terça-feira, maio 29

O regresso dos bufos?

Segundo o Dicionário da Língua Portuguesa, 7ª edição, da Porto Editora, pag 297, "bufo" é uma ave de rapina nocturna, da família dos Bubonídeos também conhecida por "corujão", "mocho-real" ....
Mas também pode ser (pop) polícia secreto; delator; ...

Escreveram que de há 33 anos para cá os bufos diminuíram, levando ao seu quase desaparecimento. Não vejo nenhum facto significativo que tivesse levado ao desaparecimento dos "mochos-reais". É um facto que vivemos numa República e não numa Monarquia, daí poder não haver lugar para eles. Mas o que parece é que não desapareceram, para mal dos ratos do campo, cobras, etc, de que se alimentam.
Portanto, as notícias do seu desaparecimento devem referir-se aos indivíduos abrangidos pelo significado popular da palavra.

Ora vejamos:

- Não tenho tomado conhecimento de um aumento, ou diminuição significativos, dos "polícias secretos", mas também, se eles são "secretos", como é que eu poderia saber se desapareceram, ou não?
Acho que todos os países os têm, por isso porque é que nós haveríamos de ficar atrás deles?

- Na dúvida, deverão tratar-se de “delatores”, segundo o outro significado popular da palavra.
Parece que há 33 anos havia muitos honestos chefes de família que obtinham uns dinheirinhos extras, ou benesses profissionais, contando conversas que ouviam, lesivas do bom nome dos seus superiores, os quais deveriam ser sempre merecedores do maior respeito e consideração e não referidos em anedotas jocosas.
Teriam sido eles os desaparecidos, mas se calhar por morte natural, porquanto a apetência permanecera latente, sempre pronta a reaparecer em qualquer momento:

- Estás a fumar aqui? Cuidado.
- Aquela dactilógrafa há um quarto de hora que não faz nada …

4 Comentários:

Às 29 maio, 2007 07:55 , Blogger Maria Carvalho disse...

Não me parece que os bufos tenham desaparecido. Digo eu. Mas que sei eu??!

 
Às 29 maio, 2007 19:03 , Blogger Peter disse...

Há 33 anos costumava dizer-se:

"Eu não percebo nada de política, nem quero perceber".

Cuidado com os comentários, podem ser deturpados e mal interpretados, chegando até onde não deviam chegar.

 
Às 31 maio, 2007 15:04 , Blogger António disse...

Ironia puríssima!
(posso garantir-te que sempre houve, há e haverá bufos, no sentido mais pegajoso da palavra)

Abraço

 
Às 31 maio, 2007 19:29 , Blogger Peter disse...

António, em duas palavras: "Ironia puríssima", sintetizaste o que escrevi. É a diferença entre quem lê e quem finge que o faz.
Obrigado pelo inteligente comentário .

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial