domingo, agosto 5

Domani


"Morre lentamente quem não viaja, quem não lê, quem não ouve música, quem destrói o seu amor-próprio, quem não se deixa ajudar.
Morre lentamente quem se transforma escravo do hábito, repetindo todos os dias o mesmo trajecto, quem não muda as marcas no supermercado, não arrisca vestir uma cor nova, não conversa com quem não conhece.
Morre lentamente quem evita uma paixão, quem prefere o "preto no branco" e os "pontos nos is" a um turbilhão de emoções indomáveis, justamente as que resgatam o brilho nos olhos, sorrisos, corações aos tropeções, sentimentos.
Morre lentamente quem não vira a mesa quando está infeliz no trabalho, quem não arrisca o certo pelo incerto para ir atrás de um sonho, quem não se permite, uma vez na vida, fugir dos conselhos sensatos.
Morre lentamente quem passa os dias queixando-se da má sorte ou da chuva incessante, desistindo de um projecto antes de iniciá-lo, não tentando um assunto que desconhece e não respondendo quando lhe indagam o que sabe.
Evitemos a morte em doses suaves, recordando sempre que estar vivo exige um esforço muito maior do que o simples acto de respirar.
Estejamos vivos, então!"

(Pablo Neruda)

Estar vivo é gozar o momento presente. Hoje foi o dia melhor da minha vida, porque estou vivo, porque tenho saúde e porque não vivo mergulhado no passado. Passado é passado.
Fiz coisas tremendamente importantes: tomei banho num mar um bocado agitado, mas que eu gosto, porque gosto de cortar as ondas. Depois fui “trabalhar para o bronze”. Pouco tempo. Levantei-me, comi uma maçã à dentada e fui explorar as rochas distantes, fazer umas fotos. Talvez publique alguma no blog, se me apetecer. Isso sim, isso é que é verdadeiramente importante: «se me apetecer».
À tarde, enquanto esperava que a loja da comida feita abrisse, estive no meu carro, que adoro, ouvindo uma colectânea dos “Beatles”. Música pré-histórica? Será. Mas gosto especialmente do “yesterday” e da “Lucy in the Sky with Diamonds".

Foi bom, não foi?
“Je ne regrette rien”

E amanhã? Será bom se acordar. É a melhor coisa que me poderá acontecer e tudo o que vier será bom.
“Domani sean altro giorno”

(Foto Peter)

3 Comentários:

Às 05 agosto, 2007 10:01 , Anonymous Anónimo disse...

Ora aí está. Peter. É assim mesmo!
Não te esqueças disto em dias de amok...
SYOKA ( Visconde )

 
Às 05 agosto, 2007 11:40 , Blogger bluegift disse...

Peter, o que descreves não tem preço. Usufrui o mais possível.
(já agora, parece que essa passagem não é do Neruda embora seja conhecida como tal, mas é excelente na mesma)

 
Às 05 agosto, 2007 14:29 , Blogger Peter disse...

Olá Visconde e olá Ana! Repararam a que horas "postei"?

Isto é que é aproveitar bem o tempo!

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial