segunda-feira, março 10

RUBAIYAT


Rubaiyat 26

”O vasto mundo: um grão de poeira no espaço.
Toda a ciência dos homens: palavras.
Os povos, os animais e flores dos sete climas: sombras.
O resultado da tua perpétua meditação: nada.”


Rubaiyat 141

“Contenta-te em saber que tudo é mistério:
a criação do mundo e a tua, o destino do mundo e o
teu.
Sorri desses mistérios como de um perigo que
desprezasses.
Não creias que saberás alguma coisa quando
franqueares a porta da Morte.
Paz aos homens no negro silêncio do Além.”


RUBAIYAT 164

“Pobre homem, nunca saberás nada.
Não explicarás nunca um só dos mistérios que nos
rodeiam.
Já que as religiões te prometem o Paraíso
toma o cuidado de criar um para ti, sobre a Terra,
porque o outro talvez não exista.”

(Omar Khayyam)

NOTAS
“Rubaiyat é o plural da palavra persa “ruba’i” e é um poema sintético que faz parte da renovação da poesia persa, operada nos sécs XII e XIII.
Omar Khayyan era um homem de grande cultura e sabedoria, que viveu entre 1048 e 1123.

Etiquetas:

22 Comentários:

Às 10 março, 2008 00:19 , Anonymous lucia disse...

e ficou famoso após as traduçoes feitas por Edward Fitzgerald em 1839.
:)

boa escolha, sem dúvida!

beijo, lucia

 
Às 10 março, 2008 09:07 , Blogger vbm disse...

adoro omar khayyam! li-o aos dezassete anos, depois de ter a alma incendiada por nietzsche! creio que com khayyam ganhei a sabedoria perene. Calou fundo no meu coração o seu verso imortal:

Fecha o teu Corão.
Pensa livremente,
E encara livremente o Céu e a Terra.

 
Às 10 março, 2008 09:57 , Blogger bluegift disse...

Peter,
É sempre uma boa ideia reler Omar Kayyam.

Vasco,
Foste tu quem me fez descobrir Khayyam, já lá vão uns 7 aninhos, pelo menos. Os seus versos são de uma sabedoria imbatível. A coincidência é que releio neste momento o Samarcanda do Amin Maalouf.

 
Às 10 março, 2008 10:12 , Blogger Peter disse...

Lucia

Começo a andar farto do Sócrates (o 1º ministro, claro ...) e já não posso ver a fotografia da Ministra da Educação e muito menos ouvi-la.
Ontem o Marcello deu-lhe a classificação de "medíocre"...

Como está o tempo por aí? Esta semana, cá por mim, pode estar mau.

 
Às 10 março, 2008 10:15 , Blogger Peter disse...

vbm

Muito bom, não conhecia e vale a pena repeti-lo:

Fecha o teu Corão.
Pensa livremente,
E encara livremente o Céu e a Terra.

Sem ser condicionado nem pela Política, nem pela Religião ...

 
Às 10 março, 2008 10:22 , Blogger Peter disse...

"bluegift"

Boa música no blog. À falta de textos com interesse, os n/visitantes ouvem música.
O Paul Potts (tem um nome que soa a trágicas recordações ...) não faz esquecer o Pavarotti.

 
Às 10 março, 2008 11:12 , Blogger vbm disse...

Peter,

Ouvi o Marcello e a nota que deu à MLR foi sofrível, e não medíocre, 10 valores. Positiva, portanto.

E disse mais o seguinte, muito falacioso: - que desta vez, o 1º ministro vai fingir que não cede, mas que flexibilizará a reforma do ensino tanto quanto for preciso.

Ora, isto é falacioso, porque a própria ministra o declarou na entrevista de rtp1: - a orientação geral está definida e cada escola executá-la-á do modo mais adequado!

 
Às 10 março, 2008 11:23 , Blogger vbm disse...

Giro, teres conhecido omar khayyam através de mim, na net! É que, eu lembro-me de, ao entrar nos fóruns - e o meu primeiro post foi em agosto de 1999 :) -, ter sentido uma enorme falta de vivência literária, ter mesmo dito que omar khayyam era a única 'literatura' de que tinha algo digitalizado!

Confesso, Peter, que no meu caso, a frequência dos fóruns, a par de uma maior disponibilidade de tempo, foi um estímulo precioso para ler muitos autores pela primeira vez, vários que só conhecia de nome e outros que nem conhecia!

Por exemplo, de Dostoiévski só tinha lido um ou outro conto pequeno, como o Noites Brancas, mas o entusiasmo da Leonor Tui por esse escritor russo encheu-me de desejo de o conhecer e, sem dúvida, é um mundo exaltante o das suas personagens. Gosto muito mais dele do que Tolstoi - que só este havia lido!

 
Às 10 março, 2008 12:34 , Blogger Peter disse...

vbm

Tens razão, a nota dada pelo Marcello à MLR foi de facto 10, li agora no jornal. Assim como li que a Min, nos fins da década de 80 era redactora da revista "A Ideia", de "cultura e pensamento anarquista".
Não tem nada de estranho, as pessoas mudam e só mudando e comparando é que se pode escolher.
Começo a ficar farto diso tudo. Como escrevi aí num comentário:

"preocupo-me em sobreviver no meu País, onde aspectos essenciais, não estão a ser devidamente acautelados:
- Saúde.
- Direito.
- Ensino.
- Segurança.
- Emprego.
- Custo de vida.
Utizo os transportes públicos e oiço as queixas das pessoas que viajam comigo, do Povo que vota e que mais se aflige com esses problemas, não o de pessoas que têm outras possibilidades sociais e económicas para poderem contornar os problemas com que, afinal, todos os que aqui vivem se debatem.

 
Às 10 março, 2008 12:49 , Blogger Peter disse...

vbm

A frequência dos fóruns levou-me a gastar muito dinheiro em livros e ao mesmo tempo a tomar contacto com autores para mim desconhecidos.
Claro que não os consegui ler todos, mas ia extraindo deles elementos para utilizar nos fóruns.

P.S. - O coment anterior tem "gralhas" e no final deverá ler-se:
"para poderem contornar os problemas com os quais todos os que aqui vivem se debatem."
E já lá vão 8 ou 9 anos ...

 
Às 10 março, 2008 14:26 , Blogger bluegift disse...

Peter,
Nós vivemos um Fado eterno. Basta ver o último filme do Carlos Saura para perceber que a nossa vida, boa ou má é e será sempre um Fado.
Para sermos realistas temos que falar em comparação com os outros países do Mundo! Tudo o resto é choradinho da treta. Ninguém nos leva a sério dessa forma.

 
Às 10 março, 2008 14:29 , Blogger bluegift disse...

O Marcelo é um palhaço completo, e cada vez está pior. Não fica muito longe do papagaio Vitor. Se eu levasse a sério o que esse obsessivo enciclopédico de vistas curtas diz estava tramada. Esquece esses comentadores TV da treta.

 
Às 10 março, 2008 14:33 , Blogger bluegift disse...

O Paul Potts tem uma enorme virtude neste tipo de canto: uma voz que consegue ter potência e dimensão sem perder a suavidade. é espectacular, nunca vi. É algo muito raro e que o Pavarotti não conseguiu apesar de eu gostar muito dele também.
As mulheres por exemplo são muito estridentes nestes tons, raramente conseguem suavidade.

 
Às 10 março, 2008 15:09 , Blogger quintarantino disse...

Já valeu a pena ter cá vindo.
Por aqui citam-se autores de eleição.

 
Às 10 março, 2008 17:04 , Blogger Brisa disse...

Desconhecia este poeta. Belíssimo! Obrigada por partilharem. Beijinho grande!

 
Às 10 março, 2008 19:03 , Blogger vbm disse...

brisa,

Lê o Samarcanda de Amin Maalouf!
Vais ficar encantada.

vasco

 
Às 10 março, 2008 21:36 , Blogger Peter disse...

vbm

De Amin Maalouf, li "As Cruzadas vistas pelos árabes", que termina com este texto de uma flagrante actualidade:

"(...) é óbvio que o Oriente árabe continua a ver no Ocidente um inimigo natural. Contra este, qualquer acto hostil, seja ele político, militar ou petrolífero, não é mais que legítima desforra. E não podemos duvidar que a fractura entre esses dois mundos data das cruzadas, ainda hoje encaradas pelos Árabes como uma violação."

 
Às 10 março, 2008 21:43 , Blogger Peter disse...

"quintarantino"

Não só se citam, como se lêem. Neste momento:
- "Crónicas dos átomos e das galáxias" do Hubert Reeves;
- "1808" do brasileiro Laurentino Gomes.

 
Às 10 março, 2008 23:11 , Blogger Meg disse...

Como é que hei-de entrar nesta conversa séria, depois de ter visitado (atrasada)no post do Banderas, desculpa, no post das dores de cabeça... e a culpa é do Banderas, desculpa, da Blue, que se fartou de falarem nas dores de cabeça do Banderas, ou será que as dores de cabeça passam só de olhar para o Banderas...
Ai, Menanie, não queria estar no teu lugar! Ou queria?

Eu volto quando isto me passar, Bluegift!!

Um abraço

 
Às 10 março, 2008 23:53 , Blogger bluegift disse...

Meg, eu só disse que as dores de cabeça passavam logo com um Banderas à cabeceira, mas quanto aos efeitos secundários, pois, isso já é outra conversa ;)
Abraço, vais ver que isso passa :D

 
Às 11 março, 2008 01:07 , Blogger Peter disse...

Minha cara Meg

"Isto" é uma das virtudes/defeitos deste blog: passamos do sério ao risível com a maior das facilidades.
O que é preciso é manter a conversa entre todos, mesmo que por vezes ela seja "louca".

 
Às 11 março, 2008 01:15 , Blogger Meg disse...

É isso mesmo Peter! Se não tivermos de louco um pouco, como sobreviveríamos.
Há momentos para tudo.
Obrigada a toda a equipa por me terem adoptado neste espaço onde penso já conhecer um "cadinho" de cada um de vós.
E agora que estou a acabar de ouvir os monárquicos, aqui vos deixo.
Demain on verra!

Um abraço

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial