quinta-feira, março 8

Dia internacional da mulher


Comemorando o dia deste ser maravilhoso, publico, já que não sou poeta, um poema de António Ramos Rosa, incluido na "Antologia Pessoal da Poesia Portuguesa", de Eugénio de Andrade, ed Campo das Letras.

A MULHER FELIZ

Está de pé sobre as brancas dunas. As ondas
conduziram-na
e os ventos empurraram-na. Está ali, na perfeição
redonda
da oferenda. E como que adormece no esplendor
sereno.
Diz luz porque diz agora e és tu e sou eu, num círculo
só. Está embriagada de ar como uma forte lâmpada.

É uma área de equilíbrio, de movimentos flexíveis,
um repouso incendiado, a vitória de uma pedra.
Abrem-se fundas águas e um novo fogo aparece.
Que lentas são as folhas largas e as areias!
Que denso é este corpo, esta lua de argila!

Nua como uma pedra ardente, mais do que uma
promessa
fulgurante, a amorosa presença de uma mulher feliz.
Nela dormem os pássaros, dormem os nomes puros
Agora crepita a noite, as linguas que circulam.
Crescem, crescem os músculos da mais íntima
distância.

Era bom que, pelo menos hoje, todas as mulheres do mundo fossem mulheres felizes.


11 Comentários:

Às 08 março, 2007 15:55 , Blogger António disse...

Olá, Peter!
Estes dias internacionais disto e daquilo não me dizem nada.
Tens blogs no Sapo?
Fiquei com a ideia que sim.

Abraço

 
Às 08 março, 2007 16:18 , Blogger Uma vida... disse...

Este comentário foi removido pelo autor.

 
Às 08 março, 2007 16:28 , Blogger bluegift disse...

Obrigada, Peter. É um dia um bocado esquisito... seria suposto não ter necessidade de existir ;)
Aí, seriamos muuuUito felizes!
Belo poema.
Abraço

 
Às 08 março, 2007 17:44 , Blogger Betty Branco Martins disse...

Peter

Bela homenagem. Obrigada:))


A minha mensagem escrita “à minha maneira”______nos sentires que eu traduzo_________na palavra.


Um grito selvagem________a mulher cantou
deliciou e não assustou a vasta plateia________que a admirou
nas mãos________cordas de nós feitos______escondidos
e falsos sorrisos_________aplaudiram

tinha o peito cingido por uma écharpe de seda
todo o seu corpo estava preso nas malhas ______de um belo vestido
bem medido.cuidado.civilizado
bailava a plena liberdade _________ em seus olhos
o que as malhas não tinham força para prender
e se soltou das grades_______________a voz


QUE TODOS OS DIAS SEJAM - DIAS DA MULHER!

Beijo

 
Às 08 março, 2007 21:43 , Blogger Papoila disse...

Peter!
Belíssima a escolha deste poema do António Ramos Rosa que dá força e traz luz a este fim de tarde em que o leio!
Beijo

 
Às 08 março, 2007 22:43 , Blogger António disse...

Recebido e percebido.

Abraço

 
Às 09 março, 2007 13:45 , Blogger Paula Raposo disse...

Mudança de visual??! Ficou bonito. Eu gosto. Beijinhos meus.

 
Às 09 março, 2007 16:44 , Blogger Papoila disse...

Vim espreitar e vejo um blog da cor da esperança... Penso :O!... enganei-me? Não, a casa é nova... ;) Gosto :)
Beijo

 
Às 09 março, 2007 19:50 , Blogger MARTA disse...

Olá, Peter - cheguei tarde???
Mas sempre a tempo de dizer que gosto da nova casa e que o poema é lindo.
Gostei muito.
Beijos e abraços
Marta

 
Às 09 março, 2007 21:30 , Blogger H. Sousa disse...

Interessante forma de abordar o tema. Por falar em tema, noto que o blog alterou o seu visual. De facto, porque andar sempre com a mesma roupa, se há tantas e não custam nada?
Viva a mulher!

 
Às 10 março, 2007 12:32 , Blogger amita I disse...

A beleza da poesia de ARR.
Obrigado pela partilha.
Bjos

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial