quinta-feira, outubro 12

O amor

O amor, quando se revela,
Não se sabe revelar.
Sabe bem olhar p'ra ela,
Mas não lhe sabe falar.
Quem quer dizer o que sente
Não sabe o que há de dizer.
Fala: parece que mente
Cala: parece esquecer

Ah, mas se ela adivinhasse,
Se pudesse ouvir o olhar,
E se um olhar lhe bastasse
Pra saber que a estão a amar!
Mas quem sente muito, cala;
Quem quer dizer quanto sente
Fica sem alma nem fala,
Fica só, inteiramente!

Mas se isto puder contar-lhe
O que não lhe ouso contar,
Já não terei que falar-lhe
Porque lhe estou a falar..

FERNANDO PESSOA

10 Comentários:

Às 12 outubro, 2006 09:29 , Anonymous Wings disse...

Belissimo poema.
É com grande agrado que vejo, que a sensibilidade poética ainda mora por aqui, gostei mesmo da tua escolha.

Ah, já agora em resposta a tua visita ao meu blog aqui vai, a título de brincadeira.

Ah se eles adivinhassem
Se pudessem ouvir e calar
Como se um pouco de garra bastasse
Para a porcaria do jogo ganhar

Um Abraço

 
Às 12 outubro, 2006 09:53 , Blogger MARTA disse...

Bela escolha, Peter!
Linda a definição!
Tem um bom dia e passa por lá...
Beijos e abraços
Marta

 
Às 12 outubro, 2006 16:03 , Blogger Peter disse...

O poeta, o poema e a foto tipo postal de amor dos inícios do século passado, estão nítida e propositadamente, fora do contexto actual.

Ou julgavam que eu ia publicar "isto" sem uma segunda intenção?

 
Às 12 outubro, 2006 18:33 , Blogger Papoila disse...

Peter acontece que gostei particularmente do Poeta, do poema e do postal do início do século passado... mesmo que descontextualizados...
Beijo

 
Às 12 outubro, 2006 19:18 , Blogger Peter disse...

Papoila, já tinha estado no teu blog "a ver o mar".

Beijo

 
Às 12 outubro, 2006 21:33 , Blogger Ant disse...

Andamos muito românticos, andamos.
Foi um acaso aquele post de cima.

Desculpem a falta de assiduidade tanto nos textos como nsas visitas mas a coisa está difícil.
Beijos ao pessoal.

 
Às 13 outubro, 2006 08:42 , Blogger António disse...

Boa escolha!

Abraço

 
Às 13 outubro, 2006 08:44 , Blogger António disse...

Ahhhh...esquecia-me...
Obrigado pela visita!
Eu gosto muito de cabrito assado, mas gosto mais de "cabrita" crua...eh eh

Abraço

 
Às 13 outubro, 2006 10:30 , Blogger amita I disse...

E dizes tu "fora do contexto actual"? Meu amigo, tudo se conjuga: o poeta, a imagem, a poesia e as tuas belas escolhas.
É um prazer ler Pessoa acompanhado de tão romântica imagem.
Voltei de férias e acompanho (?!) os amigos no meu passo lento.
Um bjo e um lindo dia

 
Às 17 outubro, 2006 21:15 , Blogger marakoka disse...

bela escolha
amei reler
jocas maradas

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial