segunda-feira, novembro 9

A existência

“Quando eu deixar de existir, já não haverá mais rosas,
ciprestes, lábios vermelhos e vinho perfumado.
Não haverá mais alvoradas e crepúsculos, alegrias e
dores.
O universo não existirá mais,
Pois que a sua realidade depende do nosso pensamento.”

(Omar Khayyam)

“O mistério das cousas, onde está ele?
Onde está ele que não aparece
Pelo menos a mostrar-nos que é mistério?
Que sabe o rio disso e que sabe a árvore?
E eu, que não sou mais do que eles, que sei disso?
Sempre que olho para as cousas e penso no que os
homens pensam delas,
Rio como um regato que soa fresco numa pedra.

Porque o único sentido oculto das cousas
É elas não terem sentido oculto nenhum.
E do que os sonhos de todos os poetas
E os pensamentos de todos os filósofos,
Que as cousas sejam realmente o que parecem ser
E não haja nada que compreender.

Sim, eis o que os meus sentidos aprenderam sozinhos:
As cousas não têm significação: têm existência.
As cousas são o único sentido oculto das cousas.”

(Fernando Pessoa)

“A minha presença de mim a mim próprio e a tudo o que me cerca é de dentro de mim que a sei – não do olhar dos outros. Os astros, a Terra, esta sala, são uma realidade, existem, mas é através de mim que se instalam em vida: a minha morte é o nada de tudo.”

( Vergílio Ferreira)

2 Comentários:

Às 09 novembro, 2009 11:40 , Blogger Ferreira-Pinto disse...

Tenho para mim que qualquer uma das citações, num exame de Filosofia, dava água pela barba a muito examinando.
Aliás, não estou certo que o não fizesse a examinadores também.

 
Às 10 novembro, 2009 22:12 , Blogger Spectrum disse...

"A tragédia da morte consiste em que ela transforma a vida em destino."


André Malraux

Abraços, Peter

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial