segunda-feira, julho 4

Caciquismo.

João Jardim contra emigrantes na ilha


“O presidente do Governo Regional da Madeira não quer emigrantes chineses ou indianos na ilha. A ideia foi defendida durante as festas da localidade de Santana.”
In “TSF on-line”


Quando Karl Popper, em 1943, publicou a obra "Sociedade Aberta e os Seus Inimigos", a questão que se colocava em todo o mundo era a de decidir entre Sociedades Fechadas (totalitárias, racistas, xenófobas, chauvinistas, etc) e Sociedades Abertas (Democráticas).

Sobre as primeiras chamou a atenção para o seus fundamentos nas sociedades tribais, assentes no princípio da responsabilidade colectiva e na obediência cega aos chefes, mas também nas concepções políticas totalitárias e racistas de Platão, ou nas totalitárias e messiânicas de Karl Marx.

Sobre as segundas, mostrou a fragilidade, mas também a força dos regimes democráticos assentes no princípio da responsabilidade individual, na crítica permanente e abertura a novas ideias.

Nas sociedades fechadas, os chefes, estavam na posse da verdade e apregoavam a felicidade dos povos. Nas sociedades abertas, a descoberta da verdade ou a felicidade era um problema que cada um tinha que procurar por si.

Contrariando a visão tradicional da história da Humanidade, Karl Popper defendeu que não esta não obedecia a nenhuma trajectória previamente conhecida, todos os avanços e recuos eram possíveis a todo o momento.

No início do IIIº. Milénio da Era Cristã, o problema que se coloca às sociedades abertas é muito diferentes, daquele que se vivia no século XX quando os totalitarismos mergulhavam o mundo no terror. O problema não se reduz agora em defender a abertura das sociedades à crítica e liberdade individual, mas em pugnar pela abertura a outras culturas e outras maneiras de pensar. Em estabelecer um verdadeiro diálogo de povos, uma sintonia global. Em aceitar a diversidade e complexidade como uma riqueza intrínseca da Humanidade, no respeito de um conjunto de princípios (os Direitos do Homem) que já fazem parte da regras de coexistência nesta aldeia global.

Neste aspecto, a alternativa é agora entre sociedades segregadoras (fechadas à diversidade, limitando a sua abertura a outras pessoas de outros povos e culturas) e sociedades integradoras que fazem do cruzamento com outros povos e culturas uma riqueza para o seu desenvolvimento.

A emancipação é uma noção repetidamente invocada, mas de contornos mal definidos. A perspectiva multidimensional de Ernesto Laclau pressupõe que a emancipação contém, entre outras, as seguintes dimensões: dicotómica, porque se afirma em oposição à ordem social; holística, porque visa encontrar alternativas em todos os domínios da vida social; transcendente, porque é dirigida à eliminação do poder; anti-opressiva, porque quer eliminar os mecanismos opressivos que impedem o livre desenvolvimento de algo; libertadora, porque rompe com os mecanismos de dominação e opressão; racional, porque obedece ao principio de uma racionalidade absoluta capaz de ver o real para além da positividade opaca de que se reveste.

O caciquismo de Alberto João Jardim é um fenómeno a combater e desaparecerá com a elevação do nível da consciência cívica nacional.

4 Comentários:

Às 04 julho, 2005 22:17 , Blogger lazuli disse...

Acredito na tua conclusão quanto ao caciquismo daquela "avis rara",isso só é possível pelo nossa passado mais ou menos recente. Já dura há muito, ele e muitos mais pelo país fora.Talvez não tão exteriorizados, mas nem por isso muito diferentes. Não dizem palavrões é certo..ou dizem-nos de outra forma mais subtil. Com isto não estou a defendê-lo, porque ali está o padrão do caciquismo.. em tons fortes.
Um beijo*
Fernanda G

 
Às 04 julho, 2005 23:33 , Blogger Peter disse...

A fragilidade dos líderes políticos europeus está a conduzir a UE a um beco sem saída. É o triunfo dos EUA através do seu "testa de ferro" Tony Blair.Transcrevo as palavras de Mário Soares a respeito do indivíduo, porque elas traduzem exactamente aquilo que senti, quando vi as imagens na TV: "No final da reunião, vi-o pela TV, com uma taça de chá na mão, a passear a sua insolência entre os seus parceiros, que mal cumprimentava, com um impante sorriso de vitória, de orelha a orelha. O que contrastava fortemente com o ar abatido dos outros." É precisamente essa fragilidade dos nossos líderes, a responsável pela existência de um AJJ. Um a nível europeu, com o típico snobismo britânico. Outro a nível local, com o seu caciquismo caceteiro.///Relendo Karl Popper, citado no texto, "Os homens não são iguais; mas podem decidir lutar por direitos iguais. As instituições humanas tais como o Estado não são racionais, mas podemos decidir lutar para as tornar mais racionais."

 
Às 04 julho, 2005 23:37 , Blogger Heloisa B.P disse...

Deixo meu ABRACO!
E... continuo a LER!
_FIQUE BEM!
Heloisa.
******************

 
Às 04 julho, 2005 23:42 , Blogger BlueShell disse...

Alguém tem de fazer alguma coisa acerca "desse gajo"...

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial