quinta-feira, julho 26

Dubrovnik

“Dubrovnik (Ragusa em italiano) é uma cidade costeira da Croácia localizada no extremo sul da Dalmácia, banhada pelo Mar Adriático. É uma das estâncias balneares mais importantes do país, bem como um porto e a capital do condado de Dubrovnik-Neretva. A maior parte dos seus habitantes é de origem croata e, pela sua beleza natural e pelo que representa para a história, Dubrovnik é conhecida como "a pérola do Adriático". A cidade é considerada património da humanidade pela UNESCO.

A fundação de Dubrovnik resultou da fusão de duas pequenas cidades: Laus, a comunidade de uma pequena ilha na costa meridional da Dalmácia, para onde se dirigiram os refugiados da cidade de Epidaurum (hoje Cavtat) e Dubrava, um povoado de imigrantes eslavos no sopé do monte Srđ. A partir da sua fundação no século VII, a cidade ficou sob a protecção do Império Bizantino. Após as Cruzadas, Ragusa/Dubrovnik passou para as mãos da República de Veneza (1205-1358) e pelo tratado de Zadar, de 1358, tornou-se território da coroa da Hungria. A cidade foi fortificada e dotada de portos.

Entre o século XIV e o ano de 1808, Dubrovnik manteve-se independente e chamava-se Respublica Ragusina, também conhecida como "República de Dubrovnik". A República atingiu o seu auge nos séculos XV e XVI, quando rivalizava em influência e em termos comerciais com a República de Veneza e outras repúblicas marítimas italianas.
A cidade era governada por uma aristocracia que formava dois conselhos. Estes mantinham um rígido sistema de classes sociais, mas aboliram o comércio de escravos no início do século XV e tinham a noção de liberdade em alta conta. Em baixo, à esquerda, a estátua de Orlando é o símbolo de uma cidade livre. Dubrovnik logrou manter a sua soberania, equilibrando-se entre os interesses de Veneza e os do Império Otomano.

A República entrou numa fase de declínio após uma crise da navegação no Mediterrâneo e um terramoto catastrófico em 1667. Em 1699, viu-se obrigada a vender parte do seu território aos otomanos, como forma de se proteger dos avanços de Veneza.
Em 1806, as forças de Napoleão conquistaram Dubrovnik. Em 1808, os franceses aboliram a República de Dubrovnik e integraram o seu território nas Províncias Ilírias da França, mas em 1815, por decisão do Congresso de Viena, Dubrovnik foi atribuída à Áustria (a partir de 1867, Áustria-Hungria) e permaneceu no Reino da Dalmácia até 1918, com o nome oficial de Ragusa.
Com o fim da I Guerra Mundial, passou a integrar o Reino dos Sérvios, Croatas e Eslovenos e a partir de 1929, Reino da Jugoslávia. Ao começar a II Guerra Mundial, Dubrovnik fazia parte do Estado Independente da Croácia. De Abril de 1941 até Setembro de 1943, a cidade foi ocupada pelo exército italiano e em seguida pelos alemães. Em Outubro de 1944, o movimento de resistência jugoslavo libertou-a da ocupação alemã e Dubrovnik passou a integrar a segunda Jugoslávia a partir de 1945.

Em seguida à independência da Croácia em 1991, o exército federal jugoslavo bombardeou a cidade antiga em 6 de Dezembro de 1991. O restante da cidade teve menos sorte no cerco, que durou de Outubro de 1991 a Maio de 1992.

Com o fim da guerra, teve início um grande projecto de reconstrução dirigido pelo governo croata e pela UNESCO, segundo técnicas e materiais tradicionais. Um dos maiores problemas enfrentados durante a reconstrução foi substituir as famosas telhas de terracota rosadas dos edifícios da cidade antiga, danificados pelo bombardeio. Procurou-se também reforçar as estruturas antigas contra terramotos.

Em 2005, o trabalho de restauração já estava basicamente concluído.”


É sempre bom conhecer algo dos sítios que se visita. A foto acima, que tirei assim como as outras e que vos apresento, faz-me lembrar Alfama.

(Fotos Peter)


3 Comentários:

Às 27 julho, 2007 11:55 , Blogger Papoila disse...

Peter:
E é sempre bom partilhar fotos, e impressoes desses mesmos sítios que se visita para que outros os conheçam também.
Belo post!
Beijo

 
Às 27 julho, 2007 12:19 , Blogger Belzebu disse...

Amigo Peter, obrigado por esta pequena viagem a um local que desejo muito vir a conhecer! Lembro-me bem das imagens arrepiantes, dos bombardeamentos a Dubrovnik em plena guerra da ex-Jugoslávia. Lembro-me de ter pensado que estavam a destruir algo que pertencia a todos nós e não só ao povo Croata e que era mais uma estúpida consequência da anormalidade humana! Felizmente, com o apoio da Unesco, a cidade está a recuperar a sua beleza original, tão bem documentada pelas fotos que nos ofereces!

Um abraço infernal!

 
Às 27 julho, 2007 17:50 , Blogger amita I disse...

Um bom artigo e fotografias.
Obrigado,meu amigo, pela partilha que nos permite "viajar" contigo.
Um bjinho a todos e umas boas férias.

Para a Blue, os meus parabéns pela excelente escolha de um dos de Pessoa.

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial