sábado, novembro 15

Sequenciando as "Israeli girls of Moroccan origin",
espiemos então o mito da história do povo judeu.




Todos conhecemos a narrativa pelos historiadores nacionalistas de Israel de o “povo judeu” ter sofrido duas vezes o exílio no século IV a.c. e no ano 70 d.c., após a destruição do Primeiro e do Segundo Templo. Ter-se-ia então seguido uma «errância de dois mil anos», dispersando-se o “povo de Israel” pelo (actual) Iémen, Marrocos, Espanha, Alemanha, Polónia, Rússia.

Ora, no final do século XIX, teriam amadurecido as condições para que o território virgem da Palestina, habitado por uma minoria árabe sem história, acolhesse o “povo original” que a viesse reflorescer.

(continua)

Etiquetas: ,

3 Comentários:

Às 15 novembro, 2008 07:47 , Blogger tagarelas-miamendes disse...

Meu caro, nao imagina a surpresa que tive quando hoje abri o seu post.
Este assunto toca-me demasiado perto, para poder ter a clareza da neutralidade. Mas ha uma certeza que eu tenho é que um povo, não pode usar a desculpa das suas origens, como negacão ao direito de outro povo.

 
Às 15 novembro, 2008 10:15 , Blogger Peter disse...

tagarelas-miamandes

Venha também para a conversa com o Vasco (vbm). Leia os outros "posts" dele e os comentários.

Cave diem

 
Às 28 novembro, 2008 23:50 , Blogger UFO disse...

muito interessantes são estas conclusões.
não fazia ideia destas trocas de identidade. logo entre árabes e judeus.

o seu blog é cheio de surpresas.

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial