terça-feira, novembro 21

L'important, c'est la rose



Toi qui marches dans le vent
Seul dans la trop grande ville
Avec le cafard tranquille du passant
Toi qu'elle a laissé tomber
Pour courir vers d'autres lunes
Pour courir d'autres fortunes
L'important...

L'important c'est la rose
L'important c'est la rose
L'important c'est la rose
Crois-moi

(…)

Gilbert Bécaud
Paroles: Louis Amade. Musique: Gilbert Bécaud

(Foto do Peter)

E agora a explicação científica, árida e de leitura dispensável:

Por que razão é a rosa cor-de-rosa?

A resposta está na estrutura atómica da matéria que a compõe.


Nós interagimos com o Universo através do jogo da luz e da matéria. Sendo feitos de protões e de electrões, somos seres electromagnéticos que comunicam com o mundo exterior através de ondas electromagnéticas. Uma grande parte da nossa experiência humana provém dos reflexos da luz solar nos objectos que povoam o nosso ambiente e que estimulam as nuvens de electrões presentes nas cadeias de proteinas do interior da retina dos nossos olhos.

Como todos sabemos a luz branca é uma amálgama de cores, que vão do vermelho ao violeta. A rosa absorve o azul e o violeta, e apenas reflecte o vermelho, que se mistura com o branco e dá o cor-de-rosa.
Porquê esta preferência pelo azul e o violeta?
Por causa da disposição das órbitas dos electrões nos átomos e moléculas que compõem a rosa.
Como se sabe, para que um átomo ou uma molécula absorva luz, o electrão tem de dar um salto quântico, de uma órbita de baixa energia, próxima do núcleo do átomo, para outra de maior energia e mais afastada do núcleo, sendo a energia (ou a cor ) da luz absorvida precisamente igual à diferença de energia entre estes dois níveis. Ora acontece que certas órbitas de electrões dos átomos da rosa estão dispostos de tal maneira que as suas diferenças de energia correspondem exactamente à energia das cores azul e violeta. Por isso são elas as absorvidas.
Em contrapartida, não existem órbitas cuja diferença de energia corresponda à energia da cor vermelha. Por isso esta não é absorvida e, reflectida, vem estimular a nossa retina.

Maravilhoso? Pequenos mistérios que sempre me fascinaram e que, a pouco e pouco, vou tentando perceber.

14 Comentários:

Às 21 novembro, 2006 10:48 , Blogger Paula Raposo disse...

Uma canção que eu adoro!! Uma explicação para aumentar os meus conhecimentos...e mais um agradecimento pelas gentis palavras que me deixas nas romãs. Beijos.

 
Às 21 novembro, 2006 11:18 , Blogger MARTA disse...

Obrigada pela explicação - eu adoro rosas e cor-de-rosa.
Embora esteja a deixar que o azul me "descubra"....
Beijos e abraços
Marta

 
Às 21 novembro, 2006 15:58 , Blogger Ant disse...

Hoje deram uma aberta aqui na loja e um tempito para dizer que estes mistérios continuam a merecer ser desvendados.
Abraço Peter e vai continuando que eu estou de quarentena ;))

 
Às 21 novembro, 2006 16:42 , Blogger rosa disse...

concordo totalmente e reafirmo a importancia da "rosa".
;)

 
Às 21 novembro, 2006 20:25 , Blogger Betty Branco Martins disse...

Gilbert Bécaud, J'ADORE !

Bom! Deixo a parte dos protões - electrões, e dos seres electromagnéticos que têm a “mania”:) de comunicarem através de ondas para o mundo exterior, as tais - electromagnéticas, deixo essa parte para si Peter.

Falando muito a sério tenho aprendido imenso consigo.

“L'important, c'est la rose” - maintenant pour moi:))

E assim aparece a rosa:

O nome vem do latim rosa e do grego rhodon. As rosas estão entre as flores mais antigas a serem cultivadas. A primeira parece ter crescido nos jardins asiáticos há 5000 anos. Na sua forma selvagem a flor é ainda mais antiga; fósseis dessas rosas datam de há 35 milhões de anos. Muitas variedades de rosas foram perdidas durante a queda do império romano e a invasão muçulmana da Europa.

Após a conquista da Pérsia no século sete, os muçulmanos desenvolveram o gosto pelas rosas, e à medida que seu império se estendia da Índia à Espanha muitas variedades de rosas foram novamente introduzidas na Europa.

Durante a Idade Média, as rosas eram muito cultivadas nos mosteiros. Era regra que pelo menos um monge fosse especialista em botânica e estivesse familiarizado com as virtudes medicinais da rosa e de flores em geral

Shakespeare, em Romeu e Julieta, com uma única frase definiu bem aquilo que sentimos por esta flor:

"Aquilo que chamamos rosa, com outro nome seria igualmente doce".

“Os Deuses Gregos”
Afrodite deu uma rosa ao seu filho Eros, o Deus do amor. A rosa tornou-se um símbolo de amor e desejo. Eros deu a rosa a Harpócrates, o Deus do silêncio, para o induzir a não falar sobre as indiscrições amorosas de sua mãe. Assim, a rosa se tornou também um símbolo do silêncio e do segredo. Na Idade Média uma rosa era suspensa do teto da câmara municipal comprometendo todos os presentes ao silêncio.
Peter isto já não são comentários!!!
Está imenso:))

Não só adoro Gilbert Bécaud,
Como adoro os seus posts!
Depois é assim ocupo este espação todo!

Beijinhos

 
Às 21 novembro, 2006 21:06 , Blogger Luna disse...

Há sempre algo no universo que nos surpreende
beijos

 
Às 22 novembro, 2006 00:23 , Blogger Peter disse...

ANT, tem dó de mim ...

 
Às 22 novembro, 2006 00:26 , Blogger Peter disse...

"luna", é bom voltar a ver-te de novo por aqui.

 
Às 22 novembro, 2006 00:31 , Blogger Peter disse...

Betty, fiz c&p do teu texto sobre "a rosa". Vai para o meu arquivo, pois ignorava totalmente.

Não te importes sobre o tamanho dos comentários, se fores ler os que eu e o Henrique temos deixado no blog do Augusto (klepsidra) isso sim, é que são comentários extensos.

 
Às 22 novembro, 2006 01:05 , Blogger Belzebu disse...

Que mais posso eu dizer? Apenas que o Gilbert Bécaud, ao cantar esta excelente musica, se soubesse tudo isto, iria engasgar-se, gaguejar e lá se ía a concentração!

eheheh!! Saudações infernais!

 
Às 22 novembro, 2006 01:12 , Blogger Peter disse...

"belzebu", hoje tive um dia verdadeiramente infernal.

 
Às 22 novembro, 2006 01:15 , Blogger Peter disse...

Marta, uma frase enigmática:

"Embora esteja a deixar que o azul me "descubra"...."

 
Às 23 novembro, 2006 09:29 , Blogger António disse...

Olá, Peter!
Pois é!
Isso aprendi eu nos meus tempos de estudante tendo mesmo de resolver problemas, portanto questões quantificadas.
Mas já foi há tanto tempo...
E não estou muito interessado em voltar a estudar esses assuntos.
Agora estou mais voltado para as artes.
Mas que grande artista!
ah ah ah

E sabes a que rosa se refere o autor da letra: Louis Amade?
Não é à rosa flôr nem à rosa de Horoshima.
É à rosa símbolo do Partido Socialista Francês (donde poderá nascer a 1ª mulher presidente da República - a Srª Ségolène Royal).
Eu sei que já sabias, mas há sempre quem possa gostar destas pastilhas de cultura.
Não te disse que sou um artista?

Um abraço

 
Às 23 novembro, 2006 14:11 , Blogger Peter disse...

António, obrigado pelo esclarecimento, mas obrigado de verdade, pois não sabia. Eu aqui, como em todo o lado, estou sempre a aprender e quando falo de um assunto, como agora o fiz, é por esse assunto ser para mim novidade e querer partilhá-la.

Abraço

P.S.- Não, não me disseste que és um artista. Talvez seja a altura de nos mostrares as tuas obras.

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial