segunda-feira, março 12

Aquecimento global do nosso planeta


“HSousa”, que é como está referenciado nos n/links, ou melhor: Henrique de Sousa, pioneiro da energia eólica em Portugal, (o Parque eólico do Porto Santo, primeiro do país, foi estudado e viabilizado por ele), publicou no seu blog: http://horabsurda.com/hora um excelente vídeo que vale a pena ver para se ajuizar acerca do que está por detrás do aquecimento global e um artigo sobre o assunto.
Nele refere que a história do CO2 “serve os interesses dos que se opõem ao desenvolvimento dos países pobres, mas ricos em combustíveis fósseis, e ainda a política dos países que pretendem enveredar pelo nuclear para reduzirem a dependência do petróleo.”

Portanto: “seria a ausência de nuvens e não o CO2, que existe em percentagem mínima no ar, que provocaria maior efeito de estufa. A causa dessa ausência de nuvens são as explosões solares que impedem os raios cósmicos de atingirem os oceanos e acelerarem a evaporação da água.”

(Publicamos com a devida vénia. Imagem do Google)

19 Comentários:

Às 12 março, 2007 10:14 , Blogger Paula Raposo disse...

Este comentário foi removido pelo autor.

 
Às 12 março, 2007 10:33 , Blogger Nilson Barcelli disse...

Pois, está tudo a aquecer...
Vou ver então o vídeo, pois desconhecia que tinha sido o HS a introduzir as "ventoínhas" em Portugal.
Boa semana, um abraço.

 
Às 12 março, 2007 10:57 , Blogger Moura ao Luar disse...

Beijos

 
Às 12 março, 2007 11:53 , Blogger H. Sousa disse...

Pois o aquecimento antropogénico é a maior mentira dos últimos tempos, fomentada pelos donos do mundo com a ajuda dos merdia.
Obrigado pela ajuda na denúncia.
Abraços

 
Às 12 março, 2007 20:51 , Blogger augustoM disse...

Sem nuvens e sem CO2 com nuvens e com CO2 e tudo mais que concorre para o aquecimento da atmosfera, para a poluição dos mares, para o envenenamento do ar, para a destruição das florestas, para a esterilização dos solos, para tudo que tende a acabar com a vida neste planeta, é da responsabilidade do homem sem excepção. Uns mais outros menos, todos poluímos, todos contribuímos para este suicídio. Quem nunca contribuiu para o “apocalipse”, ponha o barco no ar. Este é o problema que mais precisa de um rebate de consciência da humanidade se quiser continuar a viver no planeta azul.
Um abraço. Augusto

 
Às 12 março, 2007 22:55 , Blogger bluegift disse...

Tive já a oportunidade de ver o documentário. Não duvido que o sobre-aquecimento actual se deva a causas externas ao homem, nem que haja fortes interesses financeiros que alimentem tal versão (nomeadamente o da reproliferação de centrais atómicas com fissão do urânio). Duvido é que a poluição do meio ambiente, por excesso de CO2 ou qualquer outro congénere poluidor, não prejudique o bem estar e saúde do homem.

 
Às 12 março, 2007 22:57 , Blogger Peter disse...

Tens toda a razão Augusto. Isto é uma cruzada em que todos nos temos que empenhar.
Obrigado pela colaboração

 
Às 12 março, 2007 23:37 , Blogger Peter disse...

Claro que prejudica "bluegift", que dúvida, mas os interesse económicos são poderosíssimos.

 
Às 13 março, 2007 10:06 , Blogger António disse...

Sou ignorante no assunto mas de uma coisa tenho a certeza: o aquecimento global é uma terrível realidade mas, feliz e finalmente, os dirigentes mundiais começam a perceber isso e a agir.
E fico satisfeito com a opção do governo português pelo desenvolvimento das energias eólicas e hídricas em detrimento do nuclear e dos combustíveis fósseis.
Para terminar, deixo aqui uma reflexão: as opções mais limpas não vão acabar com os combustíveis fósseis; nem as petrolíficas o consentiriam. Portanto não é por aí que se vai travar o enriquecimento de alguns (já dos mais ricos) países do chamado terceiro mundo.

Um abraço

 
Às 13 março, 2007 14:19 , Blogger H. Sousa disse...

Posso? Vou entrando. Esclarecimento: sim, a Terra está a aquecer mas não por culpa do CO2, isto é, do Homem. Está a aquecer porque sempre houve variações causadas pelo Sol, e o Homem nada pode fazer contra isso nem é uma tragédia de elevadíssimas proporções. No passado a Inglaterra já foi tão quente que produzia bom vinho. Tudo isto está documentado no vídeo da BBC. A verdadeira razão dos que defendem a tese do CO2 é fazer-nos crer na necessidade de reduzir a população mundial para que possamos sobreviver. Teses malthusianas em versão moderna.

 
Às 13 março, 2007 14:21 , Blogger H. Sousa disse...

Caro Peter, uma vez mais obrigado pela divulgação.
Abraços

 
Às 13 março, 2007 15:01 , Blogger Peter disse...

O "h.sousa" mais uma vez nos veio esclarecer e ninguém mais indicado do que ele, entre os que conheço, o poderia fazer.

Claro que não se trata dum problemazinho do quotidiano, mas de um problema sério que irá afectar toda a Humanidade. Mas nós todos, de acordo com o modo de ser muito nosso de que "quem vier atrás que feche a porta", estamo-nos nas tintas e o que pretendemos é viver o dia a dia da melhor maneira possível.

Cá por mim e com mais fortes razões, uma vez que o problema não me afectará, poderia também "estar-me nas tintas", mas como sou parvo e tenho o defeito de me preocupar com os outros, continuo a dar seguimento ao tema.

 
Às 13 março, 2007 21:29 , Blogger bluegift disse...

Henrique, o que afirmas está mais que percebido. Já houve um grande debate, salvo erro, o ano passado na rtp a propósito dessa versão, a qual me parece credível. Se vai ou não ser um desastre de grandes proporcões, não sei, espero que não.
Só há uma coisa que não entendi muito bem: quer isso dizer que não concordas com a limitação da emissão de CO2? E que não te preocupa o aumento exponencial da população mundial, nomeadamente em África, China e India?
Que haja sempre quem se aproveite do assunto para fazer negócio é mais que óbvio, seja qual for a versão, nem vejo como o evitar.

 
Às 13 março, 2007 21:51 , Blogger bluegift disse...

Quer dizer, na tua opinião não há nada a temer! Vamos mas é continuar a poluir, acabar com o controlo da natalidade, mesmo nos países pobres ou com milhares de milhão de pessoas. Não estou mesmo nada a perceber onde queres chegar.

 
Às 14 março, 2007 07:03 , Blogger H. Sousa disse...

Pois, bluegift, em primeiro lugar está a denúncia de que o CO2 não é um poluente. Se um combustível libertasse apenas CO2, não poderia poluir, as plantas até agradecem. Nem pode a percentagem ínfima de CO2 de cerca de 0,05 estar a provocar efeito de estufa. Há aqui, claramente uma mentira global.
Desde Maltus que a tese do crescimento exponencial da população só tem servido para exterminar populações, agora na versão moderna do controle de natalidade. Sabias que a população de Portugal caberia em cem estádios de futebol ou menos? Esperemos que não seja esse o destino dos milhões de famintos do mundo. Que tenham oportunidade de desenvolvimento, os recursos da Terra são suficientes, mesmo que a tecnologia não evolua mais.

 
Às 14 março, 2007 08:20 , Blogger bluegift disse...

Henrique, as plantas agradecem mas o homem adoece com o excesso de CO2 tivessemos nós a capacidade de realizar a fotossíntese em vez de doenças respiratórias. Nem é o CO2 por si só que afecta a qualidade do ar que respiramos, mas todos os outros componentes que o acompanham, o CO, o NOx o SO2 e outros. Não é por acaso que chamamos aos parques como Monsanto, o pulmão da cidade, pois que são as plantas, como muito bem dizes, que eliminam uma boa parte do CO2 tornando o ar mais puro. Imagina agora, que sobre pretexto de o excesso CO2 não ser responsável por nenhum mal que nos ocorra vamos extreminar as florestas e os parques!? Bom, com esta discussão nunca mais sairiamos daqui. A única coisa que te queria dizer é que sendo ou não o CO2 um dos resposáveis pela poluição do ar, eu concordo com a sua redução (diferente de "extinção"); e relativamente à população, podes ter a certeza que concordo com o controlo da natalidade, aqui e, especialmente, em África e nos países a oriente. Aumentar a pobreza e diminuir a qualidade da alimentação devido à necessidade de produção acelerada, não! E aumentar a densidade da população também não me parece boa ideia de todo! Em Portugal, por exemplo, ficamos muito bem pelos 10 milhões.
Mas não há dúvida que tudo depende do gosto e ponto de vista de cada um. Eu gosto de espaço e de ambientes não poluídos. Um Abraço.

 
Às 14 março, 2007 13:49 , Blogger H. Sousa disse...

Vemos as coisas de modo totalmente diferente, bluegift. Eu não conheço países em que o excesso de população seja a causa dos males e da miséria, o que eu conheço é um mundo fracamente povoado mas em que os humanos se concentram porque, entre outras razões, são despojados da terra. Exemplo dos sem-terra no Brasil. Conheço um mundo em que as pessoas são atraídas para os centros porque aí julgam poder sobreviver melhor. Conheço um mundo onde se fomenta a desertificação de certas zonas com o intuito de tornar a mão-de-obra mais barata porque compete entre si. Etc.. Mas uma Terra densamente povoada eu não vejo.

 
Às 14 março, 2007 23:04 , Blogger bluegift disse...

Henrique, não era má ideia enviar algum pessoal para a Sibéria, aí concordo contigo ;) Mas o pessoal da tintura não gosta de regiões áridas, o que é pena...

Infelizmente o mundo não é um conto de fadas, com comida, alojamento e qualidade de vida para todos. Se assim fosse, bem que se poderia começar já a planear a conquista de espaço ao mar e ao espaço atmosférico que nos resta, e sobra!(já começámos e podemos sempre intensificá-la). Felizmente, não será nem na minha dinastia nem pela minha vontade.

 
Às 18 março, 2007 23:07 , Blogger Peter disse...

Um diálogo bem interessante. Vocês os dois são as pessoas ideais para o sustentarem.
Gostei bastante de vos ler e de o publicarem aqui no blog.

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial