quarta-feira, dezembro 8

Agora é que conta

“Chama-se "Agora é que conta", passa na TVI" e é apresentado por Fátima Lopes. O programa começa com dezenas de pessoas a agitar uns papéis. Os papéis são contas por pagar. Reparações em casa, prestações do carro, contas da electricidade ou de telefone. A maioria dos concorrentes parece ter muito pouca folga financeira. E a simpática Fátima, sempre pronta a ajudar em troca de umas figuras mais ou menos patéticas para o País poder acompanhar, presta-se a pagar duzentos ou trezentos euros de dívida. "Nos tempos que correm", como diz a apresentadora - e "os tempos que correm" quer sempre dizer crise - a coisa sabe bem. No entretenimento televisivo, o grotesco é quase sempre transvestido com boas intenções.
Os concorrentes prestam-se a dar comida à boca a familiares enquanto a cadeira onde estão sentados agita, rebolam no chão dentro de espumas enormes ou tentam apanhar bolas de ping-pong no ar. Apesar da indigência absoluta do programa, nada disto é novo. O que é realmente novo são as contas por pagar transformadas num concurso "divertido".
Ao ver aquela triste imagem e a forma como as televisões conseguem transformar a tristeza em entretenimento, não consigo deixar de sentir que esta é a "beleza" do Capitalismo: tudo se vende, até as pequenas desgraças quotidianas de quem não consegue comprar o que se vende.
Houve um tempo em que gente corajosa se juntava para lutar por uma vida melhor e combater quem os queria na miséria. E ainda há muitos que não desistiram. Mas a televisão conseguiu de uma forma extraordinariamente eficaz o que os séculos de repressão nem sonharam: pôr a maioria a entreter-se com a sua própria desgraça. E o canal ainda ganha uns cobres com isso. Diz-se que esta caixa mudou o Mundo. Sim: consegue pôr tudo a render. Até as consequências da maior crise em muitas décadas.
Entretanto a apresentadora recebe 40.000¤ por mês. Foi este o valor da transferência da SIC para a TVI. Uma proposta irrecusável segundo palavras da própria.
A pobre da Fátima Lopes só ganha 1290 euros por dia. Brincando com miséria dos outros, pobre povo português, sem alternativas, mas miseravelmente felizes.”

(autor desconhecido, circula por aí)

5 Comentários:

Às 08 dezembro, 2010 15:23 , Blogger myself disse...

Este comentário foi removido pelo autor.

 
Às 08 dezembro, 2010 15:25 , Blogger myself disse...

Peter,
Bom regresso!

Também recebi e dei uma olhadela...
absolutamente miserável o espectáculo. A televisão no seu pior se ainda é possível.
E o que mais me choca não é a exploração mas o facto de termos pessoas que se prestam a "isto"
Quanto à Fátima Lopes... ela bem queria ser a Ophra!
Depois faz programas como este, anúncios publicitários que... enfim, só dá uma no cravo e outra na ferradura.

Oportunistas

Um abraço da Meg (myself)

 
Às 12 dezembro, 2010 18:56 , Blogger heretico disse...

abraços, meu caro!

o capitalismo no seu melhor...

 
Às 20 dezembro, 2010 02:04 , Blogger الرجل ذبح بعضهم البعض ولكن الخيول باهظة الثمن disse...

e a oprah oferece carros

cada um com seu salário

faz a propaganda que quer

a publicidade compensa
e a publicidade paga

 
Às 11 janeiro, 2011 17:17 , Blogger APC disse...

como já escrevi um dia, basta ter umas boas mamas, Peter..e tem-se um programa de televisão. Que interessa que seja uma besta hipócrita?!

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial