quarta-feira, janeiro 18

Sexo, mentiras e Net

"Words, words, and more words" (citando Shakspeare) e assim correm os blogs. Textos deliciosos, belos, que fazem sonhar. Textos em prosa, ou em verso, principalmente estes últimos, que são uma oportunidade para muitos darem à estampa a sua produção poética.
Palavras que levam a conhecimentos, que cimentam amizades, que originam contactos físicos. Palavras enganadoras, que não raro fingem sentimentos em que se acredita, porque são a fuga ao real.

Com o fim do velho ano e o começo do novo, entrámos no mês de Janeiro que vem de Janus, mítico deus Romano das portas e entradas. Janus tinha duas faces que olhavam em direcções opostas, do mesmo modo que Janeiro olha para o velho ano que jaz atrás, e para o novo que se perfila adiante. Por isso, por analogia, certas pessoas são acusadas de ter duas caras, como Janus.

Muitas vezes a sua atitude, ou melhor, a sua dupla atitude, resulta duma sensação de insegurança, de falta de confiança em si próprios, que os leva ao isolamento, depois duma tentativa fracassada de partilhar o novo real, que não têm coragem de enfrentar.

22 Comentários:

Às 18 janeiro, 2006 00:38 , Blogger yatashi disse...

ai Peter, isso faz-me lembrar alguém muito próximo.
Encanta com as palavras, encanta com a voz, quando se vai a conhecer pessoalmente, que desilusão...
Começa por ser muito cavalheiro, tece elogios, vê o quanto frágil está a pessoa; quando a tem na mão, desaparece.
E depois, vemos que anda a "em cima" de outra miúda ( ou de outras miúdas)

Fizeste lembrar essa personagem; E como esta, muitas andam por ai pela net... A net é uma máscara que todo o mundo usa e abusa.
Enfim...

Sublinho:
"Muitas vezes a sua atitude, ou melhor, a sua dupla atitude, resulta duma sensação de insegurança, de falta de confiança em si próprios, que os leva ao isolamento, depois duma tentativa fracassada de partilhar o novo real, que não têm coragem de enfrentar."

Boa noite
Beso,
Lúcia

 
Às 18 janeiro, 2006 00:54 , Anonymous Anónimo disse...

ah, desculpa o desabafo:)
lúcia

 
Às 18 janeiro, 2006 01:01 , Blogger lazuli disse...

concordo contigo, Peter. As inseguranças acabam por ser as mesmas e os seus efeitos, e a net nesse aspecto tanto dá força como a tira. Pelo pouco tempo que tenho de "vida" aqui, digo eu..

Beijos

**

 
Às 18 janeiro, 2006 01:17 , Blogger Betty Branco Martins disse...

Peter

Concordo plenamente com que disse a Lúcia.

Mas as pessoas não se podem esquecer; que tudo está na base do virtual e quem lê textos "belissimamente" escritos, não pode tomar para si como mensagens de amor /torrentes de paixão, etc, etc e tal. Cada pessoa tem uma linha de escrita e o que acontece na maior parte das vezes - é para si própria que escreve. É claro que estou a falar de pessoas que realmente escrevem - que têm a paixão da escrita

Beijinhos

 
Às 18 janeiro, 2006 01:50 , Anonymous Anónimo disse...

As tuas palavras só revelam a sapiência que há em ti. És realmente um ser "iluminado" num sentido lato da palavra.

Margarida

 
Às 18 janeiro, 2006 01:53 , Anonymous Anónimo disse...

Betty, se bem entendo o que a Lúcia quis dizer não foi a má interpretação de um texto. Pelo que entendi ela refere-se à ilusão que o próprio escritor/a criam, ilusão essa criada repetidas vezes com todos/as os seus leitores/as

Margarida

 
Às 18 janeiro, 2006 02:17 , Anonymous Anónimo disse...

Margarida, essa personagem teima em dedicar seus escritos à sua "amada do momento"
é um verdadeiro pintor de palavras mágicas, magnifico, mas como pessoa, nada vale.
Gosta de criar ilusões às pessoas e depois desaparece..é tão simples como isto.

Boa noite
Lúcia


P.S. E depois, quando a pessoa descobre a tampa que levou e vai pedir esclarecimentos, a personadem limita-se a dizer que está louca e que o anda a perseguir.
Enfim...

 
Às 18 janeiro, 2006 02:18 , Anonymous Anónimo disse...

perdão, personagem.

Saliento ainda, que apesar de tudo é um excelente escritor.

Lúcia

 
Às 18 janeiro, 2006 11:44 , Anonymous js disse...

será por isso que as persidenciais vão ser agora em janeiro?
FORÇ'AÍ!
js de http://politicatsf.blogs.sapo.pt e http://mprcoiso.blogs.sapo.pt

 
Às 18 janeiro, 2006 11:52 , Anonymous zezinho disse...

Parece-me ao contrário. As/os Leitoras/es é que parecem criar espécie de empatias baseadas no que vão lendo.
De qq forma, deixemo-nos de hipocrisias: quem aqui aparece a defender duvidosos valores morais, parece que são inocentes virgens que nada sabem da vida.
Ponto 1. Toda a arte é sedução.
Ponto 2. Quem cria não está a pensar especificamente em ninguém, mas apenas no acto de escrever.
Se surge uma paixão ainda que virtual, onde está o mal?
Resumo: detesto hipocrisias sem sentido. Ninguém é o papão e as meninas umas virgens honestissimas e desconhecedoras de sexo e afins.
A fuga ao real é uma metáfora. talvez fosse melhor cada um/a questionar-se a si mesmo antes de fazer acusações gratuitas..

 
Às 18 janeiro, 2006 12:26 , Blogger Isabella disse...

Tens toda a razão, Peter! deixo-te um pequeno excerto de Anthony de Mello em que fala das "palavras".
Beijinho para ti,

Paula
................

Raramente o Mestre era tão eloquente como quando advertia contra o fascínio das palavras:

“Cuidado com as palavras. Quando menos se espera, elas adquirem vida própria. Deslumbram, hipnotizam, aterrorizam – induzem em erro sobre a realidade que representam – fazem com que você acredite que são reais.

O mundo que vemos não é o Reino visto pelas crianças, mas um mundo fragmentado, quebrado em mil pedaços, pela palavra... é como se cada onda do mar fosse vista separada do corpo do oceano.

Quando as palavras e os pensamentos são silenciados, o Universo floresce – real, perfeito e único – e as palavras tornam-se aquilo que sempre foram destinadas a ser:
a partitura, não a música; o cardápio, não a comida; a placa indicadora, não o destino da viagem”.

Anthony de Mello
In verdades de um minuto

 
Às 18 janeiro, 2006 12:55 , Blogger yatashi disse...

zezinho, zezinho...

Hoje em dia são mais crianças que se expoem na net, dando o corpo ao desconhecido...

Mas não era isto que queria dizer

Tu disseste mesmo isto?Será que eu li bem?
"talvez fosse melhor cada um/a questionar-se a si mesmo antes de fazer acusações gratuitas.."

Tu conheces muito bem a personagem que falo. Muitas das vezes apanha as pessoas fragéis. Não são virgenzinhas inocentes, maior parte das vezes são senhoras com uma certa experiencia de vida.

é um covarde, sabe-lo bem. Gosta de brincar ao toca e foge, alegando que fora apenas uma paixão e que não existe mal nenhum nisso.

Pois não, Zé, não existe mal nenhum. Até é muito bonito as pessoas criarem laços desses. Mas a hipocrisia está em dizer que as ama, prometendo inumeras coisas e depois desaparecer sem dar satisfação nenhu ma.
Ou melhor, a hipocrisia está no dizeres que não existe nenhum mal existir essa paixão e de repente magoares as pessoas. Dares um golpe final dizendo "acontece"

Hipocrisia é esta pessoa continuar a fazer o que faz.
E pena mesmo é existir mais pessoas como esta.

A falsidade pela net é muito fácil de se fazer.


Mas como fica a consciência dessas pessoas? Será que têm ou tiveram alguma vez consciência?
Dúvido.. São seres frios sem coração.

Tenho pena deles.

Abraço.
Lúcia

 
Às 18 janeiro, 2006 13:07 , Blogger yatashi disse...

Mas, Zé, quem sou eu para dizer isto tudo?

Não passo de uma miuda, ou uma "inocentes virgens que nada sabem da vida." ahaha

deixo-me ficar por aqui, senão daqui pouco estou a ser bombardeada de mails e telefonemas..

Bom post.

Abraço
Lúcia

 
Às 18 janeiro, 2006 14:20 , Anonymous zezinho disse...

Parecem-me haver por aqui problemas em assumir a sexualidade.
"Toda a gente é frágil" parece ser um bom título para o teu comentário Lúcia. Pq não assumem as pessoas as suas próprias culpas?
Na net criam-se afectos. Como noutro lugar qq. Onde está o mal disso? A vida não é uma sucessão de experiências que nos enriquecem?
Detesto oo/as profetas de falsos moralismos.
Numa relação - falhada ou não, existem duas pessoas. Queres dizer que uma é mais culpada do que a outra?
Poupa-me

 
Às 18 janeiro, 2006 14:34 , Anonymous Anónimo disse...

Lúcia,

um dia disse a uma amiga a propósito tb de uma relação virtual: desconfia de qualquer homem que te diga "amo-te" com a ligeireza de um "olá".

Margarida

 
Às 18 janeiro, 2006 14:35 , Blogger yatashi disse...

Uma grande gargalhada, foi tudo o que conseguiste fazer neste momento..

Deixa de ser ridiculo. Não me faço de coitadinha nem tento ser alguém que nunca fui.
Lembraste quando começaste a falar comigo?
Acho melhor não entrar por aqui


Já te disse que não existe mal nenhum criar certos afectos aqui ou na vida real. Pela amor de Deus!
Somos seres humanos.

Mas há certos humanos que são doentios, patéticos, ridiculos!...

Numa relação existem duas pessoas, é certo... mas que dá o direito se o/a parceiro/a espezinhar a outra?

Zé... Sou miúda mas não idiota.
Não tentes atirar areia para os olhos de quem muito já viu( e por acaso, sentiu)dessa mesma personagem.

Volto a sublinhar :
"Muitas vezes a sua atitude, ou melhor, a sua dupla atitude, resulta duma sensação de insegurança, de falta de confiança em si próprios, que os leva ao isolamento, depois duma tentativa fracassada de partilhar o novo real, que não têm coragem de enfrentar."

Que essa pessoa arranje um psicologo, porque é uma pena ser um óptimo escritor, culto e respeitado (por muitos, é certo) ter este problema de mau-caracter

Abraço Zé.
Que fique bem esclarecido que não sou hipocrita, nem tento armar-me em moralista, que nem tento fingir que sou uma jovem virgem e inocente.

Tu já me conheces o suficiente para o saber.

Espero que não voltes no erro de repetir que venho com falsas acusações.

Lúcia.

P.S. que fique por aqui a conversa, porque se eu quisesse que toda a gente soubesse o que se passa teria publicado num jornal ou afins..

 
Às 18 janeiro, 2006 14:36 , Blogger [In]completa disse...

Muito interessante acho que conheco várias pessoas com "sindroma de Janus" :P

Beijokas*

 
Às 18 janeiro, 2006 14:42 , Blogger yatashi disse...

Margarida:)

não direi nem mais uma palavra.

Não quero abusar da boa hospitalidade deste blog.

Esta conversa será terminada noutro local e frente a frente.

Tenham um bom dia.

 
Às 18 janeiro, 2006 14:48 , Anonymous Anónimo disse...

"Porque o tempo é breve, porque a nossa condição de seres finitos nos impõe que cada dia não seja um espaço desperdiçado, porque ao homem cabe a realização de si mesmo e porque apesar da nossa finitude podemos perdurar na memória colectiva através do legado que somos ou não capazes de construir, impõem-se a paz, a concórdia, o desejo de sermos melhores, a interacção com o que e quem nos rodeia." (Editorial, VOZ DAS BEIRAS)

Zezinho:
estas são palavras sábias e inspiradoras. Mas não se coadunam com os comentários por vós escritos que aqui li...

Margarida

Nota: O homem é uma desilusão face ao escritor/jornalista...

 
Às 18 janeiro, 2006 14:56 , Anonymous Anónimo disse...

Lúcia,

é o mais sensato.
Este não é o local...

Margarida

 
Às 18 janeiro, 2006 15:17 , Anonymous Anónimo disse...

«Parece-me ao contrário. As/os Leitoras/es é que parecem criar espécie de empatias baseadas no que vão lendo.»

Se bem entendo o que a Lúcia quis dizer foi que as empatias e a hipocrisia eram baseadas não só em textos, mas em encantamentos por voz e por escritos fora dos textos de blog.
E isso é enganar alguém dizendo «amo-te» com a facilidade com que se diz «olá».
Aí estão as duas caras, qual delas a mais enganadora.

Poupa-me

 
Às 19 janeiro, 2006 09:45 , Blogger bluegift disse...

Caríssimos,

Agradeço que os assuntos do domínio privado sejam tratados EM PRIVADO.

Por uma questão de respeito não só pelos outros leitores como pelos autores do blogue que, lembro, são 3.

Gosto muito de todos vós, mas se futuramente observar situações destas serei obrigada a apagar os vossos comentários. Estou certa de ter a aprovação dos meus colegas.

Acrescento apenas algo ao comentário da Margarida que espero servir de lição aos mais ignorantes ou incautos:

Desconfia de qualquer homem ou mulher que te diga "amo-te" com a ligeireza de um "olá".

É tudo.

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial