terça-feira, janeiro 12

Uma foto espectacular



Em 1984 o astronauta Dale A. Gardner, orientado a partir do Space Shuttle Discovery, apanhou o satélite de comunicações Westar 6 que se encontrava avariado, para ser reparado em terra.

Credit: STS-51A, NASA

11 Comentários:

Às 12 janeiro, 2010 09:59 , Blogger Ferreira-Pinto disse...

As fotos da NASA são sempre momentos únicos.

 
Às 12 janeiro, 2010 11:48 , Blogger antonio - o implume disse...

O homem do lixo também é astronauta!

 
Às 12 janeiro, 2010 15:16 , Blogger Dri Viaro disse...

Oi, passei pra conhecer o blog e desejar bom dia
bjss

aguardo sua visita :)

 
Às 12 janeiro, 2010 16:38 , Blogger vbm disse...

O que mais me impressiona na lei da gravidade é a falta dela como sucede no espaço interplanetário ou na queda dos corpos quando a aceleração iguala a gravidade - o que se começa a sentir no torax na descida de alguns elevadores de muitos andares! :) -; é que estamos tão habituados ao peso dos corpos na Terra que nem imaginamos que o seu choque possa ser tão imponderável como o de duas partículas de pó! Há dias, ouvi na rádio a descrição de uma testemunha ocular da queda de uma ponte nas intempéries recentes de S. Paulo; disse: - «a ponte caiu como uma folha de papel!» É que o hábito da gravidade e do quotidiano não nos prepara para a consciência das leis, das condições, dos parâmetros da existência desse quotidiano... Por isso, o Espaço aí está para nos lembrar o condicionamento da nossa existência e pensamento terrestre! :)

 
Às 12 janeiro, 2010 16:42 , Blogger vbm disse...

Já li o curso do alf!
Não o achas extraordinário?
Agora estou a organizar e a ler os textos dos comentários. Para o reler, depois. Em seguida, passo ao "Outra margem". É fascinante!

 
Às 12 janeiro, 2010 19:26 , Blogger Peter disse...

vbm

Não tenho bases científicas que me possibilitem pronunciar-me sobre o que o "alf" escreve.

 
Às 12 janeiro, 2010 19:56 , Blogger vbm disse...

Eu também não.
Refiro-me só
à intuição
que perpassa
todo o modelo
observacional,
a de o espaço
ser uma continuidade
movente e os corpos
uma sua configuração
esporádica... :)
E outros aspectos
notáveis. Hei-de
reler tudo.

 
Às 13 janeiro, 2010 02:00 , Blogger Peter disse...

vbm

A base do raciocínio parece ser a "radiação electrica de fundo", Cosmic Microwave Background (CMB). O facto dessa radiação ser tão uniforme significa que a distribuição de matéria e de temperatura seriam espantosamente uniformes em todo o Universo. Ora a teoria do Big Bang presume que o Universo se iniciou a partir de um ponto, sendo relativamente pequeno o intervalo de tempo até à libertação dessa radiação do fundo, umas centenas de milhares de anos apenas. Porque razão essa distribuição de matéria e temperatura seria tão uniforme?

É tudo muito complicado, diferente de tudo o que aprendi e não convencional.

 
Às 13 janeiro, 2010 10:06 , Blogger vbm disse...

Sem dúvida, para um leigo como eu, só me apercebo dos sistemas de explicação pela rama, um olhar em vol d'oiseau. Mas aprecio, que para lá de idear um sistema de relações que mostra como as coisas se ligam, interesse buscar um princípio simples de onde se possam derivar, e isso de um modo que independa deste ou daquele ponto de vista e, muito naturalmente, nos explique sem que forçosamente requeira que existamos factualmente (embora sim, enquanto observadores inteligentes co-possíveis no universo, nós ou outros quaisquer viventes que o intelijam)...

 
Às 13 janeiro, 2010 11:15 , Blogger Peter disse...

vbm

"sem que forçosamente requeira que existamos factualmente", nós ou outros.

O Universo continuava e continuará a existir, daí eu não aceitar o "Princípio antrópico".

 
Às 14 janeiro, 2010 16:31 , Blogger bluegift disse...

Espectacular! Peter, por esta e por outros princípios, já somos dois! Mas o lugar de espectador em todas estas teorias e deambulações também não deixa de ser fascinante.

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial