domingo, janeiro 29

Solenidades.

“São rosas senhor, são rosas” ia murmurando o nosso primeiro-ministro na enorme procissão da Senhora dos Aflitos, enquanto o povo que assistia gritava a plenos pulmões: “agora temos uma barbie masculina na presidência da república. Milagre, milagre”.

Debaixo do palio protegido pelos acólitos vestidos a rigor seguia Sócrates de cueca longa e florida. Enormes rosas vermelhas no fundo branco da roupa exígua que tapava as “parte” do primeiro-ministro contrastavam com a solenidade do dourado e do violeta que davam alguma dignidade ao cortejo.

A segurar um dos enormes paus, Cavaco fingia que sorria mercê da cola aplicado no rosto sem expressão e uma enorme vela empurrava-o dando a sensação de que ainda estava vivo.
Soares, após o tremendo desaire tornou-se um deslocado e vive agora entre uma pequena comunidade de índios amazónicos que se entretêm nas horas vagas a comer carne humana.

Alegre pondera o abandono do seu eterno partido. Um atestado médico obviamente forjado atesta que o “senhor deputado necessita desesperadamente de repouso”, o que não obsta a que este vá promovendo encontros entre os seus apoiantes, que nalguns casos sonham com o poder e com a criação de um novo partido.

Louçã anda alegremente entre os “Okupas” a copiar-lhes a arte de representar para dar cor e alegria a manifestações de rua. Prometido para as próximas eleições está a estreia de uma ópera-rock que ao que tudo indicia se chamará “Belém nunca mais”.

O que fez Jerónimo? Inteligentemente largou a função de secretário-geral do partido e voltou para a velha fábrica onde é agora delegado sindical.

A procissão segue pela rua íngreme e estreita da velha povoação de pescadores, cuja comissão de honra pensa “tratar-se de uma mais-valia para a terra, podendo mesmo potenciar o turismo e o desenvolvimento”, adiantou-nos uma fonte próxima dos mordomos, que sublinhou a “importância de algumas das figuras que percorrem as artérias, nomeadamente o novo presidente-barbie.”

Tentámos a todo o custo obter palavras destas figuras, mas recusaram-se alegando todos tratar-se “de uma procissão de índole religioso-profana, onde é bem possível alguns de nós sermos canonizados”.

Sem argumentos para estas afirmações juntámo-nos às solenidades cantando “Um dia quero ser santo” e “viva o milagre das rosas”. No final da procissão assistiu-se ao lançamento de um livro “Como operar o milagre das Rosas num cavaco”, da autoria de Sócrates.

4 Comentários:

Às 29 janeiro, 2006 19:17 , Blogger Peter disse...

"O que fez Jerónimo? Inteligentemente largou a função de secretário-geral do partido e voltou para a velha fábrica onde é agora delegado sindical."

Este parece ter sido o que fez a escolha mais inteligente ...

 
Às 29 janeiro, 2006 21:06 , Blogger Betty Branco Martins disse...



Acho que é uma ideia bestial. Uma ópera-rock “Belém nunca mais”.

Penso - que se bem conheço o meu amigo Filipe La Féria, já estará a pensar no assunto :)

Beijo...

 
Às 29 janeiro, 2006 22:00 , Blogger BlueShell disse...

Ah...afinal voltou?

 
Às 30 janeiro, 2006 02:30 , Blogger amita disse...

Com tantas Solenidades tenho que manter a compostura... e rio baixinho... Um bjo e (ia escrever uma flor, mas creio não ser oportuno... fico pelo bjo) lol

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial