quarta-feira, setembro 17

Gerações

Olho o mundo à minha volta e sinto-me como um estranho. Sinto-me desajustado e isolado, porque este não é o meu mundo, nem pode ser, pois o mundo evoluiu.
Para melhor, ou para pior? É relativo e nem sequer posso responder à pergunta porquanto o termo de comparação seria eu, ou, quando muito, a minha geração.
E onde está esta?
Sei lá! Até porque nem sequer me dou ao trabalho da procurar e daí o meu desajustamento.
Recuso integrar-me na geração a que pertenço, embora no meu inconsciente permaneçam valores e conceitos dela nos quais fui educado e que não posso apagar, nem posso esquecer, pois os mesmos continuarão lá e, mais cedo ou mais tarde virão contundir comigo.
Se fosse um indivíduo isolado, até poderia deitar tudo para trás das costas, mas integrando-me num contexto familiar, social e profissional, sou obrigado a seguir as “regras do jogo”.

Então que fazer?

Se calhar a solução é “fazer batota”:
- Dentro do contexto em que me integro, sigo as regras do jogo. Mas esse indivíduo não sou eu. Não é o meu “eu” verdadeiro que está ali. A melhor solução será falar o menos possível, medir bem as palavras, procurar parecer igual.
- Se tentasse avançar duas gerações, tal seria impossível pois era de imediato liminarmente rejeitado, ou, quando muito, considerado como uma “curiosidade”. Acresce que a impossibilidade também seria minha, por incapacidade de adaptação.
- É pois com a geração seguinte que eu mais me identifico, compreendendo-a tal como ela é. É aqui que eu me sinto mais realizado, é aqui que eu acho que sou “eu” mesmo. Olho-a de longe, por vezes sou aceite, mas não pertenço lá.

Há vários anos, seis, sete (?) li um texto já não me lembro onde, de que não resisto a transcrever um pequeno excerto:

“Para mim a coisa mais rica que eu posso encontrar neste mundo é outro mundo interior Além disso a minha visão da vida e da idade das pessoas é muito minha. Acho que a vida é tão rápida, as pessoas que amamos são tão raras, é tão raro que nos olhem sem nos invadirem, é tão raro o respeito pelo mundo dos outros, e há tantos interiores tão desertos e estéreis, que eu habituei-me a olhar além dos corpos das pessoas. O corpo, esse traidor, como dizia Vergílio Ferreira... e é mesmo: traidor, vulnerável, precário, pequeno. Eu tento mesmo viver assim, de acordo com isto. Por natureza, acho que nem tento, fui sempre assim. Por isso não costumo catalogar as pessoas pela idade. Pessoas são mundos.”

5 Comentários:

Às 17 setembro, 2008 17:20 , Blogger Blondewithaphd disse...

Caríssimo,
Acho que nos sentimos todos assim: desajustados. É ainclemência da vida moderna e, sobretudo, dos grilhões sociais que nos atam. Seja como é!

 
Às 17 setembro, 2008 18:28 , Blogger Olhos de mel disse...

Oie lindinho! As vezes também, me sinto fora do contexto. Acho que o mundo evoluiu em muitas coisas e regridiu em outras. Será que os avanços compensam tudo que foi deixado pra trás, inclusive valores morais e sentimentais?
Beijos

 
Às 17 setembro, 2008 21:41 , Blogger Tiago R Cardoso disse...

Esta sociedade trucida o espírito...

As normas de uma sociedade corrompida, materialista, vaidosa, ataca o "eu" consciência e solidário, transformando no "eu" egoísta.

Também eu, como tu, como muitos nos sentimos deslocados, tentamos por a cabeça de fora e respirar um ara que não seja este ar viciado que temos.

Um abraço,

Tiago

 
Às 18 setembro, 2008 00:39 , Blogger Peter disse...

Tiago

É como dizes, estamos os dois no mesmo barco.
As pessoas perdem-se a olhar para o próprio umbigo.

P.S. - Deixou de colaborar no "Notas soltas_ideias tontas"?

 
Às 23 setembro, 2008 12:56 , Blogger Peter disse...

Muito possivelmente não tem interesse, mas o excerto com que termino o texto é de um e-mail que em tempos me escreveram e do qual apenas guardei o texto em questão.

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial