domingo, novembro 23

Um blogue em destaque

Li com interesse o artigo “Reformas ou Revoluções (II)” de Sábado, 22 de Novembro de 2008 publicado no blogue Bolinas:

"Ao que parece, o governo em funções desejou ser visto pela opinião pública como tendo colocado o combate aos grupos de interesse corporativos no topo das suas prioridades."
(…)
“Quando Margaret Thatcher chegou ao poder no Reino Unido, também ela sonhava com a possibilidade de estabelecer uma relação directa entre o poder político e o eleitorado, curto-circuitando o papel dos grupos de interesses na formulação das políticas públicas. (…)”

http://manuelrrocha.blogspot.com/

Permito-me acrescentar a frase do mesmo dia:

“Neste momento a oposição ao primeiro-ministro é feita pelos Gato Fedorento.”
(João Gil, entrevistado por José Fialho Gouveia, in semanário “SOL”)

6 Comentários:

Às 23 novembro, 2008 10:21 , Blogger sagher disse...

pois é por que o poder socialista comprou toda a gente com mordias e avenças

 
Às 23 novembro, 2008 17:37 , Blogger Peter disse...

sagher

Passei pelo teu blogue. Poesia pequenina, mas sentida, é a "crise"?

Por coincidência, acabo de ler um artigo no SOL:

"Para Sócrates, o poder político é um poder absoluto e alicerçado na subjugação ou controlo de todos os outros poderes ..." ( Mário Ramires, "A democracia segue dentro de momentos ...")

 
Às 23 novembro, 2008 20:29 , Blogger Bento disse...

Li com atenção os vossos comentários e o blog divulgado...Uma coisa é certa...independentemente do sinal partidário...o sentido dos nossos políticos é sempre de via única em sentido obrigatório...foi com salazar, foi com Cavaco e agora com Sócrates...a tentação do poder único e férreo corre-nos nas veias...

 
Às 23 novembro, 2008 23:13 , Blogger antonio - o implume disse...

A tal ponto que até a alta autoridade para a comunicação social já os avisou que também t~em que gozar com a oposição...

 
Às 24 novembro, 2008 00:50 , Blogger Peter disse...

Bento

O texto em questão define a linha de rumo do governo Sócrates:

"Ao que parece, o governo em funções desejou ser visto pela opinião pública como tendo colocado o combate aos grupos de interesse corporativos no topo das suas prioridades."

Mário Soares escreveu em artigo publicado esta semana no DN:

"Não é possível. em democracia, fazer uma reforma do ensino contra os professores, como fazer uma reforma da saúde contra os médicos ou uma reforma da justiça contra os majistrados" (um puxão de orelhas?)

O SOL acrescenta: "e já agora uma reforma das Forças Armadas contra os militares."

Mário Soares não as esqueceu, detesta-as. Nunca perdoou ter sido destituído de primeiro ministro, por Eanes, um militar. Foi mais uma ocasião das humilhar.

 
Às 24 novembro, 2008 00:51 , Blogger Peter disse...

Claro, António, "o sol quando nasce é para todos".

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial