quinta-feira, maio 27

Desnorte

“Duas semanas depois de anunciadas as novas medi­das de austeridade, tudo o que se sabe sobre elas sabe a pouco. Ao aumento de impostos, de que se discute, ainda, a constitucionalidade, soma-se ape­nas uma mão cheia de medidas avulsas, em matéria de despesa, cujo impacto final, uma a uma, nin­guém arrisca quantificar.
Para cortar 14 milhões de euros no bolo de 8,7 mil milhões do orçamento da saúde, a ministra Ana Jor­ge anuncia um corte cego de 5% nas horas extraor­dinárias. Mas o mesmo Governo que arrisca lançar o caos em algumas urgências e blocos hospitalares, para poupar 14 milhões, não abdica de gastar mais do dobro em promoções “ad-hoc”, decididas pelos respectivos chefes de serviço, e destinadas a pre­miar o desempenho dos funcionários públicos “ex­celentes”. Só porque faltou coragem para decidir: este ano haverá progressões e prémios zero!
Proíbe-se contratações, por concurso, de funcioná­rios públicos, mas os gabinetes ministeriais conti­nuam a poder recrutar, fora da administração, mais pessoal.
O ministro das Obras Públicas recusa-se a ficar sem pasta e insiste em não congelar os projectos, embo­ra saiba que não haverá dinheiro para os financiar.
No meio deste desnorte, o tempo, implacável, cor­re contra nós.”

Graça Franco

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial