quarta-feira, abril 25

Um dia a comemorar novos rumos : 25 de Abril !

Amigo maior que o pensamento
Por essa estrada amigo vem
Não percas tempo que o vento
É meu amigo também
Em terras
Em todas as fronteiras
Seja bem vindo quem vier por bem
Se alguém houver que não queira
Trá-lo contigo também
Aqueles
Aqueles que ficaram
(Em toda a parte todo o mundo tem)
Em sonhos me visitaram
Traz outro amigo também

José Afonso

18 Comentários:

Às 25 abril, 2007 22:04 , Blogger Nilson Barcelli disse...

25 de Abril, sempre.
Um abraço.

 
Às 25 abril, 2007 22:29 , Blogger bluegift disse...

É isso mesmo nilson (se bem que o espírito mesquinho e isolacionista de salazar ainda esteja muito longe de desaparecer...). Abraço.

 
Às 26 abril, 2007 11:03 , Anonymous Anónimo disse...

Às 03h do dia 25 de Abril de 1974, o meu telefone tocou:
- "Vem, a malta está na rua".

 
Às 26 abril, 2007 12:01 , Blogger bluegift disse...

Eu era miúda e os meus pais estavam apreensivos, por isso, fiquei por casa... Lembro-me do sentimento de festa e de uma imensa força, contagiante, que me levava a dar pulos no ar (para desgosto dos meus pais) e a pensar : já não vai haver mais polícia atrás da minha bicicleta, nem cães maus com polícias brutos a procurar os estudantes universitários do bairro, nem medo de ouvir a emissão do "Angola é nossa", nem esconder certos livros proibidos. Era o fim do medo institucional. Agora, o medo é outro, como muito bem retratou a nossa Amiga Heloísa num seu poema aqui já publicado. E anda bem escondido...

 
Às 26 abril, 2007 12:45 , Blogger Paula Raposo disse...

José Afonso, incontornável e inesquecível! Beijos Bluegift.

 
Às 26 abril, 2007 17:59 , Blogger Papoila disse...

Uma grande escolha!
25 de Abril Sempre!
Beijos

 
Às 26 abril, 2007 19:49 , Blogger Caiê disse...

E o espectáculo de homenagem foi na Galiza. Ah poizé.

 
Às 26 abril, 2007 20:45 , Blogger Manuel disse...

Pois... mas foi só o espírito o que sobrou disto tudo ( e que gratificante é lembrá-lo sempre) porque a realidade é a que vemos: uma montanha de frustrações.

Um @bração do
Zecatelhado

 
Às 26 abril, 2007 21:18 , Blogger bluegift disse...

Beijos também para ti Paula. Quando tiveres um novo blogue avisa.

 
Às 26 abril, 2007 21:32 , Blogger bluegift disse...

Ainda bem que gostas, Papoila. Beijos.

Caiê, foi uma boa iniciativa, gosto muito da Galiza e dos Galegos. Castelhanos é que nem por isso... Pena é que alguns cantores terem decidido assassinar algumas músicas.

Manuel, se a ditadura tivesse durado mais tempo o povo ainda estaria mais grunho e mesquinho que hoje. Às vezes fico com náuseas quando olho para a renitência deste povo em crescer. Nem me apetece reagir tal é a tristeza (e nojo) que sinto em relação ao espírito bacoco generalizado, a começar pelos jornalistas vip e a acabar pelos políticos obcecados pelo poder e que se estão a borrifar para o país. A herança é pesada.

 
Às 27 abril, 2007 07:06 , Blogger Paula Raposo disse...

Bluegift: é só clicares no nome no meu comentário...beijos.

 
Às 27 abril, 2007 13:38 , Blogger bluegift disse...

Paula, "o inferno são os outros" como diria JP Sartre e muito bem.

 
Às 27 abril, 2007 16:46 , Anonymous Anónimo disse...

Seja bem vindo quem vier por bem...
Pois bem: o aspecto gráfico do blog melhorou - e de que forma - com a alteração da cor de fundo. O anterior,além de triste,não permitia o contraste adequado, desvalorizando o texto.
A evocação do 25 de Abril também está feliz. A canção dispensa comentários que, por repetitivos, também se desvalorizam.
Sou teu amigo, também.

SYOKA ( Visconde )

 
Às 27 abril, 2007 21:11 , Blogger bluegift disse...

Olhe lá, ó excelentíssimo sr. visconde, sua excelência não tem nem mail, nem site, nem blogue ?

 
Às 27 abril, 2007 21:35 , Blogger António disse...

Hello Blue!
No dia 25 de Abril de 1974 cá o rapaz tinha 25 anos.
Portanto vivi um quarto de século no Estado Novo (que entretanto envelheceu).
Muitas memórias tenho desse período mas, uma das mais perenes é sem dúvida o Zeca Afonso com as suas baladas.
Recordá-lo é recordar o combate desigual contra um regime opressor, tacanho e decadente.

Beijinhos

 
Às 27 abril, 2007 21:38 , Blogger António disse...

Este blog está cada vez mais catita.
ah ah ah

 
Às 27 abril, 2007 22:11 , Blogger bluegift disse...

Alô António, é a memória de um povo que convém não apagar, não vá o diabo tecê-las, já que o espírito bacoco continua a pairar. Vamos ficar com o Zeca mais uns dias.
Beijinhos também para ti.

 
Às 29 abril, 2007 17:39 , Blogger amita I disse...

Que perdure a flor e a chama da memória.
Bjinhos

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial