segunda-feira, janeiro 23

Espanha


Assentou o pó das Presidenciais, numa campanha de lugares-comuns e de insultos soezes, em que não foram sequer aflorados assuntos extremamente importantes, esses sim que irão exigir intervenção presidencial, como é o caso das Forças Armadas, do Irão nuclear, ou da situação em Espanha.

O nosso vizinho corre o risco de mergulhar num processo de balcanização. A curto prazo iremos ter aqui ao lado um processo idêntico ao que se verificou com a não muito antiga Jugoslávia, com inevitáveis repercussões que poderão ser muito graves para o nosso País.
Há poucos dias, um general com funções importantes no Exercito Espanhol, já veio declarar publicamente que: "As Forças Armadas, são o garante da Constituição e que a irão defender, se necessário pela força das armas".
Claro que foi imediatamente afastado das suas funções e punido disciplinarmente, porque o Rei ainda goza de grande prestígio e autoridade. Até quando?

Neste momento a Catalunha vai obter um Estatuto de "nação", com uma língua própria (inventada há pouco mais de 100 anos ...). Daí até à independência completa, será um pequeno passo.

E a Galiza, tão perto de nós e com afinidades culturais e linguísticas maiores do que as que tem em relação a Leão e Castela? Não estará mais perto do Porto do que de Madrid? Poderá tal facto, a concretizar-se, levar à divisão Norte/Sul em Portugal, tão levianamente tratada pelos nossos políticos e fomentada a partir de (ir)responsáveis do País futebolístico/político?

E a Andaluzia, não poderá vir a "engolir" o Alentejo?

Ou julgam que seremos nós a engoli-los a eles? Que nos iremos defender com quê? Nunca teremos a mínima possibilidade de o fazer. Aliás e no que respeita à economia, é a Espanha que já dita cartas. O nosso sistema bancário sobrevive com os empréstimos contraídos junto da Banca espanhola. Os grandes grupos espanhóis já estão solidamente implantados em Portugal. "El Corte Inglês" é o preferido dos Lisboetas de relativo poder económico, em detrimento do Colombo por exemplo, e as nossas leitoras sabem bem onde vão comprar os "trapinhos" a começar pela Zara ...

Julgam que a futura "balcanização" de Espanha se irá fazer sem profundas convulsões e pacificamente?

16 Comentários:

Às 23 janeiro, 2006 09:55 , Anonymous js disse...

...a pouco e pouco os espanhois compram portugal aos bocadinhos... e já tomam conta disto...(está a efectar-se uma invasão silenciosa...já nem a Padeira de Aljubarrota nos vale)...FORÇ'AÍ!
js de http://politicatsf.blogs.sapo.pt

 
Às 23 janeiro, 2006 10:04 , Blogger Peter disse...

js: não é o comprarem que me preocupa. Tanto se me dá ser um espanhol como um português a pagar-me. Sabes bem que pode chegar aí um "Abramovich" qq e desatar a comprar acções.

O que me preocupa é a Espanha desfazer-se em bocados. Ou julgas que vamos ficar imunes, no género: isso é lá com eles?

 
Às 23 janeiro, 2006 10:08 , Blogger bluegift disse...

Letras, o assunto que abordas é extremamente importante. Não acredito na possibilidade actual de uma nova guerra em Espanha. Mesmo que um grupo de alucinados decida tomar o poder, rapidamente será abafado pela Nato. Lembro-te que as afinidades linguísticas, geográficas e culturais, além do eterno combate norte-sul estão longe de ser uma exclusividade ibérica. Mas o aumento do terrorismo regional e da extrema direita são uma realidade que urge combater com inteligência.

 
Às 23 janeiro, 2006 10:35 , Anonymous zezinho disse...

Já agora: esqueceram-se das águas comuns. Um dia, os gajos tiram-nos a água toda

 
Às 23 janeiro, 2006 11:03 , Blogger Nilson Barcelli disse...

Os candidatos, de facto, nada disseram.
Ou, se o fizeram, foi como se fossem candidatos a primeiro-ministro.
Qualquer que fosse o desfecho os portugueses nada tinham a ganhar ou perder. Tirando uma eventual intervenção para encerrar a Assembleia da República e um ou outro veto político, tudo não passa de uma jarra de flores para representar Portugal por esse mundo fora.
Acho que exageras no perigo espanhol. E, afinal, queremos investimento estrangeiro ou não?
Abraço.

 
Às 23 janeiro, 2006 12:04 , Blogger Manoel Carlos disse...

Evidentemente não sou ignorante em questões geopolíticas, mas confesso que desconheço o cenário político de Portugal, a mim parece que a escolha dos portugueses é mais preocupante do que tranqüilizadora...

 
Às 23 janeiro, 2006 13:33 , Blogger augustoM disse...

Vanicinar para a Espanha assim não nos deixa margem de manobra, para escaparmos a uma inevitável guerra civil. Quando se quere dividir o bolo, há sempre uns que têm mais barriga que outos. Talvez tenhas razão, a malta espanhola, não parece à primeira vista, mas é muito diferente entre si, e há ainda muito ódio da guerra civil que não desapareceu.
Um abraço. Augusto

 
Às 23 janeiro, 2006 14:52 , Blogger Peter disse...

zezinho, antes de nos tirarem a água,já não haverá Espanha.
Haverá um grupo de Estados independentes que nem sequer formarão um Estado federado.
Vamos ver a evolução do Estatuto da Catalunha, que continua a ser negociado. Ainda hoje ouvi na TVE.

 
Às 23 janeiro, 2006 14:55 , Blogger Peter disse...

bluegift, não penso e sei bem que a hipótese que levantas não é possível.
O que irá acontecer é a "balcanização", tal como sucedeu com a Jugoslávia. Só de Espanha, ou de toda a Península?
Aí é que está o "busilis".

 
Às 23 janeiro, 2006 15:08 , Blogger Peter disse...

Nilson, tanto se me dá que o investimento em Portugal seja espanhol, ou chinês, como já disse.
O assunto ultrapassa o âmbito económico.
Estou a falar de "balcanização". Conheço muito bem a Espanha, toda a Espanha. Tenho lá muitos amigos, com quem troco impressões.
A Espanha, não é como Portugal que há muitos séculos mantem as suas fronteiras praticamente inalteradas.
A Espanha é uma amálgama de povos e culturas, que ambicionam cada vez mais liberdade, até alcançarem a independência. Pela via pacífica? O chamado "terrorismo" não existe só no País Basco, praticado pela ETA.
Para já temos a negociação do Estatuto da Catalunha, passará a ser uma Nação e a ter língua oficial própria.

 
Às 23 janeiro, 2006 15:12 , Blogger Peter disse...

"a malta espanhola, não parece à primeira vista, mas é muito diferente entre si, e há ainda muito ódio da guerra civil que não desapareceu."

Tens toda a razão Augusto. Estás a ver bem o problema, que pode não só ser da Espanha e atingir-nos por tabela.

Abraço

 
Às 23 janeiro, 2006 15:29 , Blogger Peter disse...

manoel carlos, há utopia e realidade. As pessoas não comem utopia. A situação económica portuguesa é de pré-ruptura.
Conheço pessoalmente e até me trato por tu, com um dos dirigentes de um pequeno partido, dos vários que constituem o BE. Idem no que respeita a um deputado influente dentro do PS. Isso leva-me a ter um certo conhecimento da política portuguesa.
Não votei Cavaco, portanto estou à vontade. Mas acredito, porque tenho de acreditar em alguma coisa, que Sócrates irá funcionar melhor com Cavaco do que com qualquer dos outros.

Destaco o 1 mlhão de votos obtido por Manuel Alegre, que admite que o futuro de Portugal pode passar por um movimento cívico, como o que o levou a posicionar-se à frente de Mário Soares (em quem eu AGORA nunca votaria). Mas terá Manuel Alegre "pedalada" para isso?

Abraço

 
Às 23 janeiro, 2006 16:58 , Blogger LetrasaoAcaso disse...

Repara: a "balcanização" é inevitável na vizinha Castela.
Concordo no essencial que mais dia menos dia teremos a guerra à porta.

 
Às 23 janeiro, 2006 17:18 , Blogger Peter disse...

Letras, esperemos que não entre ...

 
Às 08 janeiro, 2009 13:39 , Anonymous Nortenho disse...

Viva a ETA e os Bascos, Catalães, Galegos, Aragôneses e Andaluzes.

Morte à Espanha e a Castela.

A Espanha não passa de um cadáver político com os dias contados desde a indepêndencia do Kosovo que eles ainda não reconhecerem pelo medo pérfido do que se aproxima, ou seja, a sua inevitável divisão.

Nós sempre fomos e sempre seremos Portugal todos falamos Português e estamos assentes em quase 900 anos de história.

Essa puta dessa Espanha que sempre se tentou apoderar de nós,de jure tem cerca de 300 anos, ou seja uma criança comparada connosco.

E nós Portugueses é que vamos ganhar mais com a divisão da puta da Espanha, esse pais de merda onde se falam cinco ou 6 linguas e onde ninguém se entende, e passaremos a ser a grande potência penisular.

Viva Portugal.
O nosso e sempre Portugal!!!

 
Às 04 fevereiro, 2009 16:03 , Anonymous Português disse...

Este comentário vai para este bando de filhos da puta e chulos que são os maçonicos Iberistas, como o cão do Mário Soares, esse traidor à pátria, o boi do Saramago e o chulo do Mário Lino deviam ser mortos e expostos no terreiro do passo, e se for preciso defender o meu país, eu já digo como o Mário machado, eu saio à rua em caçadeira para o fazer, e então se for para matar Castelhanos, esses filhos da puta com maior vontade ainda.


Este bando de filhos da puta que se apelidam de "Iberistas", nem sequer sabem o que significa ser Português, nem o merecem ser tão pouco, porque não passam com certeza e um bando de Portugueses Acastelhados de meia-tijela subservientes do reino de Castela, porque é disso que se trata, maçonicos Iberistas estes que querem juntar o nosso Portugal com os nosso 800 anos de nacionalidade com esta cada vez mais defunta e dividida Espanha que de facto apenas existe desde 1716 e de jure desde 1812, aqui se vê a pequenez em comparação com Portugal.


Meus amigos Portugueses, a Espanha, ou melhor Castela, porque é disso que se trata, de Castela, há que chamar as coisas pelos nomes, a Espanha não existe, é apenas um eufemismo que esses Castelhanos de merda arranjaram para designar Castela, tal como Tito criou o eufemismo Jugoslávia para designar a Sérvia, e nesta Espanha (Castela), quem manda é Madrid e Burgos( antiga capital de Castela), o resto não passa de paisagem e de subordinados.


A Espanha nunca viveu uma mudança de poder desde a morte de Franco, e a sua fragmentação ocorrerá na pior das hipóteses com a chegada ao poder do e o príncipe das Astúrias que manifestamente não tem capacidade para manter o domínio Castelhano, nem tão pouco o actual Rei o está a conseguir visto que nunca conseguiu sarar as feridas da guerra civil de Espanha, e visto que os movimentos separatistas da Catalunha, País Basco, Andaluzia e Galiza estão de vez a ganhar alento acicatados e impulsionados pela independência do Kosovo, e agora Ossétia do Sul e Abcásia, a Espanha (Castela) acabará por se dividir a curto prazo em 4 ou 5 estados, Catalunha, País Basco, Galiza, Aragão, Espanha (Castela) e talvez mesmo Leão e Andaluzia.


Sendo assim, esta Espanha não tem base se sustentabilidade, e a curto prazo e motivado pelo lançamento das sementes da discórdia na Europa com a independência do Kosovo financiada por parte dos Estados Unidos, porventura um antigo inimigo de Espanha, que motivou a abertura de uma Caixa de Pandora na Europa, o que vai levar a mais independências, sendo na minha opinião tudo isto meticulosamente planeado pelos EUA que invejam e temem uma Europa Unida, provocará com que a Espanha( Castela ) se desmorone como um castelo de cartas, e a questão já não se põe se a Galiza, Catalunha, o País Vasco, e talvez mesmo a Andaluzia, embora aqui Castela consiga um maior controle sobre esta região vão proclamar independência de Espanha, mas sim quando, tal como é dito pelo político catalão Josép Carod Rovira, estando os catalães a promover já a realização de um referendo para 2014 para auscultar o povo da Catalunha quanto á independência.


Neste contexto quem terá mais a ganhar será Portugal que passará de “patinho feio” da Península Ibérica a ganso passando a ser a potencia dominante na Península Ibérica, beneficiando de uma integração das terras irredentas em primeiro lugar de Olivença que é território Português de jure desde 1814 e que está ocupado ilegalmente por Espanha desde 1801 data das invasões napoleónicas, bem como provavelmente vila de Albuquerque que tem fortes ligações a Portugal e com a língua portuguesa e que queriam ser integrados me Portugal


Eu deixo então aqui um recado a estes dementes, que nem sequer se podem apelidar de Portugueses, porque os verdadeiros Portugueses são aqueles que pensam como eu, que até vivo bem próximo de Espanha, que sentem o seu pais, que têm orgulho em ser portugueses e que honram a memória de todos os nossos antepassados que durante anos lutaram e caíram em Batalha para que nos possamos hoje chamar Portugueses, Portugueses estas que nunca irão permitir que estes iberistas de merda levem os seus intentos em diante e nos juntem com esses espanhóis maliciosos, de onde não vem, nem nunca vieram nunca há-de vir bons ventos nem bons casamentos


Quanto a todos os que apregoam a junção com a Espanha, deviam ser todos decapitados em público ou enforcados num pinheiro e se gostais assim tanto da Espanha ide para lá de vez, para essa merda desse país dividido e fracturado onde se falam 5 línguas e ninguém se entende e onde a taxa de desemprego já chega quase aos 20 %que se chama Espanha, ou melhor Castela como já foi dito, porque Espanha foi um eufemismo que os Castelhanos arranjaram para designar Castela e lançar o seu domínio sobre toda a península, menos e felizmente sobre nós, graças à coragem dos nossos antepassados.


Viva Portugal !!!!

Viva Olivença Portuguesa!!!!!


Viva a Catalunha independente!!!!

Viva o País Basco independente!!!

Viva a Galiza independente!!!!

Viva Aragão independente!!!

Viva Leão independente !!!!!

Viva a Andaluzia independente!!!

Em conclusão:

Morte à Espanha!!!!!!!

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial