terça-feira, fevereiro 21

CIÚME


"Se o ciúme nasce do intenso amor, quem não sente ciúmes pela amada não é amante, ou ama de coração ligeiro, de modo que se sabe de amantes os quais, temendo que o seu amor se atenue, o alimentam procurando a todo o custo razões de ciúme.
Portanto o ciumento (que porém quer ou queria a amada casta e fiel) não quer nem pode pensá-la senão como digna de ciúme, e portanto culpada de traição, atiçando assim no sofrimento presente o prazer do amor ausente. Até porque pensar em nós que possuímos a amada longe - bem sabendo que não é verdade - não nos pode tornar tão vivo o pensamento dela, do seu calor, dos seus rubores, do seu perfume, como o pensar que desses mesmos dons esteja afinal a gozar um Outro: enquanto da nossa ausência estamos seguros, da presença daquele inimigo estamos, se não certos, pelo menos não necessariamente inseguros. O contacto amoroso, que o ciumento imagina, é o único modo em que pode representar-se com verosimilhança um conúbio de outrem que, se não indubitável, é pelo menos possível, enquanto o seu próprio é impossível.
Assim o ciumento não é capaz, nem tem vontade, de imaginar o oposto do que teme, aliás só pode obter o prazer ampliando a sua própria dor, e sofrer pelo ampliado prazer de que se sabe excluído. Os prazeres do amor são males que se fazem desejar, onde coincidem a doçura e o martírio, e o amor é involuntária insânia, paraíso infernal e inferno celeste - em resumo, concórdia de ambicionados contrários, riso doloroso e friável diamante."

(Umberto Ec,”A ilha do Dia Antes” – foto do Google')

14 Comentários:

Às 21 fevereiro, 2006 16:39 , Blogger Mendes Ferreira disse...

bom....quem morre de ciume...sou eu....que maraviha Aqui....blog plasticamente perfeito....texto optimo....que raiva....:)


beijo.

obrigado.

 
Às 21 fevereiro, 2006 22:11 , Anonymous zezinho disse...

Sabes que de qd em vez discorro acerca do ciume? - Doneça, mania ou algo justificável? Ou ainda tudo isso?
Ainda não encontrei a resposta.
Abraços

P.S. Não consigo ver nada no post da Blue.....zinha

 
Às 21 fevereiro, 2006 22:30 , Blogger Tribunal_Beatas disse...

Grande Umberto Eco. É que ele descreve aqui o ciúme de forma perfeita! E quem não sentir isto não sente o ciúme.
Beijinhos

 
Às 21 fevereiro, 2006 22:31 , Blogger bluegift disse...

Peter, a foto é uma verdadeira ternura :)

Zé, mistérios da linguagem informática. Só agora dei pelo problema mas já está resolvido :)

Beijos

 
Às 21 fevereiro, 2006 22:43 , Blogger Peter disse...

"zezinho", queria dizer-te que já pensei (e até cheguei a pôr em prática) em me ir embora, deixando o blog a vocês os dois, mas há sempre algo que me prende.

Quanto ao tema tratado pelo HEcco, penso que ele sintetiza muito bem o sentimento, qd escreve:

"Se o ciúme nasce do intenso amor, quem não sente ciúmes pela amada não é amante, ou ama de coração ligeiro"

 
Às 21 fevereiro, 2006 22:48 , Blogger Peter disse...

"bluegift",tb acho. A foto e o pequeno extracto que destaquei para o Zé.
Antes de publicar no blog o site, experimentei-o e puz a senhora a dizer-me palavras bonitas. Fartei-me de rir. Enfim, maluquices.

 
Às 21 fevereiro, 2006 23:05 , Blogger bluegift disse...

mendes ferreira, se gostas de piano já somos, pelo menos dois.

tribunal beatas, o ciúme é como o alcool: deve beber-se com moderação ;)

Peter, ías onde? ;)

 
Às 21 fevereiro, 2006 23:09 , Blogger Lost Soul disse...

"o amor é involuntária insânia, paraíso infernal e inferno celeste"... e nisto tudo o sábio disse. O amor é feito de contradições... Quanto ao ciúme... são páginas escritas a vermelho, marcadas a ferro e fogo...

 
Às 22 fevereiro, 2006 00:01 , Blogger Peter disse...

"bluegift", embora. Jogar às cartas com os reformados, num recanto de jardim.
Julgas que não são felizes? Não se interrogam a si próprios. Simplesmente, jogam "à sueca" todo dia e no dia seuinte e no outro e no outro...

 
Às 22 fevereiro, 2006 00:01 , Blogger lazuli disse...

que belo texto, Peter.
O ciume é algo que paira entre esperanças e medos e entre a satisfação e a insatisfação. Sinal dessa alternância.

Boa noite para ti e electrões de beijinhos**

 
Às 22 fevereiro, 2006 09:07 , Blogger Peter disse...

"lazuli", o teu comment não fica nada atrás do texto do Humberto Ecco:

"O ciume é algo que paira entre esperanças e medos e entre a satisfação e a insatisfação."

Electrões não, porque têm carga negativa. Positrões de beijinhos

 
Às 22 fevereiro, 2006 15:40 , Blogger Lady disse...

Desde que seja sempre de forma equilibrada, ciúme não é defeito.
Mas que disse que o amor é equilibrado e não feito de altos e baixos, de paixões, ilusões e desilusões?
Também o ciúme é revelador de que se ama, mas se transformado em obsessão passa a ser apenas uma arma que dilacera mais quem o sente do que o seu alvo.

Beijinhos

(um destes dias, darei por mim a pensar se o Peter abomina a minha presença)

 
Às 22 fevereiro, 2006 16:43 , Blogger JOINCANTO disse...

Confesso que só estou a fazer este comentário para irem ver o meu Blog!
:))))

 
Às 22 fevereiro, 2006 22:21 , Blogger Peter disse...

"lady"

EU?????????????????????????

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial