quarta-feira, janeiro 2

Vénus o planeta gémeo da Terra

Apesar das diferenças extremas entre os climas dos dois planetas, Vénus é mais parecido com a Terra do que se pensava. Os resultados obtidos pelas observações do primeiro ano da missão “Venus Express”, da Agência Espacial Europeia e publicados numa série de artigos da revista “Nature”, mostram como “o gémeo” da Terra evoluiu de maneira a formar as condições extremas que observamos hoje à sua superfície e na atmosfera.

É melhor os terráqueos irem “pondo as barbas de molho”…

Os processos observados em Vénus podem ajudar a explicar como foi que os percursos evolutivos dos dois planetas divergiram tanto.
Lançada em Novembro de 2005, a “Venus Express” é a primeira missão, nos últimos 25 anos, dedicada a estudos atmosféricos e de plasmas daquele planeta, nomeadamente a interacção da atmosfera com o ambiente planetário envolvente.
Através do estudo do escape de partículas da atmosfera, os cientistas concluíram que os iões dominantes neste processo são o oxigénio, o hélio e o hidrogénio, o que pode ajudar a explicar como Vénus terá perdido para o espaço a água que inicialmente tinha.

Vénus não possui campo magnético interno, por isso esperava-se que o vento solar (uma corrente de partículas carregadas proveniente do Sol) interagisse directamente com a atmosfera. Mas tal não acontece: o vento solar é inteiramente desviado, mesmo em períodos de actividade solar reduzida, não entrando na atmosfera.
Foram ainda observadas as primeiras indicações de relâmpagos em Vénus, confirmados pela propagação de ondas electromagnéticas na ionosfera (a camada mais externa da atmosfera).

Foram estudadas com maior detalhe as regiões polares do planeta. Se observações anteriores já haviam revelado um enorme vórtice de nuvens em rotação, com um duplo centro sobre o pólo norte, agora apresentam-se provas de uma estrutura semelhante no pólo sul, mas com uma rotação mais rápida.

Estas estruturas lembram a circulação atmosférica da Terra no hemisfério de Inverno. Foi investigada em detalhe a dinâmica das camadas superiores de nuvens, e descobriu-se que a região polar sul sofre variações consideráveis, possivelmente devido à injecção de dióxido de enxofre a partir da superfície.

Também se apresentaram resultados sobre os níveis de oxigénio e de dióxido de carbono, nos lados diurno e nocturno, na alta atmosfera de Vénus - a região de transição entre a atmosfera mais densa e o espaço. E a existência de uma camada mais quente na alta atmosfera, entre 90 e 120 km de altitude no lado nocturno do planeta, uma região à qual, por se pensar ser muito fria, se deu o nome de "criosfera".
Por fim, foram elaborados uma série de perfis de temperatura, a diferentes altitudes, mais detalhada e com mais precisão do que os anteriores.

(Bibliografia – “Nature” e “Astronovas”)

NOTA:

Há vários cientistas portugueses envolvidos na missão espacial “Vénus Express”, a missão da Agência Espacial Europeia, que está presentemente a estudar em detalhe a atmosfera do planeta Vénus. São eles:

- David Luz, investigador do Centro de Astronomia e Astrofísica da Universidade de Lisboa/Observatório Astronómico de Lisboa - Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (CAAUL/OAL-FCUL);
- Maarten Roos-Serote, que integrou o CAAUL/OAL até Agosto de 2007;
- Pedro Russo (Instituto Max Planck para a Investigação no Sistema Solar, Alemanha, e Centro Multimeios de Espinho) que tem vindo a desenvolver ultimamente o seu trabalho na Alemanha, integrando diferentes projectos internacionais na área da comunicação e educação em Astronomia, nomeadamente na Rede Europeia de Ciências Planetárias (Europlanet) e na Comissão 55: “Comunicar Astronomia com o Público”, da União Astronómica Internacional.

Pedro Russo foi nomeado Coordenador Internacional do “Ano Internacional da Astronomia 2009”, iniciativa que está ser promovida a nível mundial pela União Astronómica Internacional com o apoio da UNESCO, e que será uma celebração global da astronomia e da sua contribuição para a sociedade e para a cultura, estimulando o interesse a nível mundial não só pela astronomia, mas pela ciência em geral, com particular incidência nos jovens.
Na celebração deste evento, que tem como principal acontecimento a celebração dos 400 anos da primeira utilização do telescópio para observações astronómicas por Galileu, estão para já envolvidos 192 países.
Trata-se assim de um momento importante de afirmação internacional da Astronomia Portuguesa, que tem vindo a crescer nos últimos anos a nível internacional e que agora vê reforçada a sua posição.


Não somos nenhuns "coitadinhos". Temos muita gente de valor e se esses "valores" não estão cá em Portugal, é por não lhe terem sido proporcionadas condições para tanto.

Etiquetas:

32 Comentários:

Às 02 janeiro, 2008 14:47 , Blogger Tiago R Cardoso disse...

Muito bom post, trás o tipo de informação e matéria que eu gosto.

Só vem provar que nem tudo é mau neste país, existem muitas coisas e pessoas que fazem grandes trabalhos e não são reconhecidas internamente,pelo menos do grande publico, que está mais interessado em desgraças...

 
Às 02 janeiro, 2008 16:15 , Blogger Nilson Barcelli disse...

Não sabia quase nada do que nos contas hoje.
Do planeta e muito menos dos portugueses envolvidos no projecto.
Obrigado pela partilha.
Abraço.

 
Às 02 janeiro, 2008 16:45 , Blogger Meg disse...

Peter, muito do que aqui está é novidade para mim.
Só não é o é o facto de saber que, não só nesta área da ciência, temos grandes cabeças, a trabalhar e a dar o seu importante contributo cá e lá fora.

Infelizmente com muito pouca divulgação, e reconhecimento.

A quem foi atribuido o prémio Champalimaud? Claro que foi numa área específica, mas quem sabe disso?
Pois é... também qui temos de dar visibilidade pelo menos ao que de bom temos, que, apesar de pouco, é abafado pelas "catástrofes naturais" de um dia a dia bafiento.

Olha, saiu-me o desabafo...

Um abraço

 
Às 02 janeiro, 2008 17:26 , Blogger D'age disse...

Hoje estou a só a promover.....

http://dagemusica.blogspot.com/

Abraço
Ant

 
Às 02 janeiro, 2008 19:05 , Blogger Olhos de mel disse...

Peter! Muito tenho me questionado porque após aquela missão a lua, nunca mais os programas espaciais tiveram tanto sucesso. Ou, não tenha causado tanta euforia nos órgãos de imprensa que divulgaram sem tanto entusiasmo. Mas é um assunto que me desperta interesse.
Belo post!
Beijos

 
Às 02 janeiro, 2008 22:15 , Blogger SILÊNCIO CULPADO disse...

É verdade, Peter, temos muitos Valores em Portugal.Muitos mais do que imaginamos. Tenho um blogue em parceria, exactamente "Valores Portugueses", onde registo os portugueses vivos que se têm destacado em diferentes domínios.
Interessante e muito didáctico este post.
Abraço

 
Às 03 janeiro, 2008 09:41 , Blogger quintarantino disse...

Os valores lusos são, de facto, reconhecidos. Especialmente no estrangeiro.

Permitam que em nome do projecto colectivo NOTAS SOLTAS agradeça todo o apoio dado durante o ano de 2007 e que estou certo será um registo a manter em 2008. Os vossos comentários são sempre apreciados.

 
Às 03 janeiro, 2008 11:35 , Blogger bluegift disse...

Mais um artigo excelente sobre este tema que tanto nos apaixona. Os portugueses precisam urgentemente de destaque. Quando não o fazem passam por espanhóis, americanos, franceses ou outra nacionalidade mais oportunista e experimentada na usurpação de méritos. Na mais recente, "aprendi" que o Saramago é Espanhol! Ora toma lá para aprenderes! Devia ser criado um instituto de marketing e defesa dos valores portugueses. É impressionante a usurpação que fazem dos nossos grandes.

 
Às 03 janeiro, 2008 12:20 , Blogger Peter disse...

"bluegift"

Mais recomposto da ressaca da passagem do ano, estou aqui a completar a informação sobre o Pedro Russo:
- no canto inferior esquerdo da pág 18 do "Expresso" do passado sábado, vem uma pequena notícia em ASTRONOMIA, com o título:

LOCAIS DE OBSERVAÇÃO DOS ASTROS DEVEM SER PROTEGIDOS

e o sub-título:

«Português Pedro Russo lidera projecto para preservação de locais de todo o mundo, em parceria com a UNESCO»

Na minha opinião, o artigo assinado por Luís Tirapicos,
sociedade@expresso.pt
não mereceu o devido destaque, nem é suficientemente explícito.

Bem, ao menos referiram-se a ele, já não foi mau.
Há é que agradar ao Poder ... como ao SR Armando Vara, que parece estar indigitado para Vice-Presidente do BCP (lá vou ter que fechar a minha conta ...).

Essse Senhor, sobre quem o MSTavares escreve no mesmo Semanário:

"esse expoente político e bancário que o país inteiro conhece e respeita".

 
Às 03 janeiro, 2008 12:22 , Blogger Paula Raposo disse...

Também desconhecia tudo isto que aqui explicas. Obrigada por poder ficar a saber mais alguma coisa de muito interessante para a cultura e progresso.

 
Às 03 janeiro, 2008 14:26 , Blogger bluegift disse...

Peter, o melhor é ficar só com conta na CGD, é mais rígida mas sempre é menos mafiosa e mais baratinha.

 
Às 03 janeiro, 2008 14:26 , Blogger bluegift disse...

As melhoras para a gripe!

 
Às 03 janeiro, 2008 14:55 , Blogger Peter disse...

Paula Raposo

Parabéns pelo aumento da família.
Obrigado pelo comentário. É um assunto sobre o qual, dentro dos meus conhecimentos básicos, falo sempre com prazer.

Bom ano de 2008

 
Às 03 janeiro, 2008 15:03 , Blogger Peter disse...

"bluegift"

Lá nisso tens razão, mas o pior é o tempo que se perde em agências de bairro e com uma fila única.

Não é gripe, ainda são restos da passagem de ano. LOL

Coloquei um novo link:
"clube_dos_pensadores". Fui convidado a participar e aceitei.

 
Às 03 janeiro, 2008 15:09 , Blogger Peter disse...

Tiago

É como escreves:

"o grande publico está mais interessado em desgraças..."

é isso que vende papel e aumenta o "share" das estações TV.

Estás melhor da perna?

Abraço

 
Às 03 janeiro, 2008 15:14 , Blogger Peter disse...

Nilson

As poesias e o grafismo do teu blog fazem dele um dos meus favoritos.

Oxalá assim continues em 2008.

Eu, de vez em quando, mando aqui umas "bocas" sobre este meu "hobby". No fundo, não são mais que "conversasdexaxa".

 
Às 03 janeiro, 2008 15:27 , Blogger Peter disse...

Meg

Quem sabe? Eu não sabia ...

Pois é. Mais "portugas coitadinhos":

«Um estudo da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa sobre o modo de actuação de um novo inibidor do HIV foi um dos vencedores do prémio Luís Champalimaud, que distingue anualmente trabalhos de investigação sobre a doença. Miguel Castanho, coordenador do estudo, disse hoje que a principal conclusão deste trabalho é que o novo medicamento, ligando-se ao HIV, fica alojado na superfície das células humanas, inibindo a entrada do vírus para o interior. A eficácia clínica deste novo composto era já conhecida, sendo comercializado nos Estados Unidos e Europa, mas a forma como actuava ao nível molecular era ainda desconhecido. "Nós não inventámos nada de novo, apenas descodificámos os passos da acção do composto ao nível molecular, explicando como age, o que contribuiu para que possa ser melhor planeada a sua aplicação clínica", explicou o investigador. O prémio "Dr. José Luís Champalimaud" destina-se a galardoar trabalhos científicos sobre a infecção pelo VIH/Sida publicados nos últimos três anos. É atribuído anualmente pela Comissão Nacional de Luta Contra a Sida, nas vertentes Investigação Básica, Ciências Sociais e Humanas e Investigação Aplicada e Tecnologias. Ex-aequo com o estudo da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, na área de Investigação Básica, foi distinguido o trabalho "Camelized Rabbit-derived VH Single-domain - Intrabodies Against Vif Strongly Nautralize - HIV-1 Infectivity", de uma equipa do Centro de Patogenese Molecular da Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa. Na área das Ciências Sociais e Humanas, o trabalho vencedor foi "HIV/AIDS risk perception, attitudes and sexual behaviour in Portugal", da autoria de Fausto Amaro, Carla Frazão, Maria Elizabete Pereira e Louise Cunha Teles.»

 
Às 03 janeiro, 2008 15:36 , Blogger Peter disse...

"quintarantino"

Aqui há um agradecimento ao contário. Nós é que estamos a aprender com o "notas soltas" e que também esperamos assim continuar a acontecer em 2008.

Gostamos dos ler e gostamos dos comentar. Pena é nem sempre ser possível.

Abraço

 
Às 03 janeiro, 2008 15:41 , Blogger Peter disse...

"olhos de mel"

Entram na rotina e infelizmente só voltarão a ter honras de 1ª página quando houver algum desastre que mate os astronautas.

Assim é a natureza humana. Aliás, quem é que não pára, ou abranda, quando vê um desastre de automóvel?

Bom ano de 2008, sem desastres.

 
Às 03 janeiro, 2008 15:52 , Blogger Peter disse...

"silêncio culpado"

Acrescentemos pois mais uma portuguesa que admiro:

VANESSA FERNANDES

"A União Internacional de Triatlo (ITU) proclamou a triatleta olímpica portuguesa Vanessa Fernandes e o espanhol Javier Gomez como campeões da Taça do Mundo de 2007, segundo uma nota do Comité Olímpico de Portugal (COP)."

P.S. - Vou colocar o blog nos n/links.

 
Às 03 janeiro, 2008 16:03 , Blogger Peter disse...

Ant

"D’ Age apresenta-se a solo, regressando às origens, numa visita a canções antigas e à apresentação de inéditos, no momento em que prepara uma nova formação e uma nova sonoridade."

Ficamos à espera. Entretanto coloco o "D'Age" nos n/links.

 
Às 03 janeiro, 2008 16:26 , Blogger Carol disse...

Ui, ui as coisas que já aprendi hoje, aqui! Quanto aos valores portugueses, eles andam aí. Pena é que sejam tão poucos a dar-lhes o devido valor.

 
Às 03 janeiro, 2008 17:51 , Blogger Peter disse...

Carol

Sejamos então nós a dar-lhes o devido valor, ou directamente, ou através do blog "valores portugueses", que consta dos n/linkns.

Bom ano de 2008

 
Às 03 janeiro, 2008 22:07 , Blogger Ant disse...

e o d'age agradece.
esperemos uma agenda preenchida

Abraço

Quanto ao artigo. Depois destes comentários nada vou acrescentar.
Estás de parabéns caro amigo.

 
Às 04 janeiro, 2008 10:19 , Blogger Blondewithaphd disse...

In Portuguese:
É sempre a mesma história, os grandes valores estão lá fora. A fuga dos cérebros é outra das misérias deste país. Isso e o facto de que para se ser reconhecido o que interessa é publicar em Inglês (contra mim falo, é óbvio). E se nós temos gente brilhante: os Damásios, os Magueijos e por aí fora seriam exactamente os Damásios e os Magueijos se o país tivesse investido neles. É triste!

 
Às 04 janeiro, 2008 11:42 , Blogger Marta disse...

Bom dia, excelente post - obrigada.
Quanto à nota final, é de lamentar que não haja condições no nosso País para desenvolver teorias, projectos, etc...
Espero que tenham tido umas boas entradas e até já - aqui ou no Minha Página...
Beijos, abraços, xis
Marta

 
Às 04 janeiro, 2008 11:48 , Blogger Peter disse...

"blondewithaphd"

Mais um exemplo:

PEDRO G. FERREIRA, Professor de Astrofísica na Universidade de Oxford. Tem feito pesquisa na Universidade da Califórnia, em Berkeley, no CERN, em Geneva, e recebeu um prémio da Royal Society University Fellowship em 2000. O seu trabalho como investigador incide sobre a radiação residual do Big Bang e sobre os princípios físicos da origem do Universo.

Publicou em 2006 "The State of the Universe", publicado em Portugal em Novembro 2007, com o título "O estado do Universo". A não perder.

 
Às 04 janeiro, 2008 17:30 , Blogger JOY disse...

Antes de mais vim retribuir a visita ,gostei muito do seu espaço e vou concerteza ser visita assidua pois os temas que por aqui trata são de muito interesse,tenho outro blog que se chama http://joy-allnightlong.blogspot.com/ onde será também muito bem vinda.

Cumprimentos
JOY

 
Às 05 janeiro, 2008 09:50 , Blogger António disse...

Mais um excelente artigo de divulgação da Astronomia.
Não percebi como as observações em Vénus são um alerta para os terráqueos.

Abraço

 
Às 06 janeiro, 2008 12:09 , Blogger Peter disse...

"antónio"

Do mesmo modo que na Terra, o aquecimento global está originando o “efeito de estufa”, principalmente devido à queima dos combustíveis fósseis (claro que há muita gente a negar o facto, mas os interesses económicos em jogo são poderosíssimos), esse efeito teve lugar em Vénus, devido ao calor do Sol sobre os oceanos e à espessa atmosfera do planeta.
O efeito do calor solar, pois Vénus está muito mais próximo do Sol, incidindo sobre as enormes massas de água do planeta, originou a criação de uma imensa quantidade de vapor de água que se fixou no topo da atmosfera, extremamente densa (100 vezes mais que a da Terra), e composta principalmente por dióxido de carbono.
A radiação ultravioleta do Sol ia dissociando as moléculas de água em hidrogénio que, mais leve, conseguia escapar-se para o Espaço, perdendo-se para sempre e destruindo a água. O dióxido de carbono da atmosfera foi convertendo-se em carbonatos na crosta de Vénus.
Este processo, que levou milhões de anos, reduziu a atmosfera do planeta em cerca de 90%, tornando-a sensivelmente igual à nossa, e destruiu a água, hoje apenas presente na sua atmosfera em forma de vapor.

P.S. - Manifesto o meu apreço pela forma como me questionas e tenho sempre o maior prazer em procurar esclarecer as dúvidas que me suscitas.

 
Às 06 janeiro, 2008 13:30 , Blogger António disse...

Peter:
Agradeço a tua pronta e clara resposta.
Agora fiquei mais esclarecido e mais angustiado, embora quando as coisas estiverem mesmo más eu já estarei a fazer tijolo à muito tempo.
Mas estará cá a descendência (se houver).

Grande abraço

 
Às 07 janeiro, 2008 11:31 , Blogger Amita disse...

Muito curioso e interessante este artigo. Como sempre gostei de te ler.
Claro que nao há condiçoes e os "valores" fogem... mas fico muito contente por "eles".
Um bjo

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial