domingo, maio 18

MAIO 68


Numerosas gerações nascidas no imediato após II GM atingiram a idade da razão nos anos 60, quando os países ocidentais conheciam uma prosperidade económica sem precedentes, com uma taxa de crescimento anual de 5% a 6 %, pleno emprego e uma subida forte e continua dos salários. Esta prolongada expansão ia também influenciar fortemente as orientações e atitudes dos “baby- boomers”.

Numerosos observadores acreditaram ver no receio do desemprego, uma das causas da contestação de 1968. Não o creio. Acredito que se enganaram.

A alienação dos trabalhadores no seio das empresas, tratados como simples apêndice de carne dos maquinismos e a manipulação das suas necessidades pessoais fora das horas de trabalho, foi substituída pela crítica clássica da anarquia capitalista, geradora do caos e das crises económicas.

Os revolucionários acreditavam na utopia duma sociedade perfeita, numa cidade terrestre reunificada, reconciliada consigo própria, transparente, enfim despida da exploração e da opressão. Se abstrairmos deste optimismo histórico, não poderemos compreender como dezenas de milhar de jovens intelectualmente esclarecidos e sãos de corpo e espírito, se puderam lançar no esquerdismo, capaz de edificar um grande Partido revolucionário, regenerador do movimento operário, que encaminharia a França para o Socialismo. Tal parecia não só possível, mas também fácil …

O mais engraçado é que esta prolongada expansão é também uma expansão capitalista, sinónima da expansão dos mercados e da organização capitalista do trabalho, que passaria a absorver os tempos de lazer e cultura dos trabalhadores.

Foi assim que nos anos 60 explodiram as contradições culturais do capitalismo, que a geração do “baby-boom” viveu plenamente com ardor e paixão.

P.S. Na próxima semana o blog está a cargo do ANT.

21 Comentários:

Às 18 maio, 2008 14:30 , Blogger Tiago R Cardoso disse...

Gostei da perspectiva.

 
Às 18 maio, 2008 16:12 , Blogger Peter disse...

Obrigado Tiago, gostamos sempre de ver o n/trabalho apreciado

Abraços

 
Às 18 maio, 2008 16:18 , Blogger Zecatelhado disse...

~Penso que o raciocínio está muito perto das causas e do efeito que o "Maio de 68" gerou. O "expontâneo" movimento criado, penso eu, foi sempre acompanhado - e bem - pelo poder que depois o manobrou a seu belo prazer. A prova está no que vemos a seguir e a história, porque é história, nunca se engana.

Um grande @bração do
Zecatelhado

 
Às 18 maio, 2008 18:10 , Blogger Peter disse...

Meu caro "zecatelhado", curiosamente li há pouco na VISÂO o artigo "Maio de 68", de José Gil, que defende um ponto de vista parecido e que o meu amigo também defende.

Obrigado pela sua visita, que julgo ser a primeira.

 
Às 19 maio, 2008 18:48 , Blogger Papoila disse...

Olá Peter:
Gostei desta perspectiva do Maio de 68 que me marcou profundamente.
Beijo

 
Às 19 maio, 2008 19:49 , Blogger Peter disse...

papoila

NOS marcou ...

 
Às 19 maio, 2008 19:59 , Blogger SILÊNCIO CULPADO disse...

Peter
Interessante esta visão do Maio de 68 com a qual sou propensa a concordar.
Abraço

 
Às 19 maio, 2008 21:10 , Blogger Peter disse...

Maio 68 que NOS marcou, não é minha cara amiga?

 
Às 19 maio, 2008 21:42 , Blogger herético disse...

Maio de 68 não foi revolução. foi apenas "revolta" facilmente recuperada pelo sistema...

parece-me corresponder ao teu ponto de vista.

abraços

 
Às 19 maio, 2008 23:25 , Blogger Peter disse...

Amigo "herético", claro que corresponde.
Talvez eu não me tenha exprimido bem.

 
Às 20 maio, 2008 05:52 , Blogger Peter disse...

"Um primeiro traço surpreendente de Maio de 68 foi o de não ter sido um movimento reactivo: nem o ódio de classe, nem a luta pelo poder, nem puras reivindicações corporativas o poderiam definir. Nem revolta nem revolução, mas um movimento afirmativo, activo, eminentemente positivo: nem mesmo nas lutas de rua havia raiva ou ressentimento. Maio de 68 foi a IRRUPÇAO DO REAL NA VIDA IMANENTE"

("Maio de 68", José Gil, VISÂO 15/05/08)

 
Às 20 maio, 2008 14:19 , Blogger augustoM disse...

Não acredito na utopia da sociedade perfeita, sonho do Tomas More, ou de outro lunático qualquer, é preciso não conhecer o homem para a creditar, que o maior predador, vire cordeiro. Manobras da reacção é que criam essas utopias que provocam a desordem. Quem ficou a ganhar?
Um abraço. Augusto

 
Às 20 maio, 2008 19:21 , Blogger JOY disse...

Olá amigo Peter

È dificil não dar crédito á sua forma de ver o Maio de 68.

Um abraço
JOY

 
Às 20 maio, 2008 21:49 , Anonymous Olhos de Mel disse...

Oie meu amigo lindo! Acho engraçado quando se fala em sociedade perfeita... quando a teremos?
Belo texto!
Beijos

 
Às 20 maio, 2008 22:03 , Blogger Peter disse...

Augusto

É óbvio que cada um tem as suas crenças.
Eu acredito em Deus.

A "utopia" é agradável por ser um sonho irrealizável

Abraço amigo.

P. S. - Esta semana só o ANT publica, se o quiser fazer.
Para a semana o blog pertence ao vbm.
Entretanto remodelei o meu blog
http://oblogdopeter.blogspot.com

 
Às 20 maio, 2008 22:05 , Blogger Peter disse...

Olá Joy!

Obrigado pela apreciação.
Como vão esses voos?

Abraço

 
Às 20 maio, 2008 22:10 , Blogger Peter disse...

olhos de mel

Infelizmente nunca e a culpa é nossa, pois somos nós que constituimos a Sociedade e como somos imperfeitos ...
Obrigado pela tua apreciação, umas vezes as coisas saiem, outras não.

Beijos

 
Às 24 maio, 2008 20:07 , Blogger meg disse...

Peter,
Se não te importas que me junte ao NÓS...
Nessa altura andava eu noutras paragens, noutras guerras, quem sabe se tu também.
Por isso tantas vezes me exaspero.

Foi para isto?

E isto não tem nada a ver com o post, mas OUVI hoje o sr.José Eduardo dos Santos a pedir ajuda para acudir à fome naquele celeiro!
Fico do avesso.

E agora? Temos um país moribundo!!!
e uns políticos do mais baixo nível de sempre.

Outro abraço e... boa semana!

 
Às 28 maio, 2008 15:03 , Blogger Peter disse...

Meg

Claro que não me importo !

És cá dos nossos.

Bj

 
Às 28 maio, 2008 15:22 , Blogger meg disse...

Peter,
Como sei que andas por aí, e porque gostava de te proporcionar uns momentos diferentes desta desgraceira... se souberes voar, mesmo sem pousar, passa lá por casa.
Para fugir da loucura, tenho as minhas proprias, mas estas dão-me prazer... muito... e gosto de partilhá-lo.
Não é descaramento é mesmo sincero

Um abraço

 
Às 29 maio, 2008 14:36 , Blogger Peter disse...

Meg

PC avariado.

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial