quarta-feira, fevereiro 14

Apagão Universal

”Parecem estar a morrer mais estrelas que aquelas que estão a nascer.”

Um grupo de astrónomos tem vindo a recolher informação de cerca de 3.000 galáxias relativamente próximas de nós, criando o primeiro arquivo de dados relativos à sua formação estelar e composição química. Os resultados, publicados na revista da “Royal Astronomical Society”, parecem confirmar a ideia já há muito estabelecida de que o Universo ultrapassou a sua fase primordial, dirigindo-se para um futuro mais escuro e frígido.

As estrelas, desde as “azuis supergigantes” e de curta duração até às “anãs vermelhas” que se consomem lentamente, formam-se nas nuvens de gás molecular presentes nas galáxias, como temos vindo por aqui escrevendo. A luz emitida por uma determinada galáxia é um inventário luminoso de todas as estrelas que contem, mas que se pode revelar extraordinariamente difícil de analisar nas suas diferentes componentes, de modo a estudar as várias classes de estrelas e as suas taxas de formação.


De acordo com os astrónomos, a análise dos dados indica que o período em que era máximo o nascimento de estrelas no nosso Universo, velho de 14 mil milhões de anos, ocorreu há 6 mil milhões de anos (isto é, aproximadamente a época em que o Sol nasceu). Desde então a taxa de formação estelar tem vindo a diminuir. Para além disso os investigadores descobriram que o pico da distribuição química ocorreu há 3 mil milhões de anos. Também há muito que notaram que as galáxias têm uma aparência avermelhada indicando que as estrelas vermelhas e mais velhas são predominantes em relação às mais novas e azuladas o que é uma prova de que muito provavelmente a era de formação estelar está a chegar ao fim.

Visto a população estelar estar a envelhecer progressivamente e as nuvens de gases ricas em metais onde pode ocorrer nova formação estelar, serem cada vez mais raras, o Universo parece condenado à escuridão total!

Será? Ora, de aqui até lá … *

* É melhor não falar em “Tempo”. Ninguém sabe o que é, sabem medi-lo …

5 Comentários:

Às 14 fevereiro, 2007 09:20 , Blogger Paula Raposo disse...

Este comentário foi removido pelo autor.

 
Às 14 fevereiro, 2007 10:19 , Blogger Peter disse...

O tempo medir, mede-se. Não se sabe é o que é.

 
Às 14 fevereiro, 2007 20:12 , Blogger Paula Raposo disse...

Este comentário foi removido pelo autor.

 
Às 15 fevereiro, 2007 20:00 , Blogger António disse...

Olá, Peter!
Muito interessante este novo texto da área astronómica.
Essa das estrelas vermelhas e das azuis e da evolução até ao apagamento total é nova, para mim.
Enfim...já cá não estaremos para assistir a isso.

Obrigado pelo teu comentário ao meu texto sobre os últimos dias de vida e morte da minha mãe.

Um abraço

 
Às 17 fevereiro, 2007 10:48 , Blogger H. Sousa disse...

Viva, Peter! Já lera este teu artigo que achei interessante e sobre o qual tenho andado a pensar a sério, embora de forma muito vaga. Por outro lado, também achei que poderia considerá-lo na minha teoria da tintura que, ela também, está a desaparecer. Será que as estrelas que nos têm governado estão condenadas também? Ou os tios são as únicas estrelas perpétuas do universo?
Abraços

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial