segunda-feira, dezembro 17

Os “Pais Natais”…

Todos nós, mesmo os que escrevemos e lemos com alguma assiduidade, cometemos erros na oralidade e na escrita. Para os evitarmos socorremo-nos de dicionários e desta maravilhosa ferramenta que é o dicionário do Word, panaceia para dúvidas do português que, como se sabe, é língua difícil e cheia de ambiguidades e duplos sentidos.

Mas há limites. Há ou deveria haver.É irritante ver uma repórter, em directo, repetir incessantemente que “está a decorrer um desfile de Pais Natais…”.

Como se já não bastassem os hadem, os prontos e outras asneiras que tais, longe de serem habituais apenas nas conversas de pessoas de pouca cultura ou escolaridade – é frequente ouvirem-se estas pérolas linguísticas da boca de personalidades públicas e, também de comunicadores com responsabilidades –, somos confrontados com uma rapariga de cara bonita e sorridente a assinalar um evento cheio de piada com o tal: Pais Natais.

Quase que asseguraria que ainda a ouvi dizer Pai Natais, mas não estou certo. Às tantas é a minha má vontade e quando isso acontece… vai tudo à frente.

O recente “porreiro pá”, vindo do nosso primeiro, não é desculpa para tudo.
A menina da RTP deve ser licenciada. Teve, com toda a certeza, várias aulas e consequentes exames, antes de chegar a este evento de Natal.

Provavelmente uma reciclagem linguística viria mesmo a calhar…

É que, não há pachorra…


Daaaaasssssss

18 Comentários:

Às 17 dezembro, 2007 14:23 , Blogger quintarantino disse...

Hoje não é seguro que um licenciado saiba escrever e falar correctamente português. Infelizmente.

 
Às 17 dezembro, 2007 14:50 , Blogger Ant disse...

Quintarantino, o que é grave é fazer isso na TV.
Aliás, há dias encontrei à venda um computador para miúdos falando brasilêro... currtido né?...

 
Às 17 dezembro, 2007 16:01 , Blogger Blondewithaphd disse...

Subscrevo na íntegra! Até eu (coisa surpreendente!!!!) sei que "hadem" deve ser aquela cidade do Médio Oriente chamada Áden, right?
And then I'm the blonde!?

 
Às 17 dezembro, 2007 16:30 , Blogger MARTA disse...

Toda a razão!!!
No meu local de trabalho, dão cada erro...O mais grave?
Ficam amuados e "refilam" comigo quando, ao passar o documento para o PC, tenho a "paciência" necessária para corrigir e apresentar ao cliente uma carta/um mail com a gramática correcta..
Beijos
Marta

 
Às 17 dezembro, 2007 17:16 , Blogger Ant disse...

Blonde só me posso rir, claro. É que eu também sou alourado... hehehe

Marta, não é paciência... é profissionalismo... ah poizé mal pago poizé... :)))

 
Às 17 dezembro, 2007 19:01 , Blogger Belzebu disse...

Não sei quais são os critérios para a escolha das repórteres da RTP, mas provavelmente não andará muito longe de uma carinha laroca, um belo par de pernas e se possível, com cartão rosa!

eheh!! Aquele abraço infernal!

 
Às 17 dezembro, 2007 19:20 , Blogger Peter disse...

«Como se sabe, as chamadas provas de aferissão não são izames propriamente ditos limitão-se a aferir, a avaliar - sem o rigôr de uma prova onde a nota conta para paçar ou para xumbar ao final desses ciclos de aprendizagem. Servem para que o menistério da Educação recolha dados sobre a qualidade do encino e das iscólas, sobre o trabalho dos profeçores e sobre as competênssias e deficiênçias dos alunos.»

 
Às 17 dezembro, 2007 19:32 , Blogger SILÊNCIO CULPADO disse...

Nós podemos não saber falar e escrever a lingua de Camões com o purismo desejado mas há calinadas que não se admitem. E ainda mais quando vêm de canais de televisão que deveriam ser uma referência em termos linguísticos.

 
Às 18 dezembro, 2007 09:21 , Blogger Meg disse...

Peter.


Resolvidos todos os problemas

recuperei endereço anterior

arecalcitrante.blogspot.com

Um abraço

 
Às 18 dezembro, 2007 09:40 , Blogger Tiago R Cardoso disse...

Não é suposto todos falarem correctamente, mas em certos meios como a televisão a utilização de forma correcta do português deve ser obrigatória, infelizmente o que conta muitas vezes é a imagem e não o saber.

 
Às 18 dezembro, 2007 09:55 , Blogger Peter disse...

Meg

Vou repor o endereço.

Já tinha feito a anterior emenda.

 
Às 18 dezembro, 2007 10:09 , Blogger Ant disse...

Belzebu, a cor do cartão tem mais a ver com a gestão das redacções. às vezes coincide com o poder, outras não. É que as oposições usam as mesmas armas.
esqueceste-te do par de mamas e da eventual tendência para a posição horizontal que está sempre na moda.
Manias, é o que é...

 
Às 18 dezembro, 2007 10:12 , Blogger Ant disse...

Peter, estaz encima do acordo ortrogafrico. É bom saber que estas pur dentro.

Abraço.

 
Às 18 dezembro, 2007 10:23 , Blogger Paula Raposo disse...

Sem dúvida Ant!! É que não há pachorra mesmo!!

 
Às 18 dezembro, 2007 10:44 , Blogger H. Sousa disse...

Com ou sem «Pais Natais», feliz Natal!
Abraços para vós.

 
Às 18 dezembro, 2007 13:25 , Blogger augustoM disse...

São as liberdades literárias!
Um grande abraço com os votos de Feliz Natal.
Augusto

 
Às 18 dezembro, 2007 16:28 , Blogger Meg disse...

Pois é Peter...

Depois do susto, cá estou, com tempo para te ler.
E sobre as calinadas, elas são tantas, ainda há pouco ...
quem é que diz a esta gente que gramas é masculino? ´
Masnão é só na televisão, não.
Ah... mas depois do hadem daquele ministro, há muitas mais.
Tenho um livro que é a História de Portugal em Disparates.
Acho que vou fazer uma compilação de "erros mais comuns do pessoal do governo e da tv".

Vou pensar nisso.

Um abraço

E desculpa a confusão de endereços

 
Às 21 dezembro, 2007 14:27 , Blogger António disse...

Eu prefiro essas Mães Natal!
ihihihih

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial