sábado, maio 31


Tamara de Lempika, Adam and Eve

«o que peço ao jardim edénico — na invisibilidade —,
é a alegria do amor sensual; luar libidinal, será esse o termo?
«Mas como é possível não tocar quem se ama?», pergunta o meu corpo,
pois acordei, banhada numa tristeza que se converteu em lágrimas
e numa profunda nostalgia do tal luar quando nós vimos dele,
ou corremos para ele.»


maria gabriela llansol, amigo e amiga,
Assírio & Alvim, Lisboa, 2006, p.203

Etiquetas: ,

2 Comentários:

Às 04 junho, 2008 14:14 , Blogger meg disse...

4 dias sem comentários. REVELADOR do atavismo que ainda nos prende as palavras.
Palavras que não mordem.

Haverá neste pequeno texto alguma aberração? Não é ele límpido e claro.
Não é esta a verdadeira fora de "amar"?
Especialmente hoje em que a palavra amor já perdeu "quase" toda a dignidade.

Amar sem tocar? O quê, amor virtual?
Não, obrigada.

Que pena tanta falta de coragem.

Um abraço

 
Às 04 junho, 2008 15:03 , Blogger vbm disse...

:) meg, não é caso para 'escândalo', lol. Na verdade, eu gosto muito de Gabriela Llansol, embora só a compreenda a metade... é muito obscura, não é culpa minha, mas tem pensamentos divinos, quando se entendem :) Pelo teu acolhimento, sinto vontade de colocar uma outra 'súplica' dela. Vou fazê-lo. é muito bela.

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial