quinta-feira, março 29

Criancinhas

«A criancinha quer Playstation. A gente dá.
A criancinha quer estrangular o gato. A gente deixa.
A criancinha berra porque não quer comer a sopa. A gente elimina-a da ementa e acaba tudo em festim de chocolate.
A criancinha quer bife e batatas fritas. Hambúrgueres muitos. Pizzas, umas tantas. Coca-Colas, às litradas. A gente olha para o lado e ela incha.
A criancinha quer camisola Adidas e ténis Nike. A gente dá porque a criancinha tem tanto direito como os colegas da escola e é perigoso ser diferente.
A criancinha quer ficar a ver televisão até tarde. A gente senta-a ao nosso lado no sofá e passa-lhe o comando.
A criancinha desata num berreiro no restaurante. A gente faz de conta e o berreiro continua.
Entretanto, a criancinha cresce. Faz-se projecto de homem ou mulher.
Desperta.

É então que a criancinha, já mais crescida, começa a pedir mesada, semanada, diária. E gasta metade do orçamento familiar em saídas, roupa da moda, jantares e bares.
A criancinha já estuda. Às vezes passa de ano, outras nem por isso. Mas não se pode pressioná-la porque ela já tem uma vida “stressante”, de convívio em convívio e de noitada em noitada.
A criancinha cresce a ver "Morangos com Açúcar", cheia de pinta e tal, e torna-se mais exigente com os papás. Agora, já não lhe basta que eles estejam por perto. Convém que se comecem a chegar à frente na mota, no popó e numas férias à maneira.
A criancinha, entregue aos seus desejos e sem referências, inicia o processo de independência meramente informal. A rebeldia é de trazer por casa. Responde torto aos papás, põe a avó em sentido, suja e não lava, come e não limpa, desarruma e não arruma, as tarefas domésticas são «uma seca».
Um dia, na escola, o professor dá-lhe um berro, tenta em cinco minutos pôr nos eixos a criancinha que os papás abandonaram à sua sorte, mimo e umbiguismo. A criancinha, já crescidinha, fica traumatizada. Sente-se vítima de violência verbal e etc e tal. Em casa, faz queixinhas, lamenta-se, chora. Os papás, arrepiados com a violência sobre as criancinhas de que a televisão fala e na dúvida entre a conta de um eventual psiquiatra e o derreter do ordenado em folias de hipermercado, correm para a escola e espetam duas bofetadas bem dadas no professor «que não tem nada que se armar em paizinho, pois quem sabe do meu filho sou eu».

A criancinha cresce. Cresce e cresce. Aos 30 anos, ainda será criancinha,continuará a viver na casa dos papás, a levar a gorda fatia do salário deles. Provavelmente, não terá um emprego. «Mas ao menos não anda para aí a fazer porcarias».

Não é este um fiel retrato da realidade dos bairros sociais, das escolas em zonas problemáticas, das famílias no fio da navalha? Pois não, bem sei.Estou apenas a antecipar-me. Um dia destes, vão ser os paizinhos a ir parar ao hospital com um pontapé e um murro das criancinhas no olho esquerdo. E então teremos muitos congressos e debates para nos entretermos.»

«Magnífico artigo na Visão on-line! - Criancinhas!

A DEVIDA COMÉDIA, Miguel Carvalho , 01 Março 2007

Pergunto-me quando é que a maioria dos supostos “tugas” sofredores da bonomia nacional tão alardeada (traduzo: estupidez crassa e imbecilidade latente) conseguirão perceber o que se retratou acima....»

Possivelmente já é do conhecimento de muitos. Meu não era, pois recebi-o por e-mail. Também não deve interessar a todos que por aqui passam, mas a mim interessa-me e por isso o publiquei, na esperança de que aqueles que são da minha geração e da geração anterior, ainda possam arrepiar caminho.
Muito de bom se conseguiu, mas muito de mau fizemos e a quase totalidade dos problemas com que os mais novos se debatem (e são muitos …) são da inteira responsabilidade dos mais velhos.

9 Comentários:

Às 29 março, 2007 13:05 , Blogger Paula Raposo disse...

Este comentário foi removido pelo autor.

 
Às 29 março, 2007 13:53 , Blogger Ant disse...

Olha, arrepiei-me só de pensar que convivi durante anos com um dos resultados disto mesmo. Bolas pá... e agora que até vinha fazer um post e tudo, levo com isto... Para castigo não escrevo, prontosssss...

Pertinente meu amigo.
Abraço

 
Às 29 março, 2007 14:49 , Blogger MARTA disse...

Olá, Peter - um retrato fiel da sociedade em que vivemos.
Sabes de quem me lembrei? Do meu sobrinho e afilhado que fará 17 anos em Setembro.
Porque é exactamente isto que se passa...e os pais não admitem reparos....
Enfim.....
Beijos voadores (explicação no meu blog)
Marta

 
Às 29 março, 2007 17:59 , Anonymous Anónimo disse...

Desde que estou ligado ao teu blog, é o melhor artigo que lá pões: porque é isso mesmo, não estás a especular. E é grave.

E tem uma função didáctica e de alerta que geralmente não se vê escrita. E porquê? Por não se concordar? Não!

Porque os eventuais autores estão comprometidos. E quando a educação não se faz em casa, não se faz em mais sítio nenhum, salvo honrosas excepções!

F. Paiva

 
Às 29 março, 2007 18:44 , Blogger bluegift disse...

Pura verdade, Peter, estes pais da moda estão a educar monstrinhos! (na minha família, felizmente, o respeitinho ainda é um bem precioso). E quando se tenta chamar a atenção dos pais perante a má educação e falta de respeito demonstrada pelos "santinhos", os palermas em vez de pedirem desculpa e repreenderem os monstrinhos, ainda se zangam contigo! Os novos pais sentem-se completamente ultrapassados pelas criancinhas e preferem fingir que está tudo bem, que é normal. Eu confesso que não tenho papas na língua quando me deparo com irresponsáveis deste calibre...

 
Às 29 março, 2007 22:37 , Blogger bluegift disse...

Ó F. Paiva, desculpa discordar, mas os melhores artigos são, sem dúvida, os relativos à Astronomia e à Ciência; aquilo a que te referes é só o relato de uma tristeza sem fim, desabafos, se preferires ;)

Isto para não falarmos nas percentagens vergonhosas obtidas pela mobilização dos extremistas nacionais (e alvo de noticiário internacional pelo atraso democrático finalmente comprovado...), do país mentalmente encalhado na cauda da Europa, dos "emigrantes" portugueses que vão para a Europa para se sujeitarem ao trabalho normalmente destinado aos provenientes do 3° mundo, e mais um rol de desgraças latinas ainda mais deprimentes e que, francamente, é preferível esquecer... Para telenovelas melodramáticas já bastam as Sic e as da Tvi...

 
Às 30 março, 2007 10:50 , Blogger Patrícia Pêra disse...

Os pais por vezes pensam que estão a ser amigos e compreensivos ao compactuarem com certas atitudes dos filhos. "É só desta vez.." "É só mais uma vez...", ... . Até que se torna um hábito e o mal está feito.

 
Às 30 março, 2007 14:27 , Blogger Peter disse...

VERGONHOSO
50 (cinquenta) "criancinhas" (de 17 a 19 anos) de uma Escola Secundária da Covilhã foram expulsas de um hotel em Lloret del Mar (perto de Barcelona) e encontram-se na rua, pois não têm onde se alojar.
Motivo?
Nada de grave, no dizer de uma aluna: trouxeram ovos cozidos do pequeno almoço e entretiveram-se a atirar com eles uns aos outros.
Claro que as paredes do andar que ocupavam ficaram num estado lastimoso, mas isso é um pormenor despiciendo.
Outra camioneta com outro grupo de alunos, foi forçada a voltar para Portugal, pois o hotel recusou-se terminantemente a recebê-los.

A referida aluna ainda se queixou do hotel, por os seus responsáveis (parece que lá ainda há responsáveis ...) se terem referido aos portugueses em termos depreciativos (talvez haja lugar a uma excursão dos encarregados de educação para tirarem desforço).

Notícia da RTP1 no Jornal de Notícias das 13h00 de hoje 30 de Março de 2007

 
Às 30 março, 2007 20:36 , Blogger Peter disse...

Penitencio-me, fui induzido em erro:

- Por coincidência, falei hoje à tarde com um casal que tem lá o filho.
- A notícia da RTP1 foi empolada.
- A TVI, hoje no noticiário das 20h00, parece ter reduzido o incidente às suas devidas proporções.

Ainda bem !!!

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial