quinta-feira, maio 21

Governo sem jornais ou jornais sem governo

“É horrível! São todos uns vigaristas!” Assim desabafava, ontem, um cidadão britânico face às câmaras de televisão, mostrando até que ponto a descrença no regime é avassaladora entre o povo.
Horas antes, pela primeira vez em trezentos anos, o presidente da Câmara dos Comuns demitira-se no último episódio do escândalo da utilização indevida de dinheiros públicos por parte de pelo menos 18 deputados e que afecta já todos os partidos.
As despesas abusivamente apresentadas e pagas pelos contribuintes, não tinham aparentemente limites: desde o pagamento de hipotecas, à compra de electrodomésticos, passando pelos pagamentos aos jardineiros, a comida para cão ou os enfeites de Natal.

Mas no meio desta hecatombe surge uma boa notícia: a polícia considerou que as verdades reveladas pelo Daily Telegraph eram de interesse público e suspendeu as averiguações por fuga de informação.
O escândalo, longe de ser uma espécie de golpe de misericórdia num regime podre, confere-lhe uma hipótese de redenção.

São mais actuais do que nunca as palavras de Jefferson, um dos pais fundadores da América, numa carta escrita em 1787:
“Se a base dos nossos Governos é a opinião das pessoas, o primeiríssimo objectivo deve ser salvaguardar esse direito”.
E rematava:
“Se fosse chamado a escolher entre um Governo sem jornais ou jornais sem governo, não hesitaria um momento em escolher o último”.

Os britânicos estão neste ponto. E escolheram bem!"

(Graça Franco, in “Página 1” de 20/05/2009)

4 Comentários:

Às 21 maio, 2009 07:52 , Anonymous Anónimo disse...

E eu a pensar que era só na Bélgica que essas coisas aconteciam... ;-)

Anónimo Belga

 
Às 21 maio, 2009 09:57 , Blogger Peter disse...

Anónimo Belga

E eu a pensar que era só em Potrtugal que essas coisas poderiam acontecer.
Mas na Inglaterra que passa o tempo a meter cá o nariz e nós a consentir e a "baixarmos as calças"!

 
Às 21 maio, 2009 17:55 , Blogger ferreira-pinto disse...

Como diz o Manuel Pina na sua crónica de hoje no "Jornal de Notícias", lá (Bélgica e Inglaterra) vai-se logo para a demissão; aqui resiste-se de forma estóica.
Prova que elas democracias ainda têm que comer muito papa Maizena para aprenderem a ser assim crescidas como a nossa! :)

 
Às 21 maio, 2009 18:44 , Blogger Peter disse...

FP

São autênticas lapas.

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial