segunda-feira, março 21

Sol e Lua

Estava sentado ao balcão do bar, comendo, em pedaços pequeninos, uma tosta mista e beberricando uma imperial. Queimava tempo: já fizera 4 telefonemas e enviara 2 sms sem obter resposta.
O tipo do balcão olhava para ele: "este chato nunca mais se despacha e há aí gente à espera".

Por fim, depois duma eternidade, chegou um sms: "Não podia vir".

Já o esperava. Eram Sol e Lua. Aqui há tempo, numa praia brasileira, juntou-se uma autêntica multidão para assistir ao encontro dos dois astros. Aqui não seria o caso, nem eram astros, nem os encontros assim tão escassos. Mas, para os que se amam, todo o tempo é pouco.

Encontrei-o na paragem de autocarros:
- Então?
- Não veio.
- Deixa lá, falas com ela logo à noite.
- Não é o mesmo.

Comecei a pensar como seria com um guarda-nocturno e uma enfermeira.
- Sei lá, há sempre tempo e lugar.
- Tempo para sexo, ou tempo para amar?
- Não é o mesmo?
- Não. “Acho que no meio de tudo há o desejo, puro. Depois esse desejo corporiza-se numa pessoa, mistura-se com outros ingredientes. E apareces tu como és, e tu transformas-te em qualquer coisa, num amor desejo, num desejo amor e em tanta cumplicidade que passa por....desejo, pele, ardor, sexo, palavras, ser, noite, dia, presente, querer desejar, ter, ser... “

- És um poeta.
- Quem, eu? Nem penses! Na verdade é um pensamento duma poetiza. Às vezes estas citações resultam … dão-me um ar erudito.

Lá veio o autocarro, apinhadíssimo como de costume e fomos abrindo caminho ao empurrão e à cotovelada. Acabei por levar uma de um tipo que me pareceu ser o Luisão. Mas não era de certeza. Ele não anda de autocarro.

- Vamos ali beber um café, ou tens que fazer?
- Bora.

Falámos do tempo da Faculdade. Ele é muito mais novo que eu, mas ainda não se deu conta. Ou serei eu que não dei?

- Julgas que escolhestes essa miúda?
- Foi o acaso.
- “Acaso”, qual acaso? Foste tu que decidiste ir para essa Fac, não foi o acaso e, convence-te, foi ela que te escolheu para o trabalho de grupo. Planeou tudo, já te trazia debaixo de olho.
- Mas porquê eu?
- Olha, pelo que te disse acima. Nós homens normalmente só olhamos para o “envólucro” exterior, mas elas vêem muito mais além …

Publicado em 26 JAN 2006

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial