terça-feira, fevereiro 14

Amor adiado

O gostar de olhar o mundo através dos teus olhos tornando-o azul, de um azul intenso matizado aqui e ali por tonalidades várias ao sabor de espectros de cores apenas conhecidos por ambos.

O levar-te o imenso oceano salpicado de espumas brancas que se desfazem de encontro a rochas e areia molhadas. Impressos são todos os passos.

A praia deserta em noite enluarada, o sussurrar de águas tranquilas que beijam pés descalços, a fogueira tímida, o passeio que inventamos como se cada curva de areia não fosse apenas sobressalto mas continuidade.

Podemos adivinhar em cada elevação corpos, figuras que se entregam na espiral da noite que não se quer dia já que na primeira reside a magia das erupções afectuosas.

Sem dor, apenas ao som de uma viola tocada de mansinho e uma lua envergonhada que se encontra com o eterno amante no refúgio da neblina.

O jantar – etéreo – composto de naturezas, a conversa amena, o beijo trocado, os corpos de encontro ao frio da areia, agora leito e amores.

Ao longe o velho farol girando sem parar, agonizando em tempestades que mais não são que gritos de solidão. Também ele solidão.

A roupa que se despe, as estrelas quais pequenos pingentes de gelo, caindo de encontro a todas as areias e espumas sem fim.

Sempre, sempre, o amor ainda que ilícito. Talvez o único verdadeiro amor. Adiado.

9 Comentários:

Às 14 fevereiro, 2006 18:45 , Blogger HatA/mãe disse...

Ora cá está um texto lindo, que apetece disfrutar...palavra a palavra, sentir o azul intenso, que se desprende de cada uma...
Já que para os meus lados está muito escuro.
Letrasaoacaso, tens o brilho das estrelas e escreves como os anjos...
Um grande abraço

 
Às 14 fevereiro, 2006 18:54 , Anonymous Anónimo disse...

'lembro-me que na noite passada senti necessidade de te ler. Sei que todas as tuas palavras vêm de um mar imenso misterioso que és tu. estás ferido. Ainda a Amas tanto, cheira-se ao longe, sente-se pelas palavras em silêncio que depositas ali'


:) lembrei me

beijinhos e um bom dia
ou melhor, boa noite.

Lúcia:)

 
Às 14 fevereiro, 2006 18:57 , Blogger Isabella disse...

Sempre, sempre, o amor [... ]e dito assim [...]?! desta forma tão Bela!

beijinhos

 
Às 14 fevereiro, 2006 20:24 , Blogger Lady disse...

Descrição plena de amor.
Tu és um mestre no uso das palavras.
Beijinhos

 
Às 14 fevereiro, 2006 20:57 , Blogger Rita disse...

imagina o amor como um puzzle em forma de coração, cada uma das suas peças são momemntos inesquecíveis...

 
Às 14 fevereiro, 2006 21:04 , Blogger maria disse...

olá,
acabei de vos conhecer através do comentário ao meu post. Acho que vou gostar do(s) vosso(s) blog(s) embora, para já, seja tudo um pouco confuso (o que, convenhamos, acrescenta algum interesse ao assunto, enquanto mistério por desvendar...). quem é o Peter?
quem é o Zézinho? ou...
isso interessa???
Beijinhos.

 
Às 14 fevereiro, 2006 22:26 , Anonymous Maria Taveira disse...

Consegui visualizar e sentir essa praia de todas as paixões.
Uma belissima homenagem ao "Dia de S. Valentim". Divinal.

 
Às 15 fevereiro, 2006 04:30 , Blogger Tovarich Gina disse...

Este comentário foi removido por um gestor do blogue.

 
Às 15 fevereiro, 2006 14:34 , Blogger Betty Branco Martins disse...



As tuas palavras...
no murmurio do vento
como
o mágico violino
que solta o seu "gemido"
na noite enluarada
e
...

Beijinhos

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial