quarta-feira, dezembro 20

Mude e Marque (M & M)


De há uns anos para cá, a minha sensação é a de que os Natais estão chegando cada vez mais rapidamente.

Num texto que chegou até mim, enviado por mão amiga, encontrei a solução. Trata-se dum texto brasileiro, que eu adaptei, mas que, muito possivelmente, deve circular aí pela Net. Não importa, eu não o conhecia e posso afirmar, por experiência própria, que o que se diz é pura realidade.
Infelizmente os Natais já voltaram a desabar em cima de mim…

“Se alguém o colocar dentro de uma sala branca vazia, sem nenhuma mobília, sem portas ou janelas, sem relógio, por alguns dias a sua mente detectará a passagem do tempo sentindo as reacções internas do seu corpo, incluindo os batimentos cardíacos, ciclos de sono, fome, sede e pressão sanguínea. Depois começará a perder a noção do tempo.

Isso acontece porque a nossa noção de passagem do tempo deriva do movimento dos objectos, pessoas, sinais naturais e da repetição de eventos cíclicos, como o nascer e o pôr-do-sol. Mas há outra coisa que tem de considerar: o nosso cérebro é extremamente optimizado: ele evita fazer duas vezes o mesmo trabalho.
Um adulto médio tem entre 40 a 60 mil pensamentos por dia. Qualquer um de nós ficaria louco se o cérebro tivesse que processar conscientemente tal quantidade. Por isso, a maior parte destes pensamentos é automatizada e não aparece no índice de eventos do dia e portanto, quando você vive uma experiência pela primeira vez, ele dedica muitos recursos para compreender o que está acontecendo.

É quando você se sente mais vivo. Conforme a mesma experiência se vai repetindo, ele vai simplesmente colocando as suas reacções no modo automático e "apagando" as experiências duplicadas.
Aí está porque parece que o tempo acelera quando ficamos mais velhos e porque os Natais chegam cada vez mais rapidamente…

Conforme envelhecemos, as coisas começam a repetir-se, as mesmas ruas, pessoas, problemas, desafios, programas de televisão, reclamações...enfim... as experiências novas (aquelas que fazem a mente parar e pensar de verdade, fazendo com que o seu dia pareça ter sido longo e cheio de novidades), vão diminuindo.
Até que tanta coisa se repete que fica difícil dizer o que tivemos de novidade na semana, no ano ou, para algumas pessoas, na década. Por outras palavras, O QUE FAZ O TEMPO PARECER QUE ACELERA É A ROTINA.

A rotina é essencial para a vida e optimiza muita coisa, mas a maioria das pessoas ama tanto a rotina que, ao longo da vida, o seu diário acaba sendo um livro de um só capítulo, repetido todos os anos.

Felizmente há um antídoto para a aceleração do tempo: M & M ( Mude e Marque).

MUDE, fazendo algo de diferente: escolha roupas diferentes, troque a cor do cabelo, deixe crescer a barba, rape a barba, e MARQUE com fotos, postais e cartas, ou fazendo uma festa.

Porque se você viver intensamente as diferenças, o tempo vai parecer mais longo. “

11 Comentários:

Às 20 dezembro, 2006 00:43 , Blogger Joaninha disse...

Mude!
Marque!
Mudamos o exterior, mas o interior, esse vai sofrendo as mutações naturais e todas as que são impostas pelo tempo, mas no fundo nada muda. Se mudar a cor ao cabelo, não me reconhecerei e passo a sentir-me umm palhaço. Porquê vestir azul se só goto de preto? porquê vestir saia se ma sinto bem de calças? E tudo de nada serve para que esqueça o que em mim vai... nada disso irá esconder o que reprovo, o que detesto e o que me fere... e marcar para quê? para sentir saudade ainda mais forte? Para recordar o que deveria esquecer?
Bem, este teu texto pôs-me a pensar... e já não pensava há tanto tempo...
Um abração com votos de um bom período de Festas!

 
Às 20 dezembro, 2006 01:08 , Blogger Ant disse...

Ora bem mais. E nem é preciso ser muiot radical que é muito cansativo.
Saudações Peter.
Um beijo Blue.
A ver se o ano que vem a coisa se compõe.

Boas festas vocês, companheiros e para todos os que aqui nos vêm aturar :))

 
Às 20 dezembro, 2006 01:52 , Blogger Peter disse...

Joaninha, vai por mim. Não deixei crescer a barba, nem mudei de visual. Isto que escreveste:

"E tudo de nada serve para que esqueça o que em mim vai... nada disso irá esconder o que reprovo, o que detesto e o que me fere... e marcar para quê? para sentir saudade ainda mais forte? Para recordar o que deveria esquecer?"

Deita para o caixote do lixo. Depois "marca" a tua nova vida, seja ela qual for, mas diferente do "cinzentismo".

 
Às 20 dezembro, 2006 01:57 , Blogger Peter disse...

António, vou pedir ao Pai Natal:

"A ver se o ano que vem a coisa se compõe."

BOAS FESTAS companheiros.

 
Às 20 dezembro, 2006 02:19 , Blogger mfc disse...

O que sei, meu caro Peter, é que cada vez há mais lugares vazios à mesa da Ceia de Natal... e isso dói!

 
Às 20 dezembro, 2006 10:16 , Blogger Peter disse...

"mfc", aqui há tempos deram-me um sábio conselho:

"o Natal faz-se com os que cá estão"

A partir daí deixou de haver mesa e passou-se a "self-service"

BOA CEIA DE NATAL PARA TI E PARA OS TEUS

Um abraço

 
Às 20 dezembro, 2006 10:35 , Blogger Paula Raposo disse...

É mesmo!! Gostei de ler e sentir o tempo em mim!! Beijos meus.

 
Às 20 dezembro, 2006 12:19 , Blogger H. Sousa disse...

Excelente desafio para meditar. Que, de facto, o tempo parece, com a idade, passar mais depressa, é um facto. Se o antídoto é M&M, não sei. Possível.
Abraços,
Henrique

 
Às 20 dezembro, 2006 12:27 , Blogger Peter disse...

Henrique, comigo resultou. Quando vou até ao Algarve, a manhã dá para tudo. Aqui em Lisboa é uma manhã inteira para tratar dum assunto.

BOAS FESTAS

 
Às 20 dezembro, 2006 23:02 , Blogger Papoila disse...

É verdade Peter!
Mudar e marcar faz com que o tempo seja mais vivido.
Mudar interiormente. Marcar !
Beijos

 
Às 22 dezembro, 2006 14:15 , Blogger António disse...

Olá, Peter!
De facto o texto circula na net por e-mail e eu já o tinha lido.
Encerra muita verdade, penso.

Um abraço

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial