quarta-feira, abril 13

A SITUAÇÃO PORTUGUESA

“A situação a que Portugal chegou é a crise há tanto tempo anunciada. Sem branqueamentos, a História permitirá apurar causas e responsabilidades. Mas agora, depois de tanta leviandade, há que mostrar a maturidade do país. Aos partidos, ao Governo e ao Presidente da República pede-se a coragem do consenso. Discordar é fácil; esticar a corda do diálogo também. Mas ultrapassar divergências, esquecer rivalidades e pôr de lado inúteis vaidades só está ao alcance de políticos com sentido de Estado; os únicos em que importa confiar. Os partidos e os dirigentes que se limitem a explorar o descontentamento e a frustração populares só contribuem para agravar a crise e nunca para a resolver. De igual modo, a sociedade civil, os empresários, os sindicatos, os agentes sociais e culturais devem saber ultrapassar as fronteiras – sempre estreitas - dos seus interesses específicos. Os sacrifícios são inevitáveis; mas serão inúteis sem uma estratégia nacional, consistente e participada; e se continuarem as perdas de tempo e as figuras tristes na praça pública. Portugal precisa de acabar com o espectáculo ridículo e deprimente de ser visto, na Europa, como um devedor tão irresponsável quanto arrogante. Se os portugueses não começarem por respeitar o seu próprio país, não serão, decerto, os outros a fazê-lo.” (Francisco Sarsfield Cabral in “página 1” de 12/03/11)

1 Comentários:

Às 16 abril, 2011 18:17 , Blogger Peter disse...

Parece que sim, que já "bateu no fundo".

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial