sexta-feira, setembro 22

Não, obrigado

O Conselho da Shura Mujahedine, organização que reúne vários grupos iraquianos, incluindo o ramo local da al-Qaeda, num comunicado colocado na Internet, ameaça:

"O adorador da cruz (Bento XVI) e o Ocidente serão derrotados como acontece no Iraque, Afeganistão e Tchechénia. Vamos quebrar a cruz e derramar o vinho ... Alá permita que os degolemos e faça dos seus descendentes e do seu dinheiro a recompensa dos mujahedines"

Sinto-me directamente ameaçado porque pertenço à Civilização Ocidental, com todos os seus defeitos e virtudes e quero continuar a pertencer a ela e a viver à minha maneira:

- quero continuar a comer umas febras de porco com batatas fritas, acompanhadas duma, várias, imperiais no Verão, ou de um bom tinto alentejano no Inverno, assim como quero continuar a beber os meus whiskies;
- quero continuar a ir para a praia e a ver todo aquele desfile de garotas em bikini, ou monokini;
- não estou interessado em deixar crescer a barba, nem em colocar-me cinco vezes por dia de cu para o ar;
- quero continuar a passear por esta linda Lisboa e a admirar os belos seios que as mulheres generosamente expõem, quando sabem que o podem fazer, porque o que é bom é para se ver. Não quero ver esta cidade povoada de "avejões", cobertos de negro da cabeça aos pés;
- quero gosar livremente a minha vida, sem quaisquer peias, ou restrições e desde que o meu comportamento não colida com os direitos, ou com os sentimentos dos outros.

Como diz Fernando Madrinha, no seu Editorial do "Courrier internacional" de hoje:

"A arrogância desses líderes (muçulmanos) que mobilizam a rua, como que pretendendo impor a lei da mordaça ao Ocidente e ao próprio Papa*, é obviamente inaceitável"

* Embora o que ele disse, ou deixou de dizer, não me interesse minimamente, admiro a sua coragem e frontalidade, quando vejo responsáveis políticos, e religiosos, que deviam discordar da sanha assassina dos terroristas islâmicos, todos de calças na mão, sem condenarem o terrorismo praticado em nome do Profeta e permitindo assim que chegue até nós ocidentais uma interpretação errada do Corão.

6 Comentários:

Às 22 setembro, 2006 18:12 , Blogger Nilson Barcelli disse...

Os gajos não nos gramam mesmo.
E não são apenas os grupos armados, os revolucionários, os terroristas, os fundamentalistas, etc. É a maioria da população desses países.
Acho que estamos lixados. Eles continuam a vir para a Europa paulatinamente. Não tarda nada estão em maioria, dada a quantidade de filhos que têm. Espero estar a exagerar, mas a civilização europeia corre sérios riscos de em menos de 100 anos ser minoritária e condenada ao desaparecimento.
E eu sou democrata e de esquerda... se não fosse, o que diria disto tudo?
Um abraço.

 
Às 22 setembro, 2006 19:43 , Blogger Peter disse...

Nilson, não estás a exagerar. É como dizes:

"a civilização europeia corre sérios riscos de em menos de 100 anos ser minoritária e condenada ao desaparecimento"

Abraço

 
Às 24 setembro, 2006 12:55 , Blogger Peter disse...

"O Ocidente vive com medo. Não podemos deixar que o medo vença e que os senhores do «Islão da Violência» nos silenciem e amordacem uma cultura de paz e de tolerância religiosa."

("O estado das coisas", Rui Rangel, juiz, in "Correio da manhã", 24 SET 06)

 
Às 25 setembro, 2006 01:24 , Blogger Peter disse...

"o Papa disse exactamente AQUILO QUE TODOS NÓS PENSAMOS HOJE sobre o que significa fundamentalmente a corrente dominante no Islão: o direito a mandar, a aterrorizar e a matar em nome de Deus"
(Miguel Sousa Tavares, "Regresso às cruzadas", jornal "Expresso", 23 SET 06)

Temos é medo de o dizer, até porque receamos vir a ser considerados "fascistas", ou "direitistas", ou "americanistas".

E MST termina escrevendo:
"Não, o Papa não foi mal interpretado. Infelizmente para todos nós, ele foi demasiado bem interpretado pelos «ullemas» islâmicos. Era isso mesmo que eles queriam ouvir para legitimarem a sua «jihad», e agarrarem com ambas as mãos a inesperada oferta papal: em lugar de um obscuro cartonista dinamarquês, agora têm o próprio chefe da Cristandade a desafiá-los."

 
Às 25 setembro, 2006 01:33 , Blogger Peter disse...

Ainda quero destacar, o seguinte texto, do artigo «"Paleólogo" me confesso!...» do blog "Relógio de Pêndulo", do "herético" (está nos n/links):

"Tenho por adquirido que, na celebrada conferência na Universidade alemã, o Papa não estava preocupado, especialmente, com a religião muçulmana. Ou qualquer outra religião. Pelo contrário, visava outros alvos, bem mais terrenos. Ou sejam, o racionalismo e a modernidade científica, que apesar dos argumentos justificativos de não pretender “atrasar o relógio até antes do Iluminismo”, ou “rejeitar as concepções da era moderna”, são o cerne do seu magistério."

 
Às 25 setembro, 2006 01:47 , Blogger Peter disse...

E, já agora:

"Sou um laico de cultura muçulmana e sinto-me tão longe de uma religião como da outra. (também eu ...) .... Só faltava ver o Sumo Pontífice começar a fazer discursos ao estilo de George Bush para termos todos os ingredientes para um choque de civilizações e fazer triunfar Osama Bin Laden."

(Zakaria Mohamad, in "Courrier internacional" de 22/28 SET 06)

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial