terça-feira, abril 28

A cientista da electrónica transparente


Em 24 de Novembro falámos aqui do assunto em epígrafe:
Elvira Fortunato é a nossa medalha de ouro da Ciência. Sabiam?
Passou do anonimato a figura pública em 2008, ao ganhar o cobiçado prémio europeu em engenharia, atribuído pelo Conselho Europeu de Investigação: o 1º Prémio do European Research Council, na área da engenharia, com um atractivo suplemento de 2,5 milhões de euros – o maior valor atribuído em prémios científicos.
A cientista entrou assim para o grupo dos cinco melhores cientistas do mundo em electrónica transparente. Viu premiado o seu trabalho na área da electrónica transparente, mas são os projectos dos transístores transparentes e dos transístores em papel que lhe têm dado maior destaque.
Basta fazer uma pesquisa na net, nas palavras “paper transistor” e ver quantas páginas são dedicadas à descoberta desta cientista portuguesa. Este é um dos maiores inventos mundiais na área da nanotecnologia e pode ser um salto muito lucrativo para as indústrias de informação e entretenimento. O prémio europeu vem ajudar esta brilhante académica e a sua equipa científica a prosseguirem a investigação no CENIMAT (Centro de Investigação de Materiais que dirige há dez anos) da Faculdade de Ciência e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa.

Ontem viemos a saber, através da leitura do “Página 1”, que é incompreensível ver governo e empresários a esbanjarem os escassos recursos que temos para tentar defender o indefensável, enquanto esta descoberta inovadora e milionária de um grupo de cientistas portugueses é pura e simplesmente ignorada no país que enche a boca com o “choque tecnológico”.
Vendo todas as portas fechadas em Portugal, os inventores dos já célebres e reconhecidos em todo o mundo “transístores de papel” venderam a patente a empresários brasileiros.

São exemplos destes que não deixam esquecer que “a crise” não é desculpa para tudo.
É a forma como se enfrentam os desafios que faz a diferença entre as economias dinâmicas e um país que sistematicamente prefere especializar-se no lucro fácil e em comprar aos outros, em vez de produzir com a riqueza que tem à mão.

13 Comentários:

Às 28 abril, 2009 11:46 , Blogger antonio - o implume disse...

Precisamos dela, talvez desenvolva uma forma de aplicar a transparência à nossa vida pública, à nossa justiça, à...

 
Às 28 abril, 2009 12:13 , Blogger vbm disse...

Bela música de fundo,
a "Morning Passage"!

 
Às 28 abril, 2009 12:18 , Blogger indomável disse...

pois é meu amigo, mais uma vez dou a mão à palmatória... sabes, ao ler o comentário do Quintino lá no Notas, apercebi-me que o faço eu também, dizer de alguém que faz algo de errado "só podia ser português", força do hábito ou vontade de separar-me da matilha?

Acho que está inscrito no nosso subconsciente nacional, que o nacional não é bom, a não ser que sejam os estrangeiros a dizê-lo...

 
Às 28 abril, 2009 18:30 , Blogger SILÊNCIO CULPADO disse...

Peter

Este é um exemplo que deve ser apregoado aos quatro ventos.
Como este temos outros.
Só que os nossos valores são subestimados, omitidos enquanto os medíocres e corruptos são promovidos.
Peter este post deveria ser de leitura obrigatória.

Abraço

 
Às 28 abril, 2009 19:42 , Blogger stériuéré disse...

Ora bem... como eu axo este cantinho merecedor de uma boa leitura como eu aqui costumo encontrar, axo que merece um prémio pa si lá no meu cantinho ... jitos...

 
Às 28 abril, 2009 22:23 , Blogger Peter disse...

SILÊNCIO CULPADO

Somos todos portugueses e estamos enfrentando grandes dificuldades. Estaremos todos nessa situação?
Parece que não, pois foste a única pessoa que mostrou o seu desagrado, ou melhor, "revolta" pelo facto de:

"Vendo todas as portas fechadas em Portugal, os inventores dos já célebres e reconhecidos em todo o mundo “transístores de papel” venderam a patente a empresários brasileiros."

Onde estão os investidores portugueses?

 
Às 28 abril, 2009 22:30 , Blogger Peter disse...

vbm

[Bela música de fundo,
a "Morning Passage"!]

É um comentário demonstrativo da tua enorme cultura.

Comos sabes, pois és um dos colaboradores do blogue, a música é sempre escolhida e colocada pela "bluegift".

 
Às 29 abril, 2009 11:40 , Blogger Ferreira-Pinto disse...

A ausência de reconhecimento aos valores lusitanos não é de agora, antes um facto e uma certeza com anos, séculos até.

Quanto aos investidores portugueses, esses normalmente gostam de investir à sombra tutelar do Estado e de preferência com "mama" garantida!

 
Às 29 abril, 2009 14:30 , Blogger alf disse...

daqui a uns 30 anos, quando o investimento no préprimário e nos magalhães e num novo ensino começar a dar os seus frutos, talvez já não sejamos assim tão pequeninos.

Não adianta apontar o dedo aos «investidores nacionais»; não somos os primeiros a preferir produto estrangeiro ao nacional nas compras que fazemos?

 
Às 29 abril, 2009 14:51 , Blogger Peter disse...

alf

Trata-se de não aproveitar e desenvolver uma descoberta que, pelos vistos, foi premiada e cobiçada internacionalmente.

Certamente que o dinheiro seria muito melhor empregue do que no BPP ou no BPN.

 
Às 02 maio, 2009 02:33 , Blogger alf disse...

Peter, desculpe a brincadeira mas vou parafrasea-lo: então queria que os nosso investidores aceitassem investir o seu dinheiro numa desconhecida PORTUGUESA que dá aulas ali para a caparica? Então algum português vai acreditar que outro português possa ter feito algo notável?

Os portugueses nunca são reconhecidos pelos seus pares, mas sempre no estrangeiro; os portugueses só reconhecem aqueles que os outros já reconheceram.

«Tou certo ou tou errado?»

 
Às 03 maio, 2009 16:13 , Blogger Peter disse...

alf

Continuando a "brincadeira":
- a Elvira Fortunato não é uma desconhecida e muito menos a sua descoberta, basta consultar o Google;
- mas o "alf" é-o rsrsrs

 
Às 03 maio, 2009 18:47 , Blogger alf disse...

Peter

Não é uma desconhecida AGORA, depois de ter sido reconhecida Internacionalmente.

«Santos da casa não fazem milagres»

Já viu o que é aparecer uma pessoa que põe uns tinteiros especiais numa impressora, faz umas quantas impressões numa folha de papel, e depois sai dali um circuito de elctrónica sofisticado, como um display, por exemplo? Sem o reconhecimento internacional, quem iria acreditar??? Afinal, as pessoas até passam a vida a dizer que já está tudo descoberto...

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial