sexta-feira, junho 4

Risco de explosão social

“A Crise está a afectar duramente muitos portu­gueses, nas suas vidas de todos os dias.
E pior: está a atingir os mais desfavorecidos, os pobres, os desempregados, os velhos com pensões de miséria (…) os jovens saídos aos milhares das universidades que são obrigados a ir para o estran­geiro ou a aceitar empregos menores. Mas também as classes médias baixas, a chamada pobreza en­vergonhada (…).
Ao mesmo tempo, os poderosos não são tocados. A impunidade reina, no que respeita ao despesismo do Governo Central, órgãos de soberania, parti­dos, assessores e conselheiros e tudo o que vive e prospera à custa do Estado, das regiões autó­nomas, das autarquias e das empresas públicas e semi-publicas (…).
Assim se tem criado um sentimento difuso de in­justiça, que gera naturalmente revoltas, as quais numa sociedade livre como a nossa se expressam - e ainda bem - através da opinião pública e nas ruas de diversas formas legais e não violentas”.
O diagnóstico, com estas exactas palavras, é de Mário Soares num artigo ontem publicado no Diá­rio de Notícias. Aí lança o aviso: “O Governo deve ouvir as queixas e dar-lhes satisfação na medida do possível sob pena de as manifestações se tornarem violentas como na Grécia”. Não é a primeira vez que Soares alerta para o perigo de explosão social. E fá-lo num recado dirigido ao seu próprio parti­do. É um alerta pleno de sabedoria e experiencia. Oxalá seja ouvido.

Graça Franco (“Página 1 de 02/06/10)

11 Comentários:

Às 04 junho, 2010 09:31 , Blogger escarlate.due disse...

nem imaginas o que temo essa explosão... é que desta vez duvido que seja de cravos :(

 
Às 04 junho, 2010 09:57 , Blogger Peter disse...

Ai não vai ser não. Mário Soares sabe o que diz.
As "avestruzes" continuam com a cabeça metida na areia, assim não vêm o perigo, logo ele não existe.

 
Às 04 junho, 2010 12:57 , Blogger vbm disse...

«A impunidade reina, no que respeita ao despesismo do Governo Central, órgãos de soberania, parti­dos, assessores e conselheiros e tudo o que vive e prospera à custa do Estado, das regiões autó­nomas, das autarquias e das empresas públicas e semi-publicas (…).»
____________________________________________

Hei-de morrer sem compreender
porquê este tipo de críticas
nunca se estende ao chamado
sector privado,

como se aí o despesismo fosse lícito!

 
Às 04 junho, 2010 18:00 , Blogger Peter disse...

vbm

Os 3 governos socialistas (?) da UE: Grecia e Portugal, como já falava o Eça há 100 anos e Espanha, onde foram mais gravosos do que nós. Se os Partidos os criticassem, quem é que subsidiava as suas campanhas eleitorais?

Destes assuntos tu é que sabes, eu sofro-os na pele. E vivam as "pontes", para a semana há mais.

Engraçado, a minha mulher teve de ir fazer uns exames médicos e despachou-se num ápice. Nestes dias ninguém está doente rsrs

 
Às 04 junho, 2010 22:09 , Blogger Fernando Vasconcelos disse...

o vbm é que disse uma grande verdade ... faz-se uma critica ao estado e esquece-se que o sector privado tem pelo menos uma quota parte de responsabilidade ... para já não falar dos analistas financeiros e económicos que agora vêm apregoar soluções quando supostamente o tão famoso e sacrosanto mercado livre ... Deviam fazê-los ouvir o que diziam há uns 5 anos ...

 
Às 04 junho, 2010 22:12 , Blogger heretico disse...

abraços. nada a acrescentar...

 
Às 05 junho, 2010 00:04 , Blogger Peter disse...

Fernando Vasconcelos

Na revista VISÂO desta semana vem um interessante artigo do director Pedro Camacho, do qual destaco:

"O mundo não está a mudar. O mundo já mudou. E é para esse novo mundo que a União Europeia e o clube do euro têm de caminhar.(...) Não há, de facto, volta a dar. A UE está condenada a encontrar mecanismos de funcionamento que contribuam para a estabilidade da(s) sua(s) economia(s). Assim como, noutro plano, europeus e norte-americanos estão condenados a encontrar regras que evitem a repetição desta inqualificável crise financeira.(...)"

Para um leigo, como eu, ter uma idéia do n/débito, li por aí. algures que:

«se fosse viável colocá-lo numa pillha de notas de 100€, esta teria a altura da Torre dos Clérigos."

Pois é...

 
Às 05 junho, 2010 12:55 , Blogger antonio - o implume disse...

Mas lideramos a europa no crescimento económico! Pelo menos ontem.

 
Às 05 junho, 2010 16:55 , Blogger Peter disse...

antonio - o impolume

Isso era ontem rsrs

 
Às 06 junho, 2010 18:40 , Blogger Meg disse...

Peter,
E que ela - a explosão - venha de vez!

Um abraço

 
Às 06 junho, 2010 21:59 , Blogger Peter disse...

Meg

Não sei, não...

Repouso, pensamentos positivos e cuida bem de ti.

Abraço,
Peter

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial