigas treinámos a vida na rua. Viviamos na cidade mas nas férias escolares íamos, quase todos, para a "terra" e também lá, na terra, treinávamos a vida na rua, com primos e amigos.

Os brinquedos não eram nada elaborados, na cidade as bicicletas e as bolas, na terra os fardos de palha, os moinhos velhos, ...

As relações de amizade eram elaboradíssimas e assentavam num objectivo comum: ir para a rua

A rua, na cidade ou na terra, era o manual mais importante

Maria

 
Às 19 novembro, 2008 08:29 , Blogger antonio - o implume disse...

Corremos atrás do tempo da nossa infância, mais uma vez descalços, não por retorno, mas poruqe disso tememos que nos reserve o futuro.

 
Às 19 novembro, 2008 17:59 , Blogger Meg disse...

Peter,
Se calhar deu-te para isto por causa da proximidade do Natal e da parafernália de "brinquedos" que nos vai invadir e às nossas crianças... o inferno do consumismo desenfreado, em que a felicidade das crianças deixa muito a desejar, e a resistência dos pais é submetida a uma dura e rude prova.

Isto sou eu a pensar...

Um abraço



Um abraço

 
Às 19 novembro, 2008 18:26 , Blogger António disse...

Olá, Peter!

Não recebeste o meu e-mail?
Então qual o endereço que devo usar?
Escreve-me para
a.castilho.dias@netcabo.pt

Abraço

(e não desistas...um livro é um legado teu para todos nós)

 
Às 19 novembro, 2008 18:58 , Blogger Tiago R Cardoso disse...

ainda bem que te deu para isto, muito bem escrito, será um livro a ler com toda a certeza.

 
Às 19 novembro, 2008 21:28 , Blogger Peter disse...

Maria

Penso que a actual geração perdeu muito em não brincar na rua. Penso e tenho pena deles por o não poderem fazer, mas é que não podem mesmo.

 
Às 19 novembro, 2008 21:35 , Blogger Peter disse...

antonio-o implume

Já não és desses tempos, mas a seguir à Guerra Civil, os militares em Espanha andavam de alpercatas de sola de corda, as mais ordinárias possível.

 
Às 19 novembro, 2008 21:42 , Blogger Peter disse...

meg

Já há 2 anos que a família adoptou o seguinte esquema:
- não há prendas entre adultos;
- prendas para os netos são cheques dados aos pais.

Qt ao livro ("nuvens") é um projecto k não sei se se concretizará, pois é mt difícil penetrar no mundo editorial.

 
Às 19 novembro, 2008 21:48 , Blogger Peter disse...

António

Obrigado pelo acolhimento. Neste momento estou a seguir duas vias p/publicar o livro ("nuvens"):
- editora do livro da MM;
- tipografia que publicou o livro do "ant". Mas aqui existe o problema da falta de distribuição.

O meu endereço mais fiável é:
conversas.xaxa@gmail.com

Abraço

 
Às 19 novembro, 2008 21:51 , Blogger Peter disse...

Tiago

É difícil penetrar no mundo editorial. Vamos ver se "nuvens" chegará a ver a luz do dia.

Abraço

 
Às 19 novembro, 2008 23:48 , Blogger Ferreira-Pinto disse...

Muito bem, vejo que o amigo ensaia passos menos mordazes e prepara uma surpresa em forma de "Nuvens" ... gosto da escrita, pelo menos assim nesta versão "short".

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial