segunda-feira, janeiro 23

In – volúpias

In – volúpias
[Usamos figuras para ilustrar imagens, quando afinal a mesma é pintada a pinceladas de letras em tons de azul]
Chegam-nos ecos de intolerâncias e todavia continuamos a acreditar que somos nós os detentores da verdade. Que tremendo erro. Basta que o assumamos e tudo fica bem melhor num instante. É a fugacidade a suplantar a inércia colectiva em que estamos mergulhados.
Caras afogueadas de políticos emproados, todos diferentes e todos iguais. A vermelhidão de rostos convulsos e indignos e pescoços apertados em aberrantes gravatas que com um ligeiro apertar os livraria de si mesmos.
[As métricas indisciplinadas da prosa, a tecer a imagem de um quotidiano também ele anárquico}
Quando se submetem à sua verdadeira condição de funcionários bem remunerados por todos nós? – Melhor: à revelia de nós, que os não podemos impedir de se auto-aumentarem. – Insanamente vamos ficando em silêncio omisso e cúmplice, deixando-os passearem-se nos nossos automóveis de luxo, fartos almoços, viagens de “trabalho” a tudo quanto é lugar.Somos culpados pela omissão.
Somos TODOS culpados.
[As imagens fictícias são transmitidas não por quem ama a escrita, mas por quem dela se serve. Esses são os que não sabem escrever. Rascunham folhas, colocam-lhes carimbos, timbres, selos brancos e arrumam-nos em enormes pilhas a que pomposamente chamam arquivos.]
Impedem as humanidades de serem felizes para usufruírem de coisas materiais. Desejo que haja um Deus castigador. Bem o merecem.
«Sim, eu sei que estou de novo a divagar. Puxa-me então pelos pés e traz-me de volta ao inferno que só não o é, porque tu existes.»
Leio o que me escreves, leio os teus lábios sensuais e bem desenhados, mergulhando língua na boca e salivares que escorrem e misturam a tal ponto que não sabemos qual é a boca de quem. Fundimo-nos.
[Estou contigo a ouvir o vinil]
Sei-te aí. Sentes-me e sinto-te.
Voamos por sob a copa das árvores olhando os raios de Sol que conseguem atravessar a densa floresta de mão na mão, cabelos esvoaçando por força da deslocação do ar. De inertes passámos a vivos.
[Prosa atípica, arrítmica, sem métricas condicionantes mas poética. Porque a poesia é passar além do vidro fosco.]
Volta-se-me a vontade, sei-te e sinto-te.
[Contigo a ouvir o vinil]

12 Comentários:

Às 23 janeiro, 2006 17:42 , Blogger contradicoes disse...

Gostei particularmente deste post, caro amigo Zé. Com um abraço do Raul

 
Às 23 janeiro, 2006 19:02 , Blogger Peter disse...

Zé, ao prazer da escrita, respondo-te com o prazer da leitura.
Gostamos de dissecar os teus textos que, como dizes: "cada um interpreta como quer".

 
Às 23 janeiro, 2006 19:17 , Anonymous pequenita disse...

Obrigada pela visita ao meu cantinho e ainda bem que gostou será sempre muito bem vindo.....
pequenita

 
Às 23 janeiro, 2006 20:11 , Blogger Dinada disse...

Eu gostava de saber alinhar letras em palavras com sentido e alma. Gostava que o talento me tivesse bafejado. Infelizmente, no dia em que nasci, o talento prestou atenção a outros, concerteza merecedores...e eequeceu-se de mim.

 
Às 23 janeiro, 2006 20:24 , Blogger Betty Branco Martins disse...



O teu perfeito
sul
voa rodando
os gestos

[na tua cintura
as pedras ardem]

as constelações
no olhar estreito
como um rumor
de luz

o teu coração
movendo-se
na boca inaudível
dos dedos
mas...
como se faz ouvir

[ainda...]

Beijo...

 
Às 23 janeiro, 2006 21:39 , Anonymous Maria Papoila disse...

Como gostei desta deambulação deste texto. Ler o que escreves é um prazer. Beijo

 
Às 23 janeiro, 2006 22:31 , Blogger Tribunal_Beatas disse...

Tens toda a razão: "..nossos automóveis de luxo...". Porque afinal são pagos com o nosso dinheiro e só servem para fazer vista. De nada nos servem.
Enfim... no meio de tanta dura realidade, uma pequena viagem pela imaginação. E que sensação agradável deve ser a de voar sobre as copas das árvores ;)
Beijinhos

 
Às 23 janeiro, 2006 22:38 , Blogger margusta disse...

Hoje passo só para deixar-te um beijinho de agradecimento e desejar-te uma boa semana.
Voltarei para te ler

 
Às 23 janeiro, 2006 22:43 , Blogger Heloisa B.P disse...

LINDO E CERTEIRO, como SEMPRE!
Deixo meu Abraco e, meu Agradecimento, por Sua AMAVEL VISITA a meu blog!

Sua Amiga,
Heloisa.
**********

 
Às 23 janeiro, 2006 23:15 , Blogger Natalie Afonseca disse...

Oláaaaaa!!
Já tinha saudades de ir ao teu cantinho, mas já tinha reparado que "fechou o circulo"!!
Gostei do que vi por aqui!! Voltarei com certeza!!!
Zezinho,
beijinho!! :)
***

 
Às 24 janeiro, 2006 05:01 , Anonymous lazuli disse...

Já sabes como fico "sem jeito" com essa maravilhosa escrita..

"Só de ouro falso os meus olhos se douram;
Sou esfinge sem mistério no poente.
A tristeza das coisas que não foram
Na minha'alma desceu veladamente.


Na minha dor quebram-se espadas de ânsia,
Gomos de luz em treva se misturam.
As sombras que eu dimano não perduram,
Como Ontem, para mim, Hoje é distância.


Já não estremeço em face do segredo;
Nada me aloira já, nada me aterra:
A vida corre sobre mim em guerra,
E nem sequer um arrepio de medo!


Sou estrela ébria que perdeu os céus,
Sereia louca que deixou o mar;
Sou templo prestes a ruir sem deus,
Estátua falsa ainda erguida ao ar...

beijos

 
Às 24 janeiro, 2006 09:01 , Blogger alerta disse...

Olá!
... e ilustramos o que escrevemos...sei lá, possivelmente para não nos mostrarmos...
porque ilustrar uma foto... às vezes, tem que se lhe diga... Gostei muito do texto, é um intercalado próprio de que ama a escrita e sabe como o mostrar.
Continuo lendo com o mesmo entusiasmo e aqui vai o ramo de flores da joaninha…

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial