quarta-feira, junho 2

Hiperactivos. Qual é a escola que gosta dos alunos irrequietos?

Porque o assunto interessa a muitas famílias e é normalmente mal compreendido, sugiro a leitura do artº publicado no jornal "i" de hoje, de que transcrevo um pedaço:

"O ano está perdido para R. No segundo período, o aluno de 12 anos teve negativas em todas as disciplinas e é com frequência expulso da sala de aula. R frequenta o 6.o ano na EB...e é um rapaz irrequieto. Interrompe as conversas dos outros, está sempre a provocar a risota dos colegas e, nos últimos meses, ganhou o hábito de desafiar os professores, sempre que é contrariado. Em Abril foi suspenso durante dois dias e, a menos de três semanas do ano lectivo terminar, a directora de turma voltou a avisar a mãe que uma nova suspensão do filho pode estar a caminho.

D.R. tem dez anos, está a frequentar o 4.o ano no Colégio de .... e é também considerado um aluno complicado. Às vezes insulta os professores, às vezes agride os colegas e outras vezes fica tão furioso que atira com a mochila ao chão, dá pontapés nas cadeiras e grita tanto que ninguém consegue calá-lo.

R.sofre de hiperactividade impulsiva;D. de hiperactividade impulsiva e compulsiva, doença diagnosticada quando ambos tinham cinco anos e que os levou a saltitar de escola em escola porque têm dificuldade em adaptarem-se às rotinas escolares. Há anos em que tudo corre bem e anos em que tudo corre mal. "O comportamento e as notas do meu filho dependem muito da boa vontade dos professores", desabafa a mãe de R. A de D diz o mesmo : "Quando os professores são atenciosos, o meu filho vai conseguindo ter aproveitamento escolar, quando isso não acontece, o seu comportamento torna-se mais instável." Este ano tudo corre mal e ambos estão prestes a mudar de escola. D e R moram longe um do outro e nem se conhecem, mas ambos têm um percurso escolar repartido em vários estabelecimentos de ensino público e privado. (...)"

4 Comentários:

Às 03 junho, 2010 00:21 , Blogger Peter disse...

Conheço duas famílias com esse problema, que é mesmo um problema.

 
Às 03 junho, 2010 09:57 , Blogger bluegift disse...

Estes miúdos precisam de um bom diagnóstico que deve ser seguido de um acompanhamento especial por especialistas que trabalhem em colaboração com os professores. Sem uma acção conjunta e integrada, sem uma formação devida que ajude os professores e pais, estes alunos estão votados ao insucesso.

 
Às 03 junho, 2010 11:54 , Blogger Peter disse...

Minha cara "blue" um dos casos que eu conheço tem o diagnóstico feito:
"hiperactividade impulsiva e compulsiva". Trata-se do filho de uma família com recursos, que tem consultado os melhores especialistas.
O miúdo é inteligente, estuda, faz os trabalhos escolares, até tem boas notas e, de repente, descamba: há poucos dias a mãe foi chamada à escola porque ele se levantou da carteira, deitou-se no chão com o caderno e não respondeu a nenhuma pergunta do professor.

A "acção conjunta e integrada" que referes é inexequível, pelo menos no nosso país. Possivelmente aí sucederá o mesmo: "estes alunos estão votados ao insucesso".

Admira-me que tantos profs que por aqui andam, não tenham vindo abordar o assunto. Possivelmente estarão mais interessados em defender os seus interesses pessoais.

 
Às 03 junho, 2010 15:33 , Blogger Kruzes Kanhoto disse...

Há 40 anos estas coisas resolviam-se num instante...Hoje os bons alunos têm que aturar estas "doenças". Coisas da escola inclusiva e vocacionada para a estupidificação das massas.

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial