quarta-feira, setembro 5

A poesia é o próprio mundo

(Foto Peter)

A poesia é o próprio mundo, o coração do mundo, uma maneira de o sentir, ela existe muito antes das palavras: existe a partir do momento em que algo nos espanta, nos deslumbra, nos encanta ou enraivece. É uma maneira de sentir que gera uma necessidade muito grande de concretização: através das palavras escritas, por exemplo; mas também através da música ou da pintura, através das expressões artísticas. Mas nestas corre-se o risco de mascarar o mundo, de o tornar artificial e falso, de o trair. A poesia concretizada já tem a sua dose de artificialidade: entre a luz e a luz escrita vai uma distância medonha.
Agora pensei na Terra a girar em torno do Sol: num momento ela é irresistivelmente atraída pelo Sol e logo a seguir gira sobre si mesma para impedir a queda, e isso gera a força centrífuga, que é o resultado de dois movimentos contraditórios mas equilibrados. Escreve-se o mundo escrevendo-o o menos possível para o salvar das palavras, como se estas fossem um mal ao qual não se consegue fugir, mas que se tenta por todos os meios que cause o menor dano possível à sua origem.

“Assim eu queria o poema:
fremente de luz, áspero de terra,
rumoroso de águas e de vento. “

(Eugénio de Andrade – “Os frutos")

«Assim eu queria» é uma expressão bonita - o imperfeito “queria”, neste contexto perfeito - porque «o poema fremente de luz, áspero de terra, rumoroso de água e de vento» é o mundo e o mundo não se escreve em absoluto, não se encontra com a poesia escrita a poesia intrínseca. Tenta-se, deseja-se, chega-se muito perto, mas não se escreve o mundo.

7 Comentários:

Às 05 setembro, 2007 10:11 , Blogger Paula Raposo disse...

Adorei este teu texto! Para quem não é poeta (tu o dizes), simplesmente excelente. Beijos.

 
Às 05 setembro, 2007 10:54 , Blogger Papoila disse...

Magnífico texto Peter que escreve assim o Mundo com uma sensibilidade impar!
Belíssimo!
Beijos

 
Às 05 setembro, 2007 14:04 , Blogger Peter disse...

Estão a exagerar, o melhor ainda é a fotografia...

 
Às 05 setembro, 2007 16:48 , Blogger Paula Raposo disse...

A fotografia também é linda, mas o texto é o principal!! Já o reli várias vezes e está magnífico.

 
Às 06 setembro, 2007 00:37 , Blogger Vieira Calado disse...

Estou aqui a olhar Fernando Pessoa e a recordar as tuas achegas no meu blog de astronomia.
O que tu dizes é pertinente, mas eu tenho muita coisa para dizer... e se digo logo tudo... acaba-se-me o blog.
Tenho que fazer render o peixe... como por cá se diz.
Um forte abraço, desde Lagos.

 
Às 07 setembro, 2007 02:28 , Blogger Olhos de mel disse...

Este comentário foi removido pelo autor.

 
Às 07 setembro, 2007 02:29 , Blogger Olhos de mel disse...

Olha Peter, a poesia está numa foto, numa expressão, num olhar, numa escrita, ah! A poesia traduz a alma, revela amores, ódios, etc...
Belo post, meu amigo!
Bom fim de semana!
Beijos

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial