quinta-feira, maio 8



«ela começou agora a compreender que o convívio apaixonado
é um princípio de imagem. Se eu ligar todas as pontas e
for para o jardim do quarto onde as imagens
florescem do gomo,

elas abrem-se
no dependente abandono de umas às outras,

mas,

no fim do convívio libidinal,
quando o reminiscente renasce,

mergulham na quantidade de vezes em que se repetem por segundo,
e onde o homem nu toca piano.


Para isso também a mulher era fotógrafa,
sem qualquer máquina fotográfica, ou outra, a empecilhar-lhe as mãos.


Seus sentidos maduros estavam voltados para o sexo do piano,
o vislumbre que se examina»

maria gabriela llansol, amigo e amiga,
assírio & alvim, Lisboa 2005, p.30

:))

Etiquetas: ,

11 Comentários:

Às 08 maio, 2008 13:59 , Blogger Peter disse...

Sempre tiveste um "fraquinho" pela Maria Gabriela Llansol.

"minha vontade é a noite que sopra e o corpo,finalmente ágil, sobe do chão a todos os fragmentos da paisagem. Sei que passei para o lado da natureza."

("Onde vais drama-poesia?" MGLlansol)

 
Às 08 maio, 2008 14:21 , Anonymous lucia disse...

acho que irias gostar deste blog, se é que não o conheces já..

http://espacollansol.blogspot.com/

"Somos uma Associação nascida de um grupo de estudos criado em 2000, e cujos objectivos estatutários são os de «prosseguir por todos os meios ao seu alcance o caminho iniciado pela Obra de Maria Gabriela Llansol, empenhando-se na preservação e vivência concreta dos valores nela presentes»."

achei giro e interessante.

Beijo,
lucia

 
Às 08 maio, 2008 15:23 , Blogger vbm disse...

lucia,

Hei-de visitar esse espaço. Na verdade, não conheço, embora já me tenham falado que há um grupo de apreciadores e estudiosos da Mª Gabriela Llansol :) Eu até acho útil porque ajuda a identificar os seus ícones recorrentes, os escritores, as ideias-fulgor da sua escrita tão poética.

abraço,
vasco

 
Às 08 maio, 2008 15:31 , Blogger vbm disse...

Peter,

Realmente... gosto dela, mas, na verdade, tenho sempre de confessar só percebo para aí um terço a metade do que escreveu. Ando a ler agora o Amigo e Amiga, muito belo também — suspeito que escrito por ocasião da doença do marido. O baú de inéditos de Gabriela Llansol foi entregue ao cuidado do germanista João Barrento.

 
Às 09 maio, 2008 01:27 , Blogger Peter disse...

vbm

Eu nada conheço nem da sua vida, nem da sua obra.
Comprei esse livro ainda nos tempos do SAPO, mas, para mim, é daqueles que pego neles e leio umas págs, para lhe voltar a pegar, sabe Deus quando.

 
Às 09 maio, 2008 09:25 , Blogger vbm disse...

:)) No caso de Llansol, estás desculpado, Lol. Ela é incompreensível o mais das vezes! Em filosofia, talvez tivesse um zero de aproveitamento: - não é lícito argumentar na primeira pessoa do singular, o que ela só faz, apaixonada que é. Mas tem fragmentos muito belos que fazem vibrar cada leitor segundo a sua própria experiência de vida.

 
Às 09 maio, 2008 14:06 , Blogger Peter disse...

Vbm

Já ouviste bem a nova música que a "blue" colocou?
Gosto muito.

Bom fds

Abraços

P. S. 2ªF cá estarei.

 
Às 09 maio, 2008 14:14 , Blogger vbm disse...

Estamos em Maio, realmente...
E os jacarandás já florescem! :)

 
Às 09 maio, 2008 16:11 , Blogger herético disse...

o sexo do piano tem muitas teclas... rss

belo poema!

abraços

 
Às 09 maio, 2008 18:38 , Blogger Olhos de mel disse...

Hum... gostei muito! Sensual demais! E o imaginário que faça a cena do jeito que quiser.
Bom fim de semana!
Beijos

 
Às 09 maio, 2008 23:19 , Blogger vbm disse...

olhos de mel,

É isso mesmo. Gabriela Llansol é um puro estímulo do imaginário! :)

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial